Reestruturação da disciplina química fundamental de um curso de bacharelado por meio da implementação de unidades didáticas multiestratégicas

possibilidades de inovação didático-pedagógico

Autores

  • Camila Campos Zoca Universidade Estadual Paulista
  • Amadeu Moura Bego Universidade Estadual Paulista

Palavras-chave:

Unidade didática multiestratégica, Avaliação formativa, Ensino superior, Inovação didático-pedagógica, Ensino de Química

Resumo

Este artigo apresenta os impactos da reestruturação da disciplina Química Fundamental, do Instituto de Química da Unesp, campus de Araraquara, por meio da implementação de Unidades Didáticas Multiestratégicas (UDM). Realizou-se uma pesquisa não-experimental do tipo estudo de caso e as fontes foram dados sobre os problemas enfrentados pelos professores do departamento e da avaliação de estudantes por meio de questionário. Os dados revelaram as potencialidades da implantação das UDM na melhoria da aprendizagem e da motivação de estudantes decorrentes da maior organização e sistematização da disciplina, bem como da diversificação de estratégias didáticas e de avaliação utilizadas em um fundamentado e estruturado planejamento didático-pedagógico. Além disso, a maioria dos estudantes ressalta os plantões de dúvidas como espaço imprescindível para a melhoria do aprendizado em função da proximidade e adaptação da linguagem dos monitores, do atendimento individualizado, do auxílio em conteúdos básicos e na orientação para o estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Campos Zoca, Universidade Estadual Paulista

Instituto de Química - Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Amadeu Moura Bego, Universidade Estadual Paulista

Instituto de Química - Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Referências

AGOSTINI, G. et al. Motivações dos ingressantes no curso de Licenciatura em Química da Unesp de Araraquara. In: Encontro Nacional de Ensino de Química, 17, 2014, Ouro Preto. Anais... Ouro Preto: SBQ; UFOP; Química Nova na Escola, 2014.

BARCELOS JUNIOR, A. Retenção discente nos cursos de graduação do Centro Universitário do Norte do Espírito Santo implantados a partir do REUNI. 2015. 120f. Dissertação (Mestrado em Gestão Pública) – Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2015.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BASTOS, F. et al. Da necessidade de uma pluralidade de interpretações acerca do processo de ensino e aprendizagem de Ciências: revistando os debates sobre Construtivismo. In: NARDI, R.; BASTOS, F.; DINIZ, R. E. S. (Org). Pesquisas em ensino de ciências: contribuições para a formação de professores. São Paulo: Escrituras, 2004, p. 9 - 55.

BEGO, A. M. Sistemas Apostilados de Ensino e Trabalho Docente: Estudo de caso com professores de Ciências e gestores de uma Rede Escolar Pública Municipal. 2013. 323f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Unesp, Bauru, 2013.

BEGO, A. M. A implementação de unidades didáticas multiestratégicas na formação inicial de professores de Química. Coleção Textos FCC (Online), v. 50, p. 55-72, 2016.

BOAS, B. M. F. V. Módulo III: A avaliação na escola. Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1975.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Parecer 1.303/2001 – Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Química. Brasília, 2001.

BUSSAB, W. O.; MORETTIN, P. A. Estatística Básica. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

FLICK, U. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FREEMAN, S. et al. Active learning increases student performance in science, engineering and mathematics. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 111, n. 23, p. 8410- 8415, 2014.

GATTI, B. A. et al. Atratividade da carreira docente no Brasil. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2009.

LOGUERCIO, R. Q.; DEL PINO, J. C. Contribuições da História e da Filosofia da Ciência para a construção do conhecimento científico em contextos de formação profissional da química. ACTASCIENTIAE, v. 8, n. 1, p. 67-77, jan/jun. 2006.

MANFRIM, F. Avaliação do Ensino de Graduação: a evasão e a retenção. Unesp Agência de Notícias, São Paulo, 10 jun. 2016. Disponível em: http://unan.unesp.br/destaques/0/22236/Avaliacao-do-Ensino-de-Graduacao-a-evasao-e-aretencao. Acessado em: 10 nov. 2016.

MIZUKAMI, M. G. N. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: LTC, 1986.

PEREIRA, A. S. Retenção discente nos cursos de graduação presencial da UFES. 2013. 164 f. Dissertação (Mestrado em Gestão Pública) - Programa de Pós-Graduação em Gestão Pública, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2013.

RAMOS, M. G.; MORAES, R. A avaliação em Química: contribuição aos processos de mediação da aprendizagem e de melhoria do ensino. In: MALDANER, O. A.; SANTOS, W. L. P. Ensino de Química em foco. 4. ed. Ijuí: UNIJUÍ, 2011. p. 313 - 330.

SANCHEZ BLANCO, G.; VALCÁRCEL PÉREZ, M. V. Diseño de unidades didácticas en el área de ciencias experimentales. Enseñanza de las ciencias, v. 11, n. 1, p. 33-44, 1993.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE (Niterói). Pesquisa inédita analisa causas da retenção de alunos da UFF. 2015. Disponível em: http://www.uff.br/?q=noticias/29-06- 2015/pesquisa-inedita-analisa-causas-da-retencao-de-alunos-da-uff. Acesso em: 26 out. 2016.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Como Citar

ZOCA, C. C.; BEGO, A. M. Reestruturação da disciplina química fundamental de um curso de bacharelado por meio da implementação de unidades didáticas multiestratégicas : possibilidades de inovação didático-pedagógico. Ciências em Foco, Campinas, SP, v. 11, n. 1, 2018. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cef/article/view/9722. Acesso em: 5 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos