Do religioso ao artístico
PDF

Palavras-chave

Devoção
Memória
Valor artístico

Como Citar

OLIVEIRA, B. S.; SILVA, T. A. A. da; OLIVEIRA, V. O. R. de. Do religioso ao artístico: o inventário participativo e Nossa Senhora do Rosário. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 13, p. 209–216, 2018. DOI: 10.20396/eha.13.2018.4341. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/4341. Acesso em: 25 fev. 2024.

Resumo

Definir a origem de uma peça no contexto afro-luso-brasileiro é uma tarefa complexa, por isso, atribuir um significado ou valor a um determinado objeto é trabalhoso. Dessa forma, dizer o que é patrimônio é ainda mais problemático, pois, o mesmo está atrelado à memória e identidade de uma comunidade, em meio às suas narrativas e experiências que se estabelecem perpetuadas pelas disputas de poder simbólico. Diante desse contexto, o pequeno município de Ibituruna-MG, com suas particularidades e principalmente pela presença da imagem devocional de Nossa Senhora do Rosário, se torna pertencente a essa relação de conectividade e de proximidade causada por estes elementos citados anteriormente. A Universidade do Estado de Minas - Unidade Campanha promoveu a realização de várias ações para o patri-mônio durante o ano de 2017, visando ampliar a percepção e compreensão da comunidade quanto aos seus bens culturais móveis e imóveis, suas práticas e narrativas, tendo em vista, que o valor mais redundante que os sujeitos destinam a esse bem é o religioso e devocional, tornando evidentes os desafios para o reconhecimento da mesma enquanto objeto artístico, ao mesmo tempo em que, revelam a necessidade de preservar e conservar o objeto enquanto um bem cultural, configurando o inventário como uma estratégia para documentar e auxiliar neste processo.

https://doi.org/10.20396/eha.13.2018.4341
PDF

Referências

BORGES, Célia Maia. Escravos e libertos nas Irmandades do Rosário: devoção e solidariedade em Minas Gerais: século XVIII e XIX. Juiz de Fora: Editora da UFJF, 2005.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Cia das Letras, 1994.

BOSI, Ecléa. O tempo vivo da memória. 2. ed. São Paulo: Ateliê, 2004.

CADERNO de diretrizes museológicas 1. Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais/Superintendência de Museus, 2006.

COUTO, Edilece Souza. Devoção, Festas e Ritos: Algumas Considerações. Revista Brasileira de História das Religiões – Ano I, no. 1 – Dossiê Identidades Religiosas e História.

DELGADO, Lucilia de Almeida Neves. História oral e narrativa: tempo, memória e identidades. História Oral (Rio de Janeiro), São Paulo, v. 6, p. 9-26, 2003.

DUARTE-JUNIOR, João Francisco. O sentido dos sentidos: A educação (do) sensível. Campinas: UNICAMP, 2000.

LE GOFF, Jacques. História e memória. 5ª ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2003.

LIMA JÚNIOR, Augusto de. Nossa Senhora do Rosário. In: História de Nossa Senhora em Minas Gerais: origens das principais invocações. Belo Horizonte: Autêntica Editora: Editora

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. In: Projeto História. São Paulo: Educ, n. 10, dez 1993.

POMPÉIA, Maria do Rosário de. Memória histórica de Ibituruna: primeiro povoado mineiro. São João Del Rei: Gráfica Imprimax, s/d.

FABRINO, Raphael João Hallack. Guia de Identificação de Arte Sacra. IPHAN – 2012.

RICOEUR. Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2010.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2018 Beatriz Souza Oliveira, Tamiris Aparecida Andrada da Silva e Vinicius Olimpio Ramos de Oliveira

Downloads

Não há dados estatísticos.