Sociedade e cultura na obra “Mãe Preta” (1912), de Lucílio de Albuquerque
PDF

Palavras-chave

Lucílio de Albuquerque
Negro
Mulher negra

Como Citar

DUME, S. Sociedade e cultura na obra “Mãe Preta” (1912), de Lucílio de Albuquerque. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 13, p. 764–773, 2018. DOI: 10.20396/eha.13.2018.4599. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/4599. Acesso em: 25 fev. 2024.

Resumo

Através da análise do quadro “Mãe Preta”, de 1912, do pintor de Lucílio de Albuquerque, realizou-se um estudo sobre os indícios presentes na obra que abre uma janela para marcas do período no qual fora efetuada, como a sociedade e cultura que embarcavam os círculos artísticos nos quais Lucílio de Albuquerque estivera inserido até a apresentação de sua obra no Salão de Belas Artes de 1912 da Escola Nacional de Belas Artes (ENBA). Essa análise propõe-se a conjecturar sobre as noções que a obra “Mãe Preta” traz à luz acerca de um dos trabalhos exercidos pelas mulheres negras, livres ou não, durante e após a abolição da escravidão: a função da ama de leite. A partir do espaço artístico em que o artista estava inserido e a sociedade e cultura a qual o artista compartilhava, abriram-se espaços para debates acerca do papel da obra em seu tempo e sobre a ama de leite negra no período dos pós abolição. 

https://doi.org/10.20396/eha.13.2018.4599
PDF

Referências

CARULA, Karoline. Perigosas amas de leite: aleitamento materno, ciência e escravidão em A Mãi de Família. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 19, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v19s1/11.pdf

CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade. Editora Companhia das Letras, 2011.

CHRISTO, Maraliz de Castro Vieira. Algo além do moderno: a mulher negra na pintura brasileira no início do século XX. 19&20, Rio de Janeiro, v. IV, n. 2, abr. 2009. Disponível em: http://www.dezenovevinte.net/obras/obras_maraliz.htm Acesso em maio/2017.

DANTAS, Ana Paula A. Do impressionismo a expressionismo – a pintura europeia de encontro a modernidade. Universidade Federal Fluminense, s/d.

GRINBERG, Piedade Epstein. Lucílio de Albuquerque na arte brasileira. 19&20, Rio de Janeiro, v. III, n. 3, jul. 2008.

MATTOS, Hebe. Das cores do silêncio: os significados da liberdade no sudeste escravista. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

PEREIRA, B. de P. De escravas a empregadas domésticas: a dimensão social e o “lugar” das mulheres negras no pós-abolição. Anais eletrônicos do XXVI Simpósio Nacional de História. ANPUH: 50 anos. São Paulo, 12 a 22 de julho de 2011. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1308183602_ARQUIVO_ArtigoANPUHBergman.pdf Acesso em: outubro/2017.

PEREIRA, Túlio Henrique. Culturas e hibridismo na imagem de brasileiros: Valores epidérmicos, identidades e hierarquias nas artes da Primeira República. 19&20, Rio de Janeiro, v. VIII, n. 1, jan./jun. 2013. Disponível em: http://www.dezenovevinte.net/criticas/thp.htm

RIOS, Ana Maria; MATTOS, Hebe Maria. O pós-abolição como problema histórico: balanços e perspectivas. Topoi (Rio de Janeiro), v. 5, n. 8, p. 170-198, 2004.

RONCADOR, Sonia. O mito da mãe preta no imaginário literário de raça e mestiçagem cultural. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 31, 2008.

SÁ, Ivan Coelho de. O Processo de “Desacademização” através dos Estudos de Modelo Vivo na Academia/Escola de Belas Artes do Rio de Janeiro. 19&20, Rio de Janeiro, v.IV, n. 3, jul. 2009.

SIMIONI, Ana Paula Cavalcanti. A viagem a Paris de artistas brasileiros no final do século XIX. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 17, n. 1, p. 344, 2005.

SLENES, Robert W.; FARIA, Sheila de Castro. Família escrava e trabalho. Revista Tempo, v. 3, n. 6, p. 1-7, 1998.

VALLE, Arthur. Pensionistas da Escola Nacional de Belas Artes na Academia Julian (Paris) durante a 1ª República (1890-1930). 19&20, Rio de Janeiro, v. I, n. 3, nov. 2006.

VALLE, Arthur (Org.). Revista do Brasil (1916-1918) - Artigos e Críticas de Arte. 19&20, Rio de Janeiro, v. IV, n.2, abr. 2009.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2018 Sarah Dume

Downloads

Não há dados estatísticos.