Corpo paisagem território

pornografia e pornotopia em as filhas do fogo, de Albertina Carri

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/visuais.v7i2.15914

Palavras-chave:

Cinema queer feminista, Pornografia, Pornotopia, Política da imagem, As filhas do fogo

Resumo

Esse artigo apresenta uma análise do filme As filhas do fogo, da argentina Albertina Carri (2019), reivindicado pela cineasta como pornô feminista. Vemos, no longa de ficção, um grupo de mulheres que viaja pela Patagônia argentina em uma vivência lésbica orgiástica. Com inspiração nas teorias queer, nos estudos sobre sensorialidade no cinema e sobre pornografia, além da noção de prática reparadora em Eve Sedgwick (2020), o trabalho busca identificar os modos como a obra provoca deslocamentos nas figurações do desejo feminino, produzindo uma política da imagem em diálogo com o que Paul B. Preciado (2007, 2018) chama de feminismo lúdico, que encontra no audiovisual, na literatura ou na performance seus espaços de ação e que seria capaz de operar como mecanismo de resistência às normatividades sexuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Machado Ramos de Almeida, Escola Superior de Propaganda e Marketing

Doutora em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo da Escola Superior de Propaganda e Marketing.

Referências

ALMEIDA, Gabriela Machado Ramos; MARCONI, Dieison. Trabalhar imagens, reparar o visível: a política da imagem como prática reparadora. Anais do XXX Encontro Anual da Compós, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo - SP, de 27 a 30 de julho de 2021.

AS FILHAS DO FOGO. Albertina Carri. Distribuição Vitrine Filmes. Argentina, 2019.

CARDOSO FILHO, Jorge. Para “apreender” a experiência estética: situação, mediações e materialidades. Revista Galáxia, São Paulo, n. 22, p. 40-52, 2011. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/3996/399641248005.pdf. Acesso em: 13 ago. 2021.

CARRI, Albertina. Diretora argentina exibe seu pornô feminista no rio. Entrevista a Eduardo Vanini. O Globo, Rio de Janeiro, 2019a. Disponível em: https://oglobo.globo.com/ela/diretora-argentina-exibe-seu-porno-feminista-no-rio-sexualidade-sem-repressao-nos-levara-sociedades-maduras-23522759. Acesso em: 13 jul 2021.

CARRI, Albertina. O pornô lésbico faz história nas salas comerciais de cinemas do Brasil. Entrevista concedida a Joana Oliveira. El País, Brasil, 2019b. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/03/27/cultura/1553725078_559597.html. Acesso em: 13 jul 2021.

ECO, Umberto. Apocalípticos e integrados. São Paulo: Perspectiva, 2004.

FACHINI, Regina; MACHADO, Sarah. “Praticamos SM, repudiamos agressão”: classificações, redes e organização comunitária em torno do BDSM no contexto brasileiro. Sexualidad, Salud y Sociedad, n.14, p.195-228. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sess/a/YVCwTP7VMFH7ttwd8gYbf5n/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 28 ago. 2021.

GUIMARÃES, Cesar. O que ainda podemos esperar da experiência estética? In: GUIMARÃES, Cesar; LEAL, Bruno; MENDONÇA, Carlos C. (Orgs.). Comunicação e Experiência Estética. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

MARCONI, Dieison; ALMEIDA, Gabriela. And I need you now tonight, and I need you more than ever: Romantismos de artifício no cinema brasileiro contemporâneo. Anais do Comunicon – Congresso Nacional em Comunicação e Consumo, Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), São Paulo – SP, de 13 a 15 de outubro de 2021.

MARQUES, Angela. Política da imagem, subjetivação e cenas de dissenso. Discursos fotográficos. Londrina, v.10, n.17, p.61-86, jul./dez. 2014. Disponível em: https://www.uel.br/revistas/uel/index.php/discursosfotograficos/article/view/19728/15721. Acesso em: 20 jul. 2021.

PRECIADO, Paul B. Mujeres en los márgenes. El País, 2007. Disponível em: https://elpais.com/diario/2007/01/13/babelia/1168648750_850215.html. Acesso em:

PRECIADO, Paul B. Testo Junkie. Sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica. São Paulo: n-1 edições, 2018.

PRECIADO, Paul B. Pornotopia. Playboy e a invenção da sexualidade multimídia. São Paulo: n-1 edições, 2020.

RANCIÈRE, Jacques. O dissenso. In: NOVAES, Adauto. (Org.). A crise da razão. São Paulo: Cia. das Letras, 1996, p. 367-382.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

SEDGWICK, Eve. Leitura paranoica e leitura reparadora, ou, você é tão paranoico que provavelmente pensa que este ensaio é sobre você. Remate de Males, Campinas, SP, v. 40, n. 1, p. 389–421, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8658630. Acesso em: 20 fev. 2021.

SONTAG, Susan. Contra a interpretação e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

VIEIRA, Erly. Sensorialidades queer no cinema contemporâneo: precariedade e intimidade como formas de resistência. Contemporânea Comunicação e Cultura, v.16, n. 01, jan-abr 2018, p. 168-182. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/contemporaneaposcom/article/view/25957/16379. Acesso em: 01 ago 2021.

VIEIRA, Erly. Breves considerações sobre a sensorialidade na experiência audiovisual: Sujeitos cinestésicos, visualidades hápticas e ressonâncias carnais. Anais do VII Colóquio de arte e pesquisa dos alunos do Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade Federal do Espírito Santo – Colartes. UFES, Vitória, 20 a 22 de agosto de 2019. Disponível em https://viicolartes2019.webnode.com/_files/200000168-577d1577d3/ENSAIO%2004_VII%20COLARTES%202019.pdf. Acesso em: 01 ago 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-16

Como Citar

ALMEIDA, G. M. R. de. Corpo paisagem território: pornografia e pornotopia em as filhas do fogo, de Albertina Carri. Revista Visuais, Campinas, SP, v. 7, n. 2, p. 72–90, 2021. DOI: 10.20396/visuais.v7i2.15914. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/15914. Acesso em: 3 out. 2022.