Saberes tradicionais sobre plantas medicinais na conservação da biodiversidade amazônica

Autores

  • Deyvison Luz Santos Universidade Federal do Pará, Laboratório de Educação, Ambiente e Saúde (LEMAS)
  • Jones Souza Moraes Universidade Federal do Pará, Laboratório de Educação, Ambiente e Saúde (LEMAS)
  • Zilah Therezinha de Souza Araújo Universidade Federal do Pará, Laboratório de Educação, Ambiente e Saúde (LEMAS)
  • Iracely Rodrigues da Silva Universidade Federal do Pará, Laboratório de Educação, Ambiente e Saúde (LEMAS)

Palavras-chave:

Biodiversidade, Planta medicinal, Saberes tradicionais

Resumo

Na Amazônia espécies utilizadas comumente pelas comunidades tradicionais ainda são pouco conhecidas ou não foram identificadas, dificultando seu aproveitamento pela indústria farmacêutica. Este trabalho tem como objetivo analisar o uso de Eleutherine plicata Herb. conhecida popularmente como “Nambu Tutano” no tratamento da diarreia e amebíase dos moradores da comunidade Ponta do Urumajó, Pará. O trabalho foi desenvolvido numa abordagem qualitativa, utilizando-se entrevista e observação, coleta de amostras vegetais, identificação botânica e levantamento bibliográfico. Na comunidade, “Nambu Tutano” é utilizado em forma de chá feito do bulbo da espécie. As análises apontam a eficácia do tratamento natural pela comunidade usuária devido a presença do composto químico sapogenina esteroidal, que contêm propriedades analgésicas e anti-dematogênicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE, U. P. Introdução à Etnobotânica. Recife: Bagaço, 2002, 87 p.

ALMASSY J. A. A. et al. Folhas de chá: plantas medicinais na terapêutica humana. Viçosa: UFV, 2005.

ALVES, T. M. A.; KLOOS, H.; ZANI, C. L. Eleutherinone, a novel fungitoxic naphthoquinone from Eleutherine bulbosa (Iridaceae). Mem. Inst. Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, v. 98, n. 5, p. 709-712, 2003.

AMOROZO, M, C. Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo Antônio do Leverger, MT, Brasil. Acta Botânica Brasílica. v. 16, n. 2, p. 189-203, 2002.

AMOROZO, M. C. M. et al. A abordagem etnobotânica na pesquisa de plantas medicinais. In: DI STASI, L. C. (Org.). Plantas medicinais: Arte e Ciência, um guia de estudo interdisciplinar. São Paulo: EDUSP, 1996. p. 47-68

BARBOSA, W. L. R.; LIMA, A. P.; PINTO, L. N. Levantamento etnofarmacêutico da fitoterapia tradicional de Igarapé Mirí-Pará. In: VII Reunião Especial da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, Manaus-AM, 2001.

BENSUSAN, N. et al. Biodiversidade: para comer, vestir ou passar no cabelo? Para mudar o mundo! São Paulo: Peirópolis, 2006.

BENSUSAN, N. Seria melhor mandar ladrilhar? Biodiversidade: como, para que e por quê. 2. ed. São Paulo: Peirópolis, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos. Brasília-DF: Ministério da Saúde, 2006.

CHOPRA, D.; SIMON, D. O guia Deepak Chopra de ervas: 40 receitas naturais para uma saúde perfeita. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

COELHO-FERREIRA, M. Medicinal knowledge and plant utilization in an Amazonian coastal community of Marudá, Pará State (Brazil). Journal of Ethnopharmacology, v. 126, n. 1, p. 159-175, 2009.

CORRÊA, M. P. Dicionário de plantas úteis do Brasil e das exóticas cultivadas. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal, 1969.

COSTA, F. G. C.; NUNES, F. C. P.; PERES, V. Mapeamento etnofarmacológico e etnobotânico de espécies de cerrado, na microrregião de Patos de Minas. Revista Perquirere. Patos de Minas: UNIPAM, n. 7, v. 2, p. 93-111, 2010.

COSTA, J. C.; MARINHO, M. G. V. Etnobotânica de plantas medicinais em duas comunidades do município de Picuí, Paraíba, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 18, n. 1, p. 125-134, 2016.

DIEGUES, A. C. (Org). Os saberes tradicionais e a biodiversidade no Brasil. São Paulo: Ministério do Meio Ambiente/USP, 2000.

