O falso triunfalismo das diretrizes para as culturas populares na América Latina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridphe_r.v5i0.9824

Palavras-chave:

Cultura Popular, América Latina, Organizações Multilaterais

Resumo

Este artigo trata da análise das diretrizes oficiais produzidas em convenções, encontros e seminários temáticos que versam sobre a valorização e o apoio às culturas populares na América Latina entre 2000 e 2017. Para a realização desse estudo examinou-se documentos oficiais relativos às temáticas da diversidade cultural e da cultura popular, produzidos pela Unesco e, a Carta Sul-Americana de Culturas Populares. Em seguida, realizou-se levantamento e catalogação de jogos, lutas, danças, cantos etc., tipificadas como culturas populares na Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, Guatemala, México, Peru, Uruguai e Venezuela. Com base nesses dados e análise de conteúdo, problematizou-se acerca da relação entre as diretrizes oficiais, os patrimônios culturais nacionais e os processos de formação profissional com valorização das manifestações culturais populares. Como resultado destaca-se que, apesar de as diretrizes oficiais de proteção e defesa de culturas populares se constituírem como conquistas de movimentos que lutam em defesa dessas expressões, do ponto de vista operacional, isso não se efetiva. Além disso, identificou-se que as diretrizes oficiais são ineficazes diante dos contextos de invisibilização dessas práticas nos currículos de formação profissional e, da ausência de políticas públicas que assegurem paridade na proteção e no reconhecimento dessas expressões.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Luiz Loureiro, Universidade Federal do Espírito Santo

Centro de Educação Física e Desportos

Bethânia Alves Costa Zandomínegue, Universidade Federal do Espírito Santo

Centro de Educação Física e Desportos

Rodrigo Lema Del Rio Martins, Universidade Federal do Espírito Santo

Centro de Educação Física e Desporto

José Luiz Cirqueira Falcão, Universidade Federal de Goiás

Faculdade de Educação e Física e Dança

Referências

AYALA, Alfredo. Geografía física general y especial de Bolivia. La Paz: Editora Gisbert & Cía, 1979. 329 p.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução de Luis Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa-Portugal: Edições 70/LDA, 1977. 225 p.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2009. 440 p.

CARTA SUL-AMERICANA DAS CULTURAS POPULARES. 2008. Disponível em: <http://culturadigital.br/setorialculturaspopulares/files/2010/02/2008-Carta-Sul-Americana-das-Culturas-Populares-Caracas-2008-Portugues-BR.pdf>. Acesso em: 17 out. 2018.

CASTRO-GÓMEZ, S. La poscolonialidad explicada a los niños. Popayán, Colômbia: Editorial Universidad del Cauca/Instituto Pensar, Universidad Javeriana, 2005.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. 351 p.

CONFERÊNCIA REGIONAL DAS AMÉRICAS SOBRE AVANÇOS E DESAFIOS NO PLANO DE AÇÃO CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL, A XENOFOBIA E AS INTOLERÂNCIAS CORRELATAS. Brasília, 2006. Disponível em: <http://www.seppir.gov.br/central-de-conteudos/publicacoes/pub-assuntos-internacionais/relatorio_plenaria_final.pdf> Acesso em: 20 mar. 2018.

ESCOBAR, Arturo. Worlds and knowledges otherwise. In: Cultural Studies. n. 21, v.2, p. 179 – 210. 2007.

FALCÃO, José Luiz Cirqueira et. al. A presença da cultura popular nos currículos de formação profissional em Educação Física da Argentina, Chile, Colômbia e Peru. In: SILVA, Ana Márcia & BEDOYA, Victor. Molina. (Orgs.). Educación Física en América Latina: currículos y horizontes formativos. Jundiaí-SP: Paco Editorial, p. 223-256, 2017.

FANON, Franz. Peles negras, máscaras brancas. Salvador: Editora EDUFBA, 2008. 191 p.

FARIAS, Edson Silva de. e MIRA, Maria Celeste. Introdução: mensagens do pós-nacional-popular. In: FARIAS, Edson Silva de. e MIRA, Maria Celeste. Faces contemporâneas da cultura popular. (Orgs.). Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

FRASER, Nancy. Repensando o reconhecimento. Enfoques: Revista Eletrônica dos Alunos do PPGSA/ IFCS/ UFRJ. v. 9, n. 1, Rio de Janeiro: UFRJ, 2010. p. 114-128.

GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2007, 384 p.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1989. 470 p.

GILROY, P. O atlântico negro: modernidade e dupla consciência. Tradução de Cid Knipel Moreira. São Paulo: Ed. 34; Rio de Janeiro: Universidade Cândido Mendes, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001. 468 p.

HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006. 434 p.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Multidão: guerra e democracia na era do império. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 2005. 532 p.

HENSBROEK, Pieter Boele Van. Cultural citizenship as a normative notion for activist practices. Citizenship Studies. v. 14, n. 3., p. 317-330, 2010.

II CONFERÊNCIA DE INTELECTUAIS DA ÁFRICA E DA DIÁSPORA. A diáspora e o renascimento africano. Relatório final. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2009. Disponível em: < http://funag.gov.br/loja/download/549-ii_CIAD.pdf> Acesso em: 2 mar. 2018.

I ENCONTRO SUL-AMERICANO DAS CULTURAS POPULARES E II SEMINÁRIO NACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS CULTURAS POPULARES. São Paulo: Instituto Polis; Brasília, DF: Ministério da Cultura, 2007.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (IPHAN). Dossiê Iphan 12: Roda de capoeira e ofício dos mestres de capoeira. Brasília: Ministério da Cultura, 2008. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/DossieCapoeiraWeb.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2018.

LÓPEZ, Antonio. Espino. La conquista de América: una revisión crítica. Barcelona, Espanha: RBA Libros, 2013. 416 p.

MENESES, Maria Paula. Justiça cognitiva. In: CATTANI, Antonio David; LAVILLE, Jean-Louis.; GAIGER, Luiz Inácio; HESPANHA, Pedro. (orgs.). Dicionário Internacional da Outra Economia. Coimbra: Almedina, p. 231-236, 2009.

MIGNOLO, Walter. Histórias locais / projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003. 505 p.

MORALES, Ghillermo. Abadía. Compendio general de folclore colombiano. 4. ed. rev. y acotada. Bogotá: Fondo de Promoción de la Cultura del Banco Popular, 1983. 541 p.

ONU. Declaração dos Direitos Humanos. 1948. Disponível em: <http://www.un.org/es/universal-declaration-human-rights/>. Acesso em: 10 out. 2018.

ONUBR. Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI). Disponível em: <https://nacoesunidas.org/agencia/ompi/> Acesso em 19 out. 2018.

RANZI, Alceu. Universidade da floresta. In: Ambiente Acreano. 26 set. 2007. Disponível em: <http://ambienteacreano.blogspot.com.br/2007/09/universidade-da-floresta_26.html> Acesso: 22 fev. 2018.

ROIZMAN, Maysa. Blay. A convenção sobre a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais e o direito interno. In: PIDCC. Aracaju, Ano III, ed. n. 5, p. 140 – 160, 2014,

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais. n. 63. p. 237 - 280, 2002.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitanismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, 610 p.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Editora Cortez, 2010. 637 p.

SERRA, Ordep. VOLPINI, Lorena. Considerações sobre a violência fria. Caderno C R H. Salvador, v. 29, n. 76, p. 119-131, Jan./Abr. 2016.

SIL INTERNACIONAL. Associação Internacional de Linguística – Brasil. 2009. Disponível em: <http://www-01.sil.org/americas/brasil/pdfs/2009-sil-update-portuguese.pdf.>. Acesso em: 30 out. 2018.

SILVA, Sidney de Souza. Danças tradicionais: elemento étnico-cultural de imigrantes bolivianos em São Paulo. In: FERNANDES, Joana.; HERBETTA, Alexandre. Ensaios sobre a diferença: reflexões a partir das culturas e identidades. Goiânia: CEGRAF – Gráfica da UFG, p. 67 – 80, 2016.

TODOROV, Tzvetan. A conquista da América: a questão do outro. 3. ed. Tradução Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2003. 400 p.

TORREALBA, Elvis Ramírez. Una aproximación histórica al desarrollo de la Educación Física en la América Prehispánica. In: Actas III Encuentro ALESDE Congreso Latinoamericano de Estudