A educação patrimonial na escola
PDF

Palavras-chave

Educação Patrimonial
Patrimônio cultural
Ensino

Como Citar

COELHO, M. A. A educação patrimonial na escola: a reprodução de obras de arte como referência para a construção social do patrimônio. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 13, p. 611–618, 2018. DOI: 10.20396/eha.13.2018.4578. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/4578. Acesso em: 25 fev. 2024.

Resumo

Este trabalho tem por objetivo apresentar uma proposta de reflexão onde a Educação Patrimonial en-contre seu espaço na escola através da Arte de forma que possa contribuir na apropriação do patri-mônio enquanto prática de construção social. O texto tomou formaa partir de uma metodologia que primou pela leitura de autores-referências na área e também com a observação participante em sala de aula. Estabeleceram-se como referenciais teóricos a orientar a pesquisa os seguintes autores: M. L. P. Horta et al.(1999)com seu pioneirismo e reflexões quanto à Educação patrimonial; T. S. Franz (2001) que pensa o contato com a Arte por meio da familiarização com as reproduções; M. C. L. Fonseca (2005) e seu conceito do patrimônio como um processo de referências culturais;A. M. Barbosa (1995) com visão de ensino artístico mediante uma abordagem triangular (conhecer, refletir e fazer). E ainda a Carta de Petrópolis(IPHAN, 1987) é o documento a sustentar o patrimônio como construção social. As reproduções de obras de arte podem funcionar como referências para discussões sobre a forma como lidar com o patrimônio e até mesmo suas possíveis recriações. Ocorrendo o que Fonseca (2005) denomina como ‘ressemantização’ do patrimônio. Ainda a aproximação entre o ensino de Arte e a Educação Patrimonial pode abrir espaço para os conteúdos transversais e o diálogo entre as disciplinas. Sem contar a própria ressignificação das práticas de ensino artístico e da História da Arte dentro da escola. É esperado com este texto que o espaço do patrimônio em sala de aula seja conquistado pela Educação Patrimonial e o espaço da sala de aula no patrimônio possa ser dimensionado pelo ensino artístico. E assim, com aEducação Patrimonial na escola, a reprodução de obras de arte se constitua como referência para a construção social do patrimônio.

https://doi.org/10.20396/eha.13.2018.4578
PDF

Referências

BARBOSA, Ana Mae. Arte-Educação no Brasil. S. Paulo (SP): Perspectiva, 1995.

BRASIL. LDB nº 9.394 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 22 de dezembro de 2016.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: arte / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC / SEF, 1998.

FONSECA, Maria Cecília L. O Patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. 2ª ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: UFRJ/Minc-IPHAN, 2005.

FRANZ, Teresinha S. Educação para a compreensão das artes. Educação para a compreensão da arte. Florianópolis: Insular, 2001, p. 43-87.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

HORTA, Maria de Lourdes P. et. al.. Guia básico de educação patrimonial. Petrópolis: Museu Imperial-DEPROM; Brasília: IPHAN/MinC, 1999.

IPHAN. Carta de Petrópolis – 1º Seminário Brasileiro para Preservação e Revitalização de Centros Históricos, Petrópolis, 1987. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Carta%20de%20Petropolis%201987.pdf. Acesso em: 15 de junho de 2017.

IPHAN. Educação patrimonial na escola. Encontro Nacional de Educação Patrimonial de São Cristóvão (SE), 2005. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/educacao_patrimonial_na_escola.pdf. Acesso em: 18 de junho de 2017.

IPHAN/MEC. Educação Patrimonial: Programa Mais Educação. Programa Mais Educação/Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Brasília, DF: Iphan/Seb/MEC, 2011. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/EduPat_EducPatrimonialProgramaMaisEducacao_fas1_m.pdf. Acesso em: 07 de julho de 2018.

MOREIRA, A. F. B., & CANDAU, V. M. Indagações sobre currículo: Currículo, conhecimento e cultura. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica, 2007. Disponível em http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/indag3.pdf. Acesso em: 19 de agosto de 2016.

PUHL, Mário José. O conhecimento e o princípio da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão.

Revista HISTEDBR On-line, Campinas, nº 69, p. 222-232, set. 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8645281/15138. Acesso em: 08 de junho de 2018.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2018 Marcelo Amaral Coelho

Downloads

Não há dados estatísticos.