DIEGUES, A. C. O Mito moderno da Natureza Intocada. 3. ed. São Paulo: HUCITEC, 2001.

DIEGUES, A. C. Pescadores, camponeses e trabalhadores do mar. Ática, São Paulo, Brasil, 1983.

FRANÇA, I. S. X. et al. Medicina popular: benefícios e malefícios das plantas medicinais. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 61, n. 2, p. 201-208, 2008.

GADOTTI, M. Pedagogia da práxis. 2. ed. São Paulo: Cortez, p. 333, 1998.

GADOTTI, M. Pedagogia da terra. 5. ed. São Paulo: Peirópolis, p. 217, 2000.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GRENAND, P.; MORETTI, C.; JACQUEMIN, H. Pharmacopées traditionnelles en Guyane: Créoles, Palikur, Wayãpi. Paris: TORSTOM, 1987.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL (ISA). Biodiversidade na Amazônia Brasileira: avaliação de ações prioritárias para a conservação, uso sustentável e repartição de benefícios. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

JARDIM, M. A. G.; MEDEIROS, T. D. S. Plantas oleaginosas do Estado do Pará: composição florística e usos medicinais. Revista Brasileira de Farmácia, v. 87, n. 4, p. 124-127, 2006.

JOHN, L. Biodiversidade também é uma questão de educação. In: BENSUSAN, N. et al. (Org.). Biodiversidade: para comer, vestir ou passar no cabelo? Para mudar o mundo! São Paulo: Peirópolis, p. 397-406, 2006.

LEÂO, R. B. A.; FERREIRA, M. R. C.; JARDIM, M. A. G. Levantamento de plantas de uso terapêutico no município de Santa Bárbara do Pará, Estado do Pará, Brasil. Revista Brasileira de Farmácia, v. 88, n. 1, p. 21-25, 2007.

LITTLE, P. Territórios Sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma nova antropologia da territorialidade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, p. 251-290, 2004.

MEYER, B. N. et al. Camarão Salmoura: um Bioensaio Geral Conveniente para Constituintes Ativos de Plantas. Planta médica, v. 45, n. 5, p. 31-34, 1982.

MING, L. C.; AMOROZO, M. C. M.; SILVA, S. P. S. Métodos de coleta e análise de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas. São Paulo: UNESP, 2002.

OLIVEIRA NETO. A. R. et al. O uso de Eleutherine plicata no tratamento de doenças gastrointestinais na Amazônia paraense. In: VIII Congresso de Ecologia do Brasil, Caxambu – MG, 2007.

OLIVEIRA, R. L. C. Etnobotânica e plantas medicinais: estratégias de conservação. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 10, n. 2, p. 76-82, 2010.

PEREIRA, A. C. S.; CUNHA, M. G. C. Medicina popular e saberes tradicionais sobre as propriedades medicinais da flora Cerradeira. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 11, n. 21, p. 126-137, 2015.

PINTO, E. P. P.; AMOROZO, M. C. M.; FURLAN, A. Conhecimento popular sobre plantas medicinais em comunidades rurais de mata atlântica-Itacaré, BA, Brasil. Acta botânica brasílica, p. 751-762, 2006.

RIBEIRO, C. M. Avaliação da atividade antimicrobiana de plantas utilizadas na medicina popular da Amazônia. 2008. 66 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas. Belém, 2008.

ROBBINS, M. C., NOLAN, J. M. A measure of dichotomous category bias in free- listing tasks. Jornal CAM, v. 9, n. 3, p. 8-12, 1997.

SILVA, I. R. et al. Environmental Status of Urban Beaches in São Luís (Amazon Coast, Brazil). Journal of Coastal Research, v. 2. n. 56, p. 1301-1305, 2009.

VERDAM, M. C. S.; SILVA, C. B. O estudo de plantas medicinais e a correta identificação botânica. Visão Acadêmica, Curitiba, v. 11, n. 1, p. 7-13, 2010.

Downloads

Publicado

2019-06-02

Como Citar

SANTOS, D. L. .; MORAES, J. S. .; ARAÚJO, Z. T. de S. .; DA SILVA, I. R. . Saberes tradicionais sobre plantas medicinais na conservação da biodiversidade amazônica. Ciências em Foco, Campinas, SP, v. 12, n. 1, 2019. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cef/article/view/9894. Acesso em: 16 maio. 2022.

Edição

Seção

Identidade, Formação e Atuação de professores de ciências