Barrocos em confronto
PDF

Palavras-chave

Barroco
Brasil colônia
Arte colonial

Como Citar

SILVA, Francislei Lima da. Barrocos em confronto: narrativas em disputa em torno da arte colonial no Brasil. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 13, p. 402–411, 2018. DOI: 10.20396/eha.13.2018.4406. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/4406. Acesso em: 22 jun. 2024.

Resumo

O presente texto parte do tema do XIII Encontro de História da Arte em consonância com uma série de questionamentos que temos nos feito a partir da leitura de tantos livros, teses, dissertações e catálogos, além do diálogo com pesquisadoras e pesquisadores que vêm se dedicando a um revigorado exercício historiográfico sobre a arte produzida no contexto colonial dos dois lados do atlântico, atentas e atentos a novas problemáticas, frente às questões sobre as práticas artísticas nas oficinas, a circulação de artífices e as redes colaborativas estabelecidas entre carpinteiros, marceneiros, ensambladores e entalhadores. Essas pesquisas nos permitem compreender mais a fundo, o que antes poderia ser considerado como um objeto ornamental secundário para uma investigação em História da Arte, frente a uma predileção por obras monumentais diretamente relacionadas à nomes celebrados do trabalho com a cantaria e a talha, como o de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. Por meio dessas chaves interpretativas, vimos nos esforçando em empreender um estudo sobre a ornamentação das fontes de água entre o século XVIII e a primeira metade do oitocentos em Minas Gerais, ponto de partida para a Tese de doutorado iniciada em 2016.

https://doi.org/10.20396/eha.13.2018.4406
PDF

Referências

ALEIJADINHO E SEU TEMPO: fé, engenho e arte. Catálogo de exposição. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 2006.

ALMADA, Márcia. Das artes da pena e do pincel: caligrafia e pintura nos manuscritos do século XVIII. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012.

ALPERS, Svetlana. O projeto de Rembrandt. O ateliê e o mercado. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

ANDRADE, Mário de. Aspectos das artes plásticas no Brasil. 3.ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1984. (Obras completas de Mário de Andrade)

ARTE BARROCA – MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO: Brasil 500 anos Artes Visuais. Catálogo de exposição. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2000.

ÁVILA, Affonso (Org.). Barroco: Teoria e análise. São Paulo: Perspectiva, Belo Horizonte: Cia Brasileira de Metalurgia e Mineração, 1997, p. 351-367.

BARBOSA, Waldemar de Almeida. O Aleijadinho de Vila Rica. Belo Horizonte: Editora Itatiaia Limitada, 1985.

BARROCO ARDENTE E SINCRÉTICO LUSO-AFRO-BRASILEIRO. Catálogo de exposição. São Paulo: Museu Afro Brasil, 2018.

BARROCO ITÁLIA BRASIL: PRATA E OURO NA CASA FIAT DE CULTURA. Catálogo de exposição. São Paulo: Base 7 Projetos Curatoriais, 2014. Disponível em: http://www.casafiat.com.br/wp-content/uploads/2014/08/catalogo-Barroco-casa-fiat.pdf. Acesso em 12 nov. 2018.

BASTOS, Rodrigo. A maravilhosa fábrica de virtudes: o decoro na arquitetura religiosa de Vila Rica, Minas Gerais (1711-1822). São Paulo: EDUSP, 2013.

BAUMGARTEN, Jens; TAVARES André. O Barroco colonizador: a produção historiográfico-artística no Brasil e suas principais orientações teóricas. Perspective: actualité en histoire de l’art., n. 2, p. 01-21, 2013. Disponível em: https://journals.openedition.org/perspective/5538. Acesso em: 08 nov. 2018.

BAZIN, Germain. O Aleijadinho e a escultura barroca no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 1971.

BELTING, Hans. O fim da história da arte: uma revisão dez anos depois. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

BRANDÃO, Angela. Inventários de artífices: fontes para a compreensão do fazer artístico no brasil colonial. Revista Imagem Brasileira. Belo Horizonte, n. 85, p. 168-175, julho, 2018.

BURY, John. Arquitetura e arte no Brasil colonial. São Paulo: Nobel, 1991.

CHIARELLI, Tadeu. O Aleijadinho, o MASP e a perpetuação do mito. Disponível em: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10156367037919346&set=a.10150186620929346&type=3&theater. Acesso em 07 nov. 2018.

COLI, Jorge. Como estudar a arte brasileira do século XIX. São Paulo: Senac, 2005.

COLI, Jorge. O artista e sua sombra. Folha de São Paulo, São Paulo, 23 de junho 2000. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs2307200014.htm. Acesso em 07 nov. 2018.

COLI, Jorge. Os falsos aleijadinhos do MASP. Disponível em: http://amavelleitor.blogspot.com/2018/05/os-falsos-aleijadinhos-do-masp.html. Acesso em 13 nov.

DELEUZE, Gilles. A dobra: Leibniz e o barroco. Campinas, SP: Papirus, 1991.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem sobrevivente: História da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Rio de Janeiro: Contraponto Editora, 2013.

ESTADÃO. Laudo: imagem não é de Aleijadinho. São Paulo, 11 de julho 2000. Disponível em: https://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,laudo-imagem-nao-e-de-aleijadinho,20000711p6043. Acesso em 07 nov. 2018.

FOCILLON, Henri. A arte do ocidente: a idade média românica e gótica. 2. ed. Lisboa: Editora Estampa, 1993.

GAUTHEROT, Marcel. Paisagem moral: Congonhas do Campo, 1942-1950. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2009.

GELL, Alfred. Arte e Agência. São Paulo: UBU, 2018.

HANSEN, João Adolfo. Barroco, neobarroco e outras ruínas. Teresa Revista de literatura brasileira. São Paulo, n. 2, p. 10-67, dezembro 2001.

IMAGENS DO ALEIJADINHO. Catálogo de exposição. São Paulo: MASP, 2018, p. 16.

KATO, Gisele. Um mistério chamado Aleijadinho. BRAVO! Rio de Janeiro, Ano 10, n. 119, p. 26-33, julho, 2007, p. 26-33.

MACHADO, Lourival Gomes. Reconquista de Congonhas. Instituto Nacional do Livro. Rio de Janeiro 1960.

MANN, Hans. The 12 prophets of Antonio Francisco Lisboa 'o Aleijadinho'. Rio de Janeiro: Ministerio da Educação e Cultura, Serviço de Documentação, 1958.

MARIANNO, Jose. A estatuaria do santuario do senhor bom Jesus de matosinhos de Congonhas do Campo. Rio de Janeiro: 1946.

MIGLIACCIO, Luciano. Apresentação. In: Luz, cedro e pedra: esculturas do Aleijadinho fotografadas em Minas Gerais, 1945. Catálogo de exposição. Rio de Janeiro, Instituto Moreira Salles, 2012, p. 8-14.

MILAN, Celso. A grande arte de Bia Lessa na Mostra do Redescobrimento. Folha de São Paulo, São Paulo, 02 de maio 2000. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/acontece/ac0205200004.htm. Acesso em 06 mai. 2018.

MIRANDA, Marcos Paulo de Souza. O Aleijadinho revelado: Estudos históricos sobre Antônio Francisco Lisboa. Belo Horizonte: Fino Traço Editora, 2014.

OLIVEIRA, Myriam Ribeiro de (Org.); SANTOS FILHO, Olinto Rodrigues dos; SANTOS, Antonio Fernando Batista dos. O Aleijadinho e sua oficina: catálogo das esculturas devocionais. São Paulo: Capivara, 2002.

OLIVEIRA, Myriam Ribeiro de (Org.); SANTOS FILHO, Olinto Rodrigues dos; SANTOS, Antonio Fernando Batista dos. INSTITUTO DO PATRIMONIO HISTORICO E ARTISTICO NACIONAL (BRASIL). O Aleijadinho e o Santuário de Congonhas = Aleijadinho and the Congonhas Sanctuary. Rio de Janeiro: IPHAN: Monumenta, 2006.

PINELLI, Antonio. Le storico-artistiche. In: La storia dell’arte. Istruzioni per l’uso. Roma: Editora Laterza, 2009.

PÓLO, Maria V. Obra e espaço nas exposições de arte – destaque de alguns projetos curatoriais que tiveram grande repercussão devido à escolha da expografia, SP, UNESP, 2004.

SESC São Paulo. Recorte da mostra exibida em 2017 no Museu Afro Brasil. Disponível em: https://www.sescsp.org.br/programacao/147532_BARROCO+ARDENTE+E+SINCRETICO. Acesso em 15 mai. 2018.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; VAREJÃO, Adriana. Pérola imperfeita. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

SMITH, Robert Chester; GAUTHEROT, Marcel; SMITH, Robert C. Congonhas do Campo. Rio de Janeiro: 1973. 1v.

TAVARES, Celso. O Aleijadinho em Congonhas: as hipóteses de Germain Bazin. In: BARROCO. Belo Horizonte, n. 13, 1984/5, p. 95-106.

VAINFAS, Ronaldo (Org.). Dicionário do Brasil colonial (1500-1808). Rio de Janeiro: Editora Objetiva Limitada, 2000.

VASCONCELLOS, Sylvio de. Vida e obra de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. 2. ed. São Paulo: Brasiliana, 1979.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2018 Francislei Lima da Silva

Downloads

Não há dados estatísticos.