Contributos para o percurso da gravura e do ensino artístico em Portugal entre os séculos XVIII e XIX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/visuais.v5i2.12301

Palavras-chave:

Gravura, Ensino artístico, História da gravura, Academia, CIEBA

Resumo

O presente artigo pretende contribuir para o conhecimento do percurso da gravura e do ensino artístico em Portugal entre os séculos XVIII e XIX. O percurso da gravura iniciado no século XVI, atinge um momento de excelência na primeira metade do século XVIII devido, sobretudo, ao expressivo apoio mecenático do rei D. João V às artes e ao ensino artístico. O monarca, executou uma política estratégica ao serviço das artes, recorrendo a um financiamento sem precedentes e utilizando para o efeito a máquina diplomática do estado. A criação de escolas e academias, a contratação de mão de obra especializada estrangeira, como o famoso gravador italiano Francesco Bartolozzi, foram fatores fundamentais para o desenvolvimento do ensino artístico em geral e para a arte da gravura em particular. O acolhimento de técnicas inovadoras como a litografia, permitiram revolucionar o panorama artístico nacional até à difusão da fotografia que viria a ser responsável por uma mudança de paradigma no mundo das artes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Rodrigues Batista, Universidade de Lisboa

Doutor em Belas Artes pela Universidade de Lisboa. Chefe da Divisão de Bibliiotecas e Museus na Câmara Municipal de Sintra, Lisboa.

         

Referências

ARANHA, Brito. A Imprensa em Portugal nos séculos XV e XVI. Lisboa: Imprensa Nacional, 1898.

ARAÚJO, Agostinho. Alguns gravadores activos na edição de música: 1765-1830. In: Os Reinos Ibéricos na Idade Média: livro de homenagem ao Professor Doutor Humberto Carlos Baquero Moreno, Volume 3. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2003. p. 1331-1346.

ARAÚJO, Maria Augusta. Gravadores Estrangeiros na corte de D. João V. In: Actas do III Congresso Internacional da APHA. Porto, 2004.

BENJAMIN, Walter. Sobre Arte, Técnica, Linguagem e Política. Introdução de T. W. Adorno. Lisboa: Relógio D´Água Editores, 1992.

BRAGA, Theophilo. Sobre as Estampas ou Gravuras, livros populares portugueses, Lisboa: Portvgália, v. 1, n. 1-4, p. 1899-1903, [19--].

BRYAN, Michael. Dictionary of painters and engravers, 1. ed. Londres: Printed for Carpenter and Son, 1816.

CATAFAL, Jordi; OLIVA, Clara. A gravura. Lisboa: Editorial Estampa, 2003.

CHAVES, Luís. Subsídios para a História da Gravura em Portugal. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 1927.

CRASKE, Mathew. Art in Europe 1700-1800: A History of the Visual Arts in an Era of Unprecedented Urban Economic Growth Oxford History of Art. Oxford: Oxford University Press, 1997.

DELAFORCE, Ângela. Art and Patronage in eighteenth-century Portugal. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

Estatutos da Sociedade Promotora de Bellas Artes em Portugal. Lisboa: Typographia Universal, 1868.

FARIA, Miguel Figueira de. A Apologia da preeminência da Arte da Esculptura, sobre a de fundir Estatuas de metal de Joaquim Carneiro da Silva – notas sobre a questão do Estatuto do Artista no final de Setecentos. In: Revista da Faculdade de Letras, Ciências e Técnicas do Património, I Série, v. 2. Porto: [s.n.], 2003.

FARIA, Miguel Figueira de. A imagem impressa: produção, comércio e consumo de gravura no final do antigo regime. Tese de Doutoramento apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2 volumes policopiados. Porto: 2005.

FRANÇA, José-Augusto. A Arte em Portugal no Século XIX. 2 Volumes, 3.ª Edição. Venda Nova: Bertrand Editora, 1990.

FRANÇA, José-Augusto. O Romantismo em Portugal, Estudos de Factos Socioculturais. 2. ed. Lisboa: Livros Horizonte, 1993.

FRANCISCO, Bispo Conde D. Lista de alguns artistas portugueses colligida de escriptos e documentos pelo Excellentissimo e Reverendíssimo Senhor Bispo Conde, D. Francisco no decurso de suas leituras em Ponte de Lima no anno de 1825, e em Lisboa no anno de 1839. Lisboa: Imprensa Nacional, 1839.

HEINECKEN, Karl Heinrich von. Idée générale d'une collection complette d'estampes: avec une dissertation sur l'origine de la gravure et sur les premiers livres d'image. A Leipsic et Vienne: Chez Jean Paul Krauss, 1771.

JORGE, Alice; GABRIEL, Maria. Técnicas da Gravura Artística – Xilografia, Calcografia, Litografia. 2. ed. Lisboa: Livros Horizonte, 2000.

LEITE, Pedro Queiroz. O Missal da regia oficina typographica e seu legado na pintura rococó mineira: uma refutação à influência de Bartolozzi In Atas do VII Encontro de História da Arte – UNICAMP. Campinas: 2011. p. 405-415.

LISBOA, Maria Helena. As Academias e as Escolas de Belas Artes e o Ensino Artístico (1836-1910). Lisboa: Edições Colibri, IHA-FCSH, UNL, 2007.

MACHADO, Cyrillo Volkmar. Conversações sobre a Pintura, Escultura e Architectura, Escriptas e dedicadas aos Professores e aos Amadores das Belas Artes. Lisboa: Officina de Simão Tadeu Ferreira, 1794.

MACHADO, Cyrillo Volkmar. Collecção de memorias relativas às vidas dos pintores, e escultores, architetos, e gravadores portuguezes, e dos estrangeiros, que estiverão em Portugal, recolhidas e ordenadas por Cyrillo Volkmar Machado, seguidas de notas pelos Dr. J. M. Teixeira de Carvalho e Dr. Vergílio Correia. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 1922.

MACHADO, Cyrillo Wolkmar. Colecção de Memórias relativas às vidas dos Pintores e Escultores, Arquitectos, e Gravadores Portugueses e dos estrangeiros que estiveram em Portugal, recolhidas e ordenadas por Cyrillo Volkmar Machado. Lisboa: Impressão Régia, 1823.

MANDROUX-FRANÇA, Marie-Thérèse (Coord). Catalogues de la collection d`estampes de Jean V, roi de Portugal. 3 Volumes. Lisbonne-Paris: Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação Casa de Bragança, 2003.

MENEZES, José Joaquim Viegas. Typographia Chalcographica, Typoplastica, e Litteraria do Arco do Cego encontramos o Tratado da Gravura a Água Forte e a Buril, e em Maneira negra com o modo de Construir as prensas modernas, e de imprimir em Talhe Doce. Por Abraham Bosse Gravador Régio. Nova Edição, Traduzida do Francez, debaixo dos auspícios e ordem de Sua Alteza Real, O Príncipe Regente, Nosso Senhor, por Menezes, Presbítero Mariannense. Lisboa: Typographia Chalcographica, Typoplastica, e Litteraria do Arco do Cego, 1801.

MOREIRA, Rafael e RODRIGUES, Ana Duarte (Coord.). Tratados de Arte em Portugal. Lisboa: Scribe, 2011.

PAMPLONA, Fernando de. Dicionário de Pintores e Escultores Portugueses ou que Trabalharam em Portugal. 5 volumes, 4. ed. Barcelos: Livraria Civilização Editora, 2000.

PEDROSO, J. A Gravura de Madeira em Portugal, Estudos em todas as especialidades e diversos estylos. Lisboa: Empreza – Horas Românticas, 1872.

PEREIRA, Paulo. Arte Portuguesa - História Essencial. Colecção Temas e Debates. Lisboa: Círculo de Leitores, 2011.

PORFÍRIO, Luís; Francesco Bartolozzi (Coord.). Desenhos de um Gravador. Museu Nacional de Arte Antiga, Catálogo. Lisboa: 1996.

SANTOS, Renata. A Imagem Gravada: A gravura no Rio de Janeiro entre 1808 e 1853. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2008.

SENEFELDER, Alois. The Invention of Lithography, Translated from the original German by J. W. Muller. New York: The Fucks & Lang Manufacturing Company, 1911.

SERÉN, Maria do Carmo. A Fotografia em Portugal, Colecção Arte Portuguesa da Pré- História ao Século XX. Coord. Dalila Rodrigues. Lisboa: Editora Fubu, 2009.

SICARD, Monique. A Fábrica do Olhar: Imagens de Ciência e Aparelhos de Visão (Século XV-XX). Lisboa: Edições 70, 2006.

SOARES, Ernesto. História da Gravura Artística em Portugal – Os Artistas e as suas obras. Lisboa: Livraria Samcarlos, v.1, 1971.

TABORDA, José da Cunha. Regras da Arte da Pintura – com breves reflexões críticas sobre os caracteres distintivos de suas escolas, vidas e quadros de seus mais célebres Professores. Escritas na língua italiana por Michael Ângelo Prunetti. Lisboa: Impressão Régia, 1915.

VITERBO, Sousa. Dicionário Histórico e Documental dos Arquitectos, Engenheiros e Construtores Portugueses. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, v. 1/3, 1899.

VITERBO, Sousa. A gravura em Portugal, breves apontamentos para a sua história. Separata do Boletim da Real Associação dos Arquitectos Civis e Arqueólogos Portugueses. Lisboa: Typographia da Casa da Moeda e Papell Selado, 1909.

Downloads

Publicado

2019-12-17

Como Citar

BATISTA, J. R. Contributos para o percurso da gravura e do ensino artístico em Portugal entre os séculos XVIII e XIX. Revista Visuais, Campinas, SP, v. 5, n. 2, p. 85–105, 2019. DOI: 10.20396/visuais.v5i2.12301. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/12301. Acesso em: 26 nov. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)