Banner Portal
Da criação Artística à Conceção de Beleza
Nesta edição da Revista Visuais dedicamos uma especial homenagem ao artista plástico e professor  Francisco Laranjo. Nascido em Lamego, ao norte de Portugal, mudou-se  para o Porto  aos 18 anos onde concluiu o Curso Superior de Artes Plásticas da Faculdade de Belas Artes do Porto. Nesta Escola, nos anos 1990, obteve o título de Professor Catedrático e posteriormente o de Professor Emérito. Francisco Laranjo foi também o Diretor da FBAUP, deixando um importante legado para a sua comunidade. Seu trabalho como pintor é reconhecido internacionalmente, tendo exposto na Europa, Ásia e nas Américas. Foi premiado pela Fundação Calouste Gulbenkian e pela Sociedade Nacional de Belas Artes. Francisco Laranjo foi também um grande apoiador de artistas e investigadores de várias nacionalidades que tiveram a oportunidade de conhecer sua enorme sabedoria e distinta sensibilidade humana.
PDF

Palavras-chave

Arte
Beleza
Mímesis
Expressão

Como Citar

CASTRO, Geraldo Eanes Soares de. Da criação Artística à Conceção de Beleza. Revista Visuais, Campinas, SP, v. 9, n. 2, p. 111–125, 2023. DOI: 10.20396/visuais.v9i2.17626. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/17626. Acesso em: 16 jun. 2024.

Resumo

Estamos acostumados a ter uma visão particular do mundo e, às vezes, a nossa maneira de pensar parece inquestionável. No entanto, o que sustenta as nossas ideias? Existe apenas uma maneira de pensar sobre a realidade ou sobre o estado das coisas?

O trabalho que aqui se apresenta, tenta problematizar e colocar em tensão diferentes pressupostos sobre a arte e a beleza. Este estudo apresenta uma proposta para refletir sobre o que sustenta os nossos juízos de valor em trono da estética (enquanto conceção de beleza) e da arte (enquanto criação artística).

Atualmente, a arte parece favorecer mais a posse da obra do que a sua contemplação. Tudo parece estetizado e as fronteiras entre arte e realidade tornam-se cada vez mais indistintas.

https://doi.org/10.20396/visuais.v9i2.17626
PDF

Referências

ADORNO, Theodor. Teoria estética. Lisboa: Edições 70, 1970.

BENJAMIN, Walter. The Work of Art in the Age of its Technological Reproducibility and Other Writings on Media. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 2008.

CLIMENT, Carlos., & LANCE, Manuel. Las proporciones humanas y los cánones artísticos. Valencia: Ed. Universidad Politécnica de Valencia, 2007.

DANTO, Arthur. Qué es el arte. Barcelona: Ed. Lectulandia, 2013.

DANTO, Arthur. Após o fim da Arte: A arte contemporânea e os limites da história. São Paulo: Ed. Odysseus, 2013.

ECO, Umberto. História da Beleza. Rio de Janeiro: Edições Record, 2004.

HEGEL, Georg. Cursos de Estética. São Paulo: Ed. EDUSP. v. 1, 2001.

HEGEL, Georg. Cursos de Estética. São Paulo: Ed. EDUSP. v. 2, 2001.JIMÉNEZ, José. Teoría del arte. Madrid: Editorial Tecnos, 2002.

NIETZSCHE, Friedrich. Beyond Good and Evil. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

WILDE, Oscar. The Picture of Dorian Gray. London: Ed. Penguin, 2019.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Revista Visuais

Downloads

Não há dados estatísticos.