Micologia nos livros didáticos do ensino médio

a concepção dos estudantes e a necessidade de práticas pedagógicas complementares

  • Deliane de Abreu Lehrbach
  • Marcelo D'Aquino Rosa Universidade Estadual de Campinas
  • Elisandro Ricardo Drechsler-Santos
Palavras-chave: Micologia, Fungos, Ensino Médio, Livro didático de Biologia, Concepções de alunos

Resumo

Esta pesquisa apresenta uma investigação sobre a temática Micologia no Ensino Médio (EM) e caracteriza se há ampliação do conhecimento dos alunos que utilizam o livro didático (LD) de Biologia. A escolha do tema foi pautada na importância da temática dos fungos na Biologia, historicamente negligenciados no contexto escolar, e também na relevância que os LD possuem. Primeiramente, foi aplicado um questionário para diagnosticar que saberes os alunos de uma turma de 2º ano do EM possuíam sobre o assunto e, após a apresentação da temática pela professora, foi aplicado um segundo questionário para reconhecer se houve ampliação do conhecimento. Os resultados apontam que a maioria dos estudantes apresentou alguma evolução em termos conceituais ao utilizar o LD como recurso para aprendizagem. Ainda, são sugeridas atividades investigativas sobre a temática Micologia para aproximar os alunos da realidade científica por meio da solução de problemas e da contextualização do tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, I. A.; MEGID NETO, J. Qualidade do livro didático de Ciências: o que define e quem define? Ciência & Ensino, Campinas, SP, n. 2, p. 13-14, jun. 1997.

ALEXOPOULOS, C. J.; MIMS, C. W.; BLACKWELL, M. Introductory Mycology. New York: John Wiley & Sons, Inc., 1996. 865 p. Disponível em: http://bit.ly/2YR8Raq. Acesso em: 11 jul. 2019.

ANDERSON, D. R.; SWEENEY, D. J.; WILLIAMS, T. A. Estatística aplicada à administração e economia. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2007. 597 p.

BAGANHA, D. E. O papel e o uso do livro didático de ciências nos anos finais do ensino fundamental. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba: UFPR, 2010.

BARCELOS, A. M. F. Narrativas, crenças e experiências de aprender inglês. Linguagem & Ensino, v. 9, n. 2, p. 145-175, jul./dez. 2006.

BATISTA, A. P. Uma análise do professor e o livro didático. Salvador: UNEB, 2011. Disponível em: http://bit.ly/32qxKMC. Acesso em: 11 jul. 2019.

BITTENCOURTI, C. M. F. Livro didático e saber escolar (1810–1910). Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 167-221.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em Educação: fundamentos, métodos e técnicas. Portugal: Porto,1994, p. 15-80. Disponível em: http://bit.ly/30vb1wQ. Acesso em: 11 jul. 2019.

BONONI, V. L. R. (org.). Zigomicetos, Basidiomicetos e Deuteromicetos: noções básicas de taxonomia e aplicações biotecnológicas. São Paulo: Instituto de Botânica, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação (FNDE) – Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) 2018. Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://bit.ly/32opXij. Acesso em: 11 jul. 2019.

CAIN, M. L. Fungos. In: CAMPBELL, N. A.; REECE, J. B. Biologia. 8. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010, p. 636-653.

CARNEIRO, M. H. S.; SANTOS, W. L. P.; MÓL, G. S. Livro didático inovador e professores: uma tensão a ser vencida. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte [Online], 2005, v. 7, n. 2, p. 101-113. Disponível em: http://bit.ly/2LPrXdC. Acesso em: 11 jul. 2019.

DELIZOICOV, N. C.; GRAMOWSKI, V. B.; MAESTRELLI, S. R. P. O livro didático: a fragmentação dos conteúdos das ciências naturais. V ENEBIO e II EREBIO Regional 1, Revista da SBEnBio, n. 7, out. 2014. Disponível em: http://bit.ly/2xIBRFx. Acesso em: 11 jul. 2019.

DEMO, P. Educar pela pesquisa. 3. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 1998.

EVERT, R. F.; HEICHHORN, S. E. Raven: Biologia vegetal. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

FREIRE, P.; SHOR, I. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

FONSECA, M. C. et al. Análise de concepções de professores sobre o significado e a importância da pesquisa na sala de aula. In: VII ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 7., Anais [...] Florianópolis: Enpec, nov. 2009. Disponível em: http://bit.ly/30tyFKe. Acesso em: 11 jul. 2019.

GARCÍA, C. M. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto, 1999.

GRUNDY, S. Producto o praxis del curriculum. Madrid: Morata, 1991.

MEGID NETO, J.; FRACALANZA, H. O livro didático de ciências: problemas e soluções. Ciência & Educação, v. 9, n. 2, p. 147-157, 2003.

MINAYO, M. C. S.; SANCHES, O. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade? Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 239-262, jul./set. 1993.

MORAES, R. Educar pela pesquisa: exercício de aprender a aprender. In: MORAES, R.; LIMA, V. M. R. (orgs.). Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novos tempos. 2. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. Ijuí: Unijuí, 2007.

MORAN, J. M. et al. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 6. ed. Campinas, SP: Papirus, 2000.

PACHECO, J. A. B. Área escola: projecto educativo, curricular e didáctico. Revista Portuguesa de Educação, v. 7, n. 1-2, p. 49-80, 1994.

PICCOLI, M. C. O educador em língua dominante e o desenvolvimento sustentável. Revista X, v. 1, p. 1-16, 2006.

ROMANATTO, M. C. A noção de número natural em livros didáticos de Matemática: comparação entre textos tradicionais e modernos. 152 f. 1987. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP: UFSCar, 1987.

ROSA, M. D. O uso do livro didático de Ciências por professores do 6º ao 9º. ano do ensino fundamental: um estudo de abrangência nacional. 184 f. Instituto de Física Gleb Wataghin, PECIM – Programa de Pós-Graduação Multiunidades em Ensino de Ciências e Matemática. Campinas, SP: IFGW, 2019.

ROSA, M. D.; SILVA, H. C. As imagens de fungos em livros didáticos de Ciências: revisitando a memória na educação escolar. Revista de Ensino de Biologia da SBEnBio, v. 7, n. 1, p. 5313-5324, 2014.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Educação e do Desporto. Proposta Curricular de Santa Catarina: Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio: Disciplinas curriculares. Florianópolis: SED, 2018.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado de Educação e do Desporto. Proposta Curricular de Santa Catarina: Ensino Fundamental: Disciplinas curriculares. Florianópolis: SED, 2014.

SILVA, A. C.; MENOLLI JUNIOR, N. Análise do conteúdo de fungos nos livros didáticos de Biologia do Ensino Médio. Revista Ciências & Ideias, Rio de Janeiro, v. 7, n. 3, p. 235-273, set./dez. 2016.

SOUZA, E. L.; GARCIA, N. M. D. Livros didáticos de Ciências: a influência da cultura local sobre a escolha e uso por professores do Ensino Fundamental. In: IX ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 9., Anais [...] Águas de Lindóia, SP: ABRAPEC, 2013.

Publicado
2020-01-21
Como Citar
de Abreu Lehrbach, D., D’Aquino Rosa, M., & Drechsler-Santos, E. R. (2020). Micologia nos livros didáticos do ensino médio: a concepção dos estudantes e a necessidade de práticas pedagógicas complementares. Ciências Em Foco, 12(2). Recuperado de https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cef/article/view/12199
Seção
Artigos