Atelier Julio le Parc em Cachan
PDF

Palavras-chave

Julio Le Parc
Resistência
Experimentação artística

Como Citar

RAMOS, F. R. Atelier Julio le Parc em Cachan: a resistência e o movimento da fartura. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 13, p. 373–392, 2018. DOI: 10.20396/eha.13.2018.4402. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/4402. Acesso em: 25 fev. 2024.

Resumo

A partir da segunda metade do século XX, as pesquisas e experimentações estéticas ocorreram de forma superposta e entrecruzada. Segundo Giulio Argan (1909-1992), apesar da diversidade, havia um ponto de concordância entre os artistas: o de que não poderiam fazer obras de arte no sentido tradicional do termo, ou seja, às quais se “sobreponha um valor excedente e que, por conseguinte, sejam fruíveis apenas por uma elite cuja riqueza e, portanto, capacidade de poder assim aumentam”.

https://doi.org/10.20396/eha.13.2018.4402
PDF

Referências

ANJOS, Moacir dos. Contraditório: arte, globalização e pertencimento. Rio de Janeiro: Cobogó, 2017.

AUMONT, Jacques. A Imagem. Campinas: Papirus, 2008.

BERGER, J. Modos de ver. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

BESSE, Jean-Marc. As cinco portas da paisagem –ensaio de uma cartografia das problemáticas paisagísticas contemporâneas. O Gosto do Mundo: exercícios de paisagem. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2014. pp. 11-66.

CAMPOS, Marcelo. Luiz Zerbini. Disponível em: http://fdag.com.br/app/uploads/2017/05/campos-mar-celo-luiz-zerbini-2017.pdf. Acesso em 19 set. 2018.

CAUQUELIN, Anne. A invenção da paisagem.São Paulo: Martins, 2007.

DENIS, Rafael Cardoso. Uma introdução à história do design.São Paulo: Edgard Blücher, 2002.

ENTREVISTA COM LUIZ ZERBINI. Arte & Ensaios. Disponível em: https://www.ppgav.eba.ufrj.br/wp-con-tent/uploads/2016/03/1.ae30-entrevista-Luiz-Zerbini.pdf. Acesso em: Acesso em 19 set. 2018.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2006.

HALL, Stuart. Cultura e Representação. Rio de Janeiro: PUC-Rio / Apicuri, 2016.

MACHADO, Arlindo. Hipermídia: o labirinto como metáfora. In DOMINGUES, Diana. A Arte no Século XXI. São Paulo: Ed, UNESP, 1997. P. 70-78.

MACHADO, Arlindo. Pré-cinemas e pós-cinemas. Campinas: Papirus, 1997.

MADERUELO, Javier. Paisage: um término artístico. BULHÕES, Maria Amélia; KERN, Maria Lúcia Bastos. Paisagem: desdobramentos e perspectivas contemporâneas. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2010. pp. 13-34.

MATTOS, Claudia Valladão de. Goethe e Hackert: sobre a pintura de paisagem: quadros da natureza na Europa e no Brasil. Cotia: Ateliê Editorial, 2008.

NAVES, Rodrigo. Debret, o Neoclassicismo e a escravidão. In NAVES, Rodrigo. A forma difícil: ensaios sobre arte brasileira. São Paulo: Cia das Letras, 2011.

PICOLLI, Valeria. O olhar estrangeiro e a representação do Brasil, in BARCINSKI, Fabiana Werneck. Sobre a arte brasileira: da Pré-história aos anos 1960. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes: Edições SESC São Paulo, 2014.p. 62 a 95.

SAMAIN, Etienne. As imagens não são bolas de sinuca. Como pensam as imagens, In SAMAIN, Etienne (Org.). Como Pensam as Imagens. Campinas: Unicamp, 2012, p. 21-36.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O sol do Brasil. São Paulo: Companhia dasLetras, 2008.

SILVEIRA, Flávio Leonel Abreu da. A paisagem como fenômeno complexo, reflexões sobre um tema interdis-ciplinar. CANCELA, Cristina Donza; SILVEIRA, Flávio Leonel Abreu da. Paisagem e cultura: dinâmica do patrimônio e da memória na atualidade. Belém: EDUFPA, 2009. pp. 71-83.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2018 Flávia Rudge Ramos

Downloads

Não há dados estatísticos.