Banner Portal
Interações entre o espaço público físico e o virtual
PDF

Palavras-chave

Arte pública
Espaço público
Interações virtuais
Praça Mauá
Rio de Janeiro

Como Citar

COLCHETE FILHO, Antonio Ferreira; GIESE, Juliana Varejão; COSTA, Lucia Maria Sá Antunes. Interações entre o espaço público físico e o virtual: a praça Mauá, Rio de Janeiro. Revista Visuais, Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 192–210, 2020. DOI: 10.20396/visuais.v6i2.14776. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/14776. Acesso em: 22 jun. 2024.

Resumo

A escultura “#CIDADEOLIMPICA”, instalada na Praça Mauá na cidade do Rio de Janeiro evidencia como a relação do homem com o espaço público físico incorporou o espaço público virtual. Inaugurada em 2015, juntamente com o projeto de requalificação da praça, se referiu em forma de slogan ao momento no qual a cidade sediou os Jogos Olímpicos e estimulou a chamada disseminação orgânica por incorporar elementos interativos do marketing viral, operado virtualmente. Este artigo aborda esta estreita relação entre o físico e virtual decorrente da informatização, suas influências na arte pública e seu amparo à identidade coletiva. Conclui-se que, ainda que envolva discussões sobre nomenclatura, significados e finalidades, a escultura atribuiu valores simbólicos e de uso ao espaço da praça.

https://doi.org/10.20396/visuais.v6i2.14776
PDF

Referências

ASCHER, François. Os novos princípios do urbanismo. São Paulo: Romano Guerra, 2010.

BARICHELO, Eugenia; OLIVEIRA, Cristiane. O marketing viral como estratégia publicitária nas novas ambiências midiáticas. Em questão, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 29-44, jan/jun 2010.

CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1999. 2 v. (A era da informação: economia, sociedade e cultura.)

______. The rise of the network society. Oxford: Blackwell Publishers, 1996. 1 v. (The information age: economy, society and culture)

CASTROGIOVANNI, Antonio Carlos. Turismo, organização e reconstrução do espaço urbano contemporâneo. Revista Rosa dos Ventos, Caxias do Sul, v. 5, n. 3, p. 381-389, jul/set 2013, p. 385.

COLCHETE FILHO, Antonio. Paisagem digital. In: BRAIDA, F. et al. (Orgs.). 101 conceitos de Arquitetura e Urbanismo na era digital. São Paulo: ProBooks, 2016, p. 148-149.

COLCHETE FILHO, Antonio. A Praça XV como lugar central da cidade: o projeto do espaço público através da imaginária urbana (1789, 1894 e 1999). 2003. 226f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

COLCHETE FILHO, Antonio; COSTA, Lúcia; GIESE, Juliana; JESUS, Karine; COSTA, Fernando. Porto Maravilha e sua nova centralidade: as contribuições do mobiliário urbano e da arte pública para ressignificação da área. OCULUM ENSAIOS (PUCCAMP), 2019 (no prelo).

CORRÊA, Roberto Lobato. O espaço urbano. São Paulo: Editora Ática, 1989.

DARODA, Raquel Ferreira. As novas tecnologias e o espaço público da cidade contemporânea. 2012. 122f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

DOMINGUES, Diana. A humanização das tecnologias pela arte. In: ______ (Org.). A arte no Século XXI: a humanização das tecnologias. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

ESCULTURA. Michaelis – Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, Editora Melhoramentos, 2015. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues. Acesso em: 19 jul. 2017.

ESTÁTUA. Michaelis – Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, Editora Melhoramentos, 2015. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues. Acesso em: 19 jul. 2017.

FORNY, Leonardo. Arte e interação: nos caminhos da arte interativa?.Revista eletrônica Razón y palavra, out./nov. 2006. Disponível em: http://www.razonypalabra.org.mx/anteriores/n53/lforny.html. Acesso em: 13/04/2017.

GIANETTI, Claudia. Estética digital: sintopia da arte, a ciência e a tecnologia. Belo Horizonte: C/Arte, 2006.

GIESE, Juliana. Da Belle Époque à cidade olímpica: urbanismo, arquitetura e arte pública na Praça Mauá do Rio de Janeiro. 2018. 164f. Dissertação (Mestrado em Ambiente Construído). Faculdade de Engenharia, Universidade Federal de Juiz de Fora, 2018.

GIRALDI, Rita Cassia. O lazer e a cidade na pós-modernidade: do espaço material ao imaterial. Cadernos de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – Mackenzie, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 1-23, 2011.

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL. Projeto de revitalização da Praça Mauá. 2010. Disponível em: http://www.iab.org.br/projetos/projeto-de-revitalizacao-da-praca-maua. Acesso em: 01/05/2017.

INSTITUTO PEREIRA PASSOS. Um passeio pelo tempo. Rio de Janeiro: Instituto Pereira Passos, 2002. Disponível em: http://portalgeo.rio.rj.gov.br/EOUrbana/. Acesso em: 12/04/2017.

KAMITA, João Masao. A nova Praça Mauá. O Rio do espetáculo. Arquitextos, São Paulo, ano 16, n. 187.02, Vitruvius, dez 2015. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/16.187/5885. Acesso em: 16/01/2017.

LEMOS, André. Cibercidades: um modelo de inteligência coletiva. In: ______ (Org.). Cibercidade: as cidades na cibercultura. Rio de Janeiro: E-Papers Serviços Editoriais, 2004.

______. Cibercultura e mobilidade. A era da conexão. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – UERJ – 5 a 9 de setembro de 2005.

______. Cidade e mobilidade: telefones celulares, funções pós-massivas e territórios informacionais. Matrizes, São Paulo, n. 1, p. 121-137, 2007.

LEVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

MACHADO, Vinicius Costa Cavalheiro. A Produção Social do Espaço Urbano e da Arquitetura no Contexto dos Megaeventos no Rio de Janeiro: notas sobre o concurso “Porto Olímpico” (2010). 2016. 174f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

MONUMENTO. Michaelis – Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, Editora Melhoramentos, 2015. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues. Acesso em: 19 jul. 2017.

NUNES, Lilian do Amaral. Derivações da arte pública contemporânea. 2010. 196f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais – Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

PAGE, Ruth. The linguisticsof self-branding andmicro-celebrity in Twitter: the role ofhashtags. Discourse& communication, SageJournals, 2012.

PLAZA, Julio. Arte e interatividade: autor-obra-recepção. Revista ARS, Universidade de São Paulo, v. 1, n. 2, 2003, p. 9-29.

RODRIGUES, Catarina. Blogs e a fragmentação do espaço público. 2006. 228f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade da Beira Interior, Covilhã, Portugal.

SENNET, Richard. Carne e pedra: o corpo e a cidade na civilização ocidental. Rio de Janeiro: Record, 1997.

SILVA, Lídia J. Oliveira Loureiro da. A internet – a geração de um novo espaço antropológico. Biblioteca Online de Ciências da Comunicação – Universidade da Beira Interior, Portugal. 1999. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/silva-lidia-oliveira-Internet-espaco-antropologico.pdf. Acesso em: 16/01/2017.

SORIANO, Ana Gabriela Wanderley. O espaço público e a cidade contemporânea: as praças de Salvador entre o discurso e a intervenção. 2006. 184f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, Brasil.

TOLEDO, D. A produção social da arte pública: participação ampliada e sitespecificity. Teoria e Cultura, Juiz de Fora, v. 3, n. 1/2, p. 33-50, jun/dez 2008.

TWITTER. Momentos importantes. Uma seleção de momentos memoráveis. [20--]. Disponível em: https://about.twitter.com/pt/company/press/milestones. Acesso em: 23 de março de 2017.

ZAIDLER, Waldemar. Arte pública e arte de rua: graffiti versus grafite. Revista Farol, Universidade Federal do Espírito Santo, n. 9, jul. 2013, p. 125-135.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Revista Visuais

Downloads

Não há dados estatísticos.