Banner Portal
A mnemotecnia como aprendizagem significativa na educação profissional e tecnológica
PDF

Palavras-chave

ensino médio integrado
mnemotecnia neurociência
teorias da aprendizagem significativa
ensino de biologia

Como Citar

SANTOS, C.; REIS, I. A. O. A mnemotecnia como aprendizagem significativa na educação profissional e tecnológica: ressignificar saberes no ensino médio integrado. Ciências em Foco, Campinas, SP, v. 15, n. 00, p. e022006, 2023. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cef/article/view/16128. Acesso em: 26 fev. 2024.

Resumo

O objetivo deste estudo é apresentar a Mnemotecnia como recurso de ressignificação dos conteúdos de Biologia no Ensino Médio Integrado (EMI) através da correlação com a Teoria da Aprendizagem Significativa (TAS) proposta por Ausubel (1918-2008) e contextualizada por Moreira (2012), assim como o estabelecido nos princípios norteadores da Educação Profissional e Tecnológica (EPT) dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IF’s). Para isto utilizou-se de uma vasta revisão bibliográfica com abordagem qualitativa para a delimitação dos conceitos centrais de TAS, Mnemotecnia e Neurociência. Concluímos que mediante a relevância da TAS é viável incorporar o uso das técnicas mnemônicas no EMI/EPT como instrumento de ressignificação dos conhecimentos e subsunçores dos discentes, alcançados por meio da mediação do docente no uso de práticas pedagógicas integradoras e que a compreensão da neuroedução podem ajudar nesse processo de construção que estimulem a maximização da capacidade de aprendizagem a partir da realização de práticas ativas, interdisciplinares e contextualizadas. No Brasil ainda é incipiente a pesquisa, uso e publicações nessa área, na grande maioria o volume de informações está condicionada a poucas traduções de trabalhos internacionais.

PDF

Referências

AMIRYOUSEFI, Mohammad; KETABI, Saeed. Mnemonic instruction: A way to boost vocabulary learning and recall. Journal Of Language Teaching And Research. Finland, p. 178-182. jan. 2011. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/228990463. Acesso em: 23 jun. 2021.

ANDRADE, Luiz Gustavo da Silva Bispo; FERRETE, Rodrigo Bozzi. Metodologias ativas e a educação profissional e tecnológica: invertendo a sala de aula em vista de uma aprendizagem significativa. EPT em Revista, v.3 n.2, 86-98, 2019. Disponível em: https://ojs.ifes.edu.br/index.php/ept/article/view/451/398. Acesso em: 16 nov. 2021.

ARAUJO, Ronaldo Marcos de Lima; FRIGOTTO, Gaudêncio. Práticas Pedagógicas e ensino integrado. Revista Educação em Questão. V. 52. N 38, p. 61 – 80, 2015.

AUSUBEL, David P., NOVAK, J., HANESIAN, H. Psicologia Educacional. 2. Ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

AUSUBEL, David P..Aquisição e retenção de conhecimentos. Lisboa: Plátano Edições Técnicas. Tradução do original The acquisition and retention of knowledge.2003.Disponível em: http://www.uel.br/pos/ecb/pages/arquivos/Ausubel_2000_Aquisicao%20e%20retencao%20de%20conhecimentos.pdf. Acesso em: 14 jan. 2022.

BACICH, Lilian.; MORÁN, José. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico prática. Porto Alegre: Penso, 2018, p. 1-25. Disponível em: https://curitiba.ifpr.edu.br/wp-content/uploads/2020/08/Metodologias-Ativas-para-uma-Educacao-Inovadora-Bacich-e-Moran.pdf. Acesso em: 22 jan. 2022.

BARCELLOS, M.E.et al. A reforma do ensino médio e as desigualdades no Brasil. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, v.2, n.13, 118- 136, set. 2017. Disponível em : http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/6127/pdf .Acesso em: 28 nov. 2021.

BEAR, Mark F.; CONNORS, Barry W.; PARADISO, Michael A. Neurociências: desvendando o sistema nervoso. 4. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2017. p.14.

BRASIL. Decreto nº 7.566, de 23 de setembro de 1909. Cria nas capitais dos Estados as Escolas de Aprendizes Artífices, para o ensino profissional primário e gratuito. Rio de Janeiro, 1909. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/decreto_7566_1909.pdf. Acesso em: 25 jun.2021.

BRASIL. Lei nº 378, de 13 de janeiro de 1937. Dá nova, organização ao Ministério da Educação e Saúde Publica. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1930-1949/l0378.htm. Aceso em: 22 jun. de 2021.

BRASIL. Decreto nº 4.127, de 25 fevereiro de 1942.Estabelece as bases de organização da rede federal de estabelecimentos de ensino industrial. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-4127-25-fevereiro-1942-414123-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em 20 jun. de 2021.

BRASIL. Lei nº 6.545, de 30 de junho de 1978. Dispõe sobre a transformação das Escolas Técnicas Federais Centros Federais de Educação Tecnológica e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6545.htm. Acesso em: 28 de jul. de 2021.

BRASIL. Decreto nº 47.038, de 16 de outubro de 1959. Dispondo sobre o regulamento do Ensino Industrial, de 16 de outubro de 1959. Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1950-1969/D47038.htm. Acesso em: 22 jun. 2021.

BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as diretrizes e base da educação nacional. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-normaatualizada-pl.pdf. Acesso em: 20 jul. 2021.

BRASIL. Lei 6.545, de 30 de junho de 1978. Dispõe sobre a transformação das Escolas Técnicas Federais de Minas Gerais, do Paraná e Celso Suckow da Fonseca em Centros Federais de Educação Tecnológica e dá outras providências. Brasília, 1978. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6545.htm. Acesso em: 7 jul. 2021.

BRASIL. Lei no. 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm.Acesso em: 20 abr. 2021.

BRASIL. Decreto nº5.154, de 23 de julho de 2004. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5154.htm. Acesso em 31 de jan. 2022.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a rede federal de educação profissional e tecnológica, e cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Congresso Nacional. Brasília, DF, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm. Acesso em: 25 jun. 2021.

CAMARGO, Fausto. Por que usar metodologias ativas de aprendizagens? In: CAMARGO, Fausto; DAROS, Thuinie. (Orgs.). A sala de aula inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo. Porto alegre: Penso, 2018.

CAMPOS, Viviane; PICCINATO, Ricardo (ed.). Para entender a neurociência: conceitos fundamentais para compreender o funcionamento do cérebro e seus distúrbios. Bauru: Astral Cultural, 2020. p. 34.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez, 2013.

CIAVATTA, Maria. A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória. In: FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria; RAMOS, Marise (org.). Ensino Médio Integrado: Concepções e contradições. São Paulo: Cortez, 2010.

CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE/ CS/IFS. RESOLUÇÃO Nº 43/2014/CS/IFS. o Projeto Pedagógico do Curso Técnico de Nível Médio de alimentos, na forma Integrada do IFS.

DENNISTON, James C.; SAVASTANO, Hernán I.; MILLER, Ralph. R. In MOWRER, Robert R.; KLEIN, Stephen B. (Eds), 2001. The extended comparator hypothesis: learning by contiguity, responding by relative strenght. Handbook of contemporary learning theories. Mahwah: Lawrence Erlbaum Associates Publishers, 2001. p. 65-117.

GARNER, JK. Conceptualizing the relations between executive functions and self-regulated learning. J Psychol. 2009 Jul;143(4):405-26. DOI: 10.3200/JRLP.143.4.405-426. PMID: 19606646. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19606646/. Acesso em 23 jul. 2021.

GAZZANIGA, M. S.; HEATHERTON, T. F. Ciência Psicológica. Mente, Cérebro e Comportamento. 2. Imp. rev. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 131-132.

GOMES, Andréia Patrícia et al. A educação médica entre mapas e âncoras: a Aprendizagem Significativa de David Ausubel, em busca da arca perdida. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 32, n. 1, p. 56-59, jan./mar. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbem/a/Jvp7BwgbddmBSVSkgJd9fGj. Acesso em: 03 jul. 2021.

GUERRA, Leonor B. Neurociência e educação. [S.I: s.n.],13 jun. 2016. 1 vídeo (23 min 58 s). Publicado pela UFV. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=zpC0bldPx0k. Acesso em: 12 jul. 2021.

HENGEMÜHLE, Adelar. Formação de professores: da função de ensinar ao resgate da educação. 3. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

INOCENTE, Luciane; TOMMASINI, Angélica; CASTAMAN, Ana Sara. Metodologias ativas na educação profissional e tecnológica. Redin: Revista Educacional Interdisciplinar, Taquara, v. 7, n. 1, 2018. Disponível em: https://seer.faccat.br/index.php/redin/article/view/1082/664. Acessado em 08 jan. 2022.

IZQUIERDO, Iván. Memória. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014. p. 15-34.

LENT, Roberto. O cérebro aprendiz: neuroplasticidade e educação. 1 ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 2019.

LEIF, J.J; RUSTIN, G. Pedagogia Geral: pelo estudo das doutrinas pedagógicas. Tradução de Luiz Damasco Penna e J. B. Damasco Penna. 2. ed. São Paulo: Nacional, 1968, p. 206.

LEVIN, Joel. R. Pictorial strategies for school learning: Practical illustrations. In: PRESSLEY, Michael; LEVIN, Joel R. Cognitive strategy research: Educational applications. New York: Springer-Verlag, 1983. p. 213-237. Disponível em: https://link.springer.com/chapter/10.1007%2F978-1-4612-5519-2_8. Acesso em: 26 jun. 2021.

LIBÂNEO, José Carlos; OLIVEIRA, João Ferreira de; TOSCHI, Mirza Seabra. Educação escolar: políticas, estrutura e organização.10. ed. São Paulo: Cortez, 2012. 544 p.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e preposições. São Paulo: Cortez, 2011.

MACHADO, L. R. de S. Diferenciais inovadores na formação de professores para a educação profissional. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, v.1, n.1, 8-22, 2008. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/2862. Acesso em: 28 nov. 2021.

MANZO, Abelardo J. Manual para a preparação de monografias: um guia para preparar informes e teses. Buenos Aires: Humanitas, 1971.

MELLO, M. J. G. de. O efeito da privação do sono no desempenho da atenção não interativa (extrínseca) em estudantes universitários. Orientador: Sylvia Beatriz Joffily. 2006. f. 16. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Cognição e Linguagem da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro – UENF. Disponível em: http://livros01.livrosgratis.com.br/cp128800.pdf. Acesso em: 6 de maio 2021.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa. Brasília: Ed. UNB, 1999.

MOREIRA, Marco A. Aprendizagem significativa: a teoria e textos complementares. São Paulo, SP: Editora Livraria da Física, 2011.

MOREIRA, Marco A. O que é afinal aprendizagem significativa?(After all, what is meaningful learning?) Instituto de Física.UFRGS Porto Alegre –RS, 2012. Disponível em: http://moreira.if.ufrgs.br/oqueeafinal.pdf. Acesso em: 19 dez. 2021.

MOREIRA, Marco A. Teorias de aprendizagem. São Paulo: E.P.U Ltda 2. Ed. São Paulo, 2011.

MOURÃO-JÚNIOR, Carlos Alberto; MELO, Luciane Bandeira Rodrigues. Integração de três conceitos: função executiva, memória de trabalho e aprendizado. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 27, n. 3, p. 309-314, jul./set. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ptp/a/6DKfm4zCwjc6QRtrXGqjGtQ. Acesso em: 12 jul. 2021.

MULLER, Roberto. Neurociência cognitiva e a nossa realidade. 2010. Disponível em: https://www.sbneurociencia.com.br/drrobertomuller/artigo1.htm. Acesso em: 19 jul. 2021.

NOVAK, J. D. e GOWIN, D. B. Aprender a aprender. Lisboa, Plátano Edições Técnicas, 1996.

PACHECO, Eliezer. Institutos Federais uma Revolução na Educação Profissional e Tecnológica. Brasília: Fundação Santillana; Moderna, 2011.

PEIXOTO, Maurício de Abreu Pinto; BRANDÃO, Marcos Antônio Gomes; SANTOS, Gladis dos. Metacognição e tecnologia educacional simbólica. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 31, n. 1, p. 67-80, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbem/a/S37BSpD3dsYsnFrrGqpGHXL/abstract/?lang=pt. Acesso: 13 jun. 2021.

PIAGET, Jean. A equilibração das estruturas cognitivas: Problema Central do Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar; 1976.

RAMOS, Marise. O currículo para o ensino médio em suas diferentes modalidades: concepções, propostas e problemas. Educação e Sociedade, Capinas, v. 32, n. 116, p. 771-788, jul./set., 2011.

RIBEIRO, Célia. Aprender a aprender: algumas considerações sobre o ensino de estratégias de estudo. Máthesis, v. 11, p. 273-286, 2002. Disponível em: https://digitalis-dsp.uc.pt/bitstream/10316.2/23684/1/mathesis11_artigo12.pdf. Acesso em: 16 set. 2021.

RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 2012.

SACRISTÁN, J. Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2000.

SANTOS, Ana Laura C. dos et al. Dificuldades apontadas por professores do programa de mestrado profissional em ensino de biologia para o uso de metodologias ativas em escolas de rede pública na Paraíba. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n.4, p.21959-21973, abr. 2020. Disponível em: https://brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/download/9324/7869. Acesso em 30 maio 2021.

SANTOS, Cláudio. A mnemotecnia como estratégia de ensino em biologia nas competências e habilidades da BNCC. Encontro Internacional de Formação de Professores e Fórum Permanente de Inovação Educacional, v. 1, n. 12, 2021. Disponível em: https://scholar.google.com.br/scholar?hl=pt-br&as_sdt=0%2c5&q=a+mnemotecnia+como+estrat%c3%89gia+de+ensino+em+biologia+nas+compet%c3%8ancias+e+habilidades+da+bncc&btng=. Acesso em: 25 jan. 2022.

SARTER, Martin; MARKOWITSCH, Hans J. The amygdala‘s role in human mnemonic processing. Córtex, n. 21, p. 7-24, 1985. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/3886288/. Acesso em: 6 de jul. 2021.

SAVIANI, Demerval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 3a.ed. Campinas: Autores Associados, 2011.

SCHACTER, Wagner. Learning and memory. In: KANDEL, Eric R. et al. Principles of neural Science.4. ed. New York: McGraw-Hill, 2000. Cap. 65.

SMITH, Edward E.; JONIDES, John. Executive control and thought. In: SQUIRE, Larry et al. (Eds.). Fundamental neuroscience. San Diego: Academic Press, 2003. Cap. 54.

SOUSA, Anne Madeliny Oliveira Pereira de; ALVES, Ricardo Rilton Nogueira. A neurociência na formação dos educadores e sua contribuição no processo de aprendizagem. Revista da Associação Brasileira de Psicopedagogia, Fortaleza, v. 34, n. 105, p. 320-31, 12 set. 2017. Disponível em: http://www.revistapsicopedagogia.com.br. Acesso em: 16 jun. 2021.

VIGOTSKI, L. S.; LURIA, A. R. A história do comportamento: o Macaco, o Primitivo e a Criança. Trad. Lólio Lourenço de Oliveira. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

VIGOTSKY, Lev Semionovitch. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico. Apresentação e comentários de Ana Luiza Smolka. Tradução de Zoia Prestes. São Paulo: Ática, 2009. p. 14.

YASSUNDA, Mônica Sanches; LASCA, Valéria Bellini; NERI, Anita Liberalesco. Metamemória e autoeficácia. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 18, n. 1, p. 78- 90. 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/j/prc/a/rF3vWMDr6BXk69znYnCSsMq. Acesso em: 13 jun. 2021.

YATES, Frances Amelia. A arte da memória. Tradução de Flavia Bancher. Ed. São Paulo: UNICAMP, 2007.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Ciências em Foco

Downloads

Não há dados estatísticos.