Banner Portal
Saberes tradicionais sobre plantas medicinais na conservação da biodiversidade amazônica
PDF

Palavras-chave

Biodiversidade
Planta medicinal
Saberes tradicionais

Como Citar

SANTOS, D. L. .; MORAES, J. S. .; ARAÚJO, Z. T. de S. .; DA SILVA, I. R. . Saberes tradicionais sobre plantas medicinais na conservação da biodiversidade amazônica. Ciências em Foco, Campinas, SP, v. 12, n. 1, 2019. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cef/article/view/9894. Acesso em: 29 fev. 2024.

Resumo

Na Amazônia espécies utilizadas comumente pelas comunidades tradicionais ainda são pouco conhecidas ou não foram identificadas, dificultando seu aproveitamento pela indústria farmacêutica. Este trabalho tem como objetivo analisar o uso de Eleutherine plicata Herb. conhecida popularmente como “Nambu Tutano” no tratamento da diarreia e amebíase dos moradores da comunidade Ponta do Urumajó, Pará. O trabalho foi desenvolvido numa abordagem qualitativa, utilizando-se entrevista e observação, coleta de amostras vegetais, identificação botânica e levantamento bibliográfico. Na comunidade, “Nambu Tutano” é utilizado em forma de chá feito do bulbo da espécie. As análises apontam a eficácia do tratamento natural pela comunidade usuária devido a presença do composto químico sapogenina esteroidal, que contêm propriedades analgésicas e anti-dematogênicas.

PDF

Referências

ALBUQUERQUE, U. P. Introdução à Etnobotânica. Recife: Bagaço, 2002, 87 p.

ALMASSY J. A. A. et al. Folhas de chá: plantas medicinais na terapêutica humana. Viçosa: UFV, 2005.

ALVES, T. M. A.; KLOOS, H.; ZANI, C. L. Eleutherinone, a novel fungitoxic naphthoquinone from Eleutherine bulbosa (Iridaceae). Mem. Inst. Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, v. 98, n. 5, p. 709-712, 2003.

AMOROZO, M, C. Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo Antônio do Leverger, MT, Brasil. Acta Botânica Brasílica. v. 16, n. 2, p. 189-203, 2002.

AMOROZO, M. C. M. et al. A abordagem etnobotânica na pesquisa de plantas medicinais. In: DI STASI, L. C. (Org.). Plantas medicinais: Arte e Ciência, um guia de estudo interdisciplinar. São Paulo: EDUSP, 1996. p. 47-68

BARBOSA, W. L. R.; LIMA, A. P.; PINTO, L. N. Levantamento etnofarmacêutico da fitoterapia tradicional de Igarapé Mirí-Pará. In: VII Reunião Especial da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, Manaus-AM, 2001.

BENSUSAN, N. et al. Biodiversidade: para comer, vestir ou passar no cabelo? Para mudar o mundo! São Paulo: Peirópolis, 2006.

BENSUSAN, N. Seria melhor mandar ladrilhar? Biodiversidade: como, para que e por quê. 2. ed. São Paulo: Peirópolis, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos. Brasília-DF: Ministério da Saúde, 2006.

CHOPRA, D.; SIMON, D. O guia Deepak Chopra de ervas: 40 receitas naturais para uma saúde perfeita. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

COELHO-FERREIRA, M. Medicinal knowledge and plant utilization in an Amazonian coastal community of Marudá, Pará State (Brazil). Journal of Ethnopharmacology, v. 126, n. 1, p. 159-175, 2009.

CORRÊA, M. P. Dicionário de plantas úteis do Brasil e das exóticas cultivadas. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal, 1969.

COSTA, F. G. C.; NUNES, F. C. P.; PERES, V. Mapeamento etnofarmacológico e etnobotânico de espécies de cerrado, na microrregião de Patos de Minas. Revista Perquirere. Patos de Minas: UNIPAM, n. 7, v. 2, p. 93-111, 2010.

COSTA, J. C.; MARINHO, M. G. V. Etnobotânica de plantas medicinais em duas comunidades do município de Picuí, Paraíba, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 18, n. 1, p. 125-134, 2016.

DIEGUES, A. C. (Org). Os saberes tradicionais e a biodiversidade no Brasil. São Paulo: Ministério do Meio Ambiente/USP, 2000.

DIEGUES, A. C. O Mito moderno da Natureza Intocada. 3. ed. São Paulo: HUCITEC, 2001.

DIEGUES, A. C. Pescadores, camponeses e trabalhadores do mar. Ática, São Paulo, Brasil, 1983.

FRANÇA, I. S. X. et al. Medicina popular: benefícios e malefícios das plantas medicinais. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 61, n. 2, p. 201-208, 2008.

GADOTTI, M. Pedagogia da práxis. 2. ed. São Paulo: Cortez, p. 333, 1998.

GADOTTI, M. Pedagogia da terra. 5. ed. São Paulo: Peirópolis, p. 217, 2000.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GRENAND, P.; MORETTI, C.; JACQUEMIN, H. Pharmacopées traditionnelles en Guyane: Créoles, Palikur, Wayãpi. Paris: TORSTOM, 1987.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL (ISA). Biodiversidade na Amazônia Brasileira: avaliação de ações prioritárias para a conservação, uso sustentável e repartição de benefícios. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

JARDIM, M. A. G.; MEDEIROS, T. D. S. Plantas oleaginosas do Estado do Pará: composição florística e usos medicinais. Revista Brasileira de Farmácia, v. 87, n. 4, p. 124-127, 2006.

JOHN, L. Biodiversidade também é uma questão de educação. In: BENSUSAN, N. et al. (Org.). Biodiversidade: para comer, vestir ou passar no cabelo? Para mudar o mundo! São Paulo: Peirópolis, p. 397-406, 2006.

LEÂO, R. B. A.; FERREIRA, M. R. C.; JARDIM, M. A. G. Levantamento de plantas de uso terapêutico no município de Santa Bárbara do Pará, Estado do Pará, Brasil. Revista Brasileira de Farmácia, v. 88, n. 1, p. 21-25, 2007.

LITTLE, P. Territórios Sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma nova antropologia da territorialidade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, p. 251-290, 2004.

MEYER, B. N. et al. Camarão Salmoura: um Bioensaio Geral Conveniente para Constituintes Ativos de Plantas. Planta médica, v. 45, n. 5, p. 31-34, 1982.

MING, L. C.; AMOROZO, M. C. M.; SILVA, S. P. S. Métodos de coleta e análise de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas. São Paulo: UNESP, 2002.

OLIVEIRA NETO. A. R. et al. O uso de Eleutherine plicata no tratamento de doenças gastrointestinais na Amazônia paraense. In: VIII Congresso de Ecologia do Brasil, Caxambu – MG, 2007.

OLIVEIRA, R. L. C. Etnobotânica e plantas medicinais: estratégias de conservação. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 10, n. 2, p. 76-82, 2010.

PEREIRA, A. C. S.; CUNHA, M. G. C. Medicina popular e saberes tradicionais sobre as propriedades medicinais da flora Cerradeira. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 11, n. 21, p. 126-137, 2015.

PINTO, E. P. P.; AMOROZO, M. C. M.; FURLAN, A. Conhecimento popular sobre plantas medicinais em comunidades rurais de mata atlântica-Itacaré, BA, Brasil. Acta botânica brasílica, p. 751-762, 2006.

RIBEIRO, C. M. Avaliação da atividade antimicrobiana de plantas utilizadas na medicina popular da Amazônia. 2008. 66 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas. Belém, 2008.

ROBBINS, M. C., NOLAN, J. M. A measure of dichotomous category bias in free- listing tasks. Jornal CAM, v. 9, n. 3, p. 8-12, 1997.

SILVA, I. R. et al. Environmental Status of Urban Beaches in São Luís (Amazon Coast, Brazil). Journal of Coastal Research, v. 2. n. 56, p. 1301-1305, 2009.

VERDAM, M. C. S.; SILVA, C. B. O estudo de plantas medicinais e a correta identificação botânica. Visão Acadêmica, Curitiba, v. 11, n. 1, p. 7-13, 2010.

Apesar do periódico ser de acesso aberto, utilizando a Licença Creative Commons, os direitos autorais dos trabalhos submetidos são de exclusividade da revista.

Downloads

Não há dados estatísticos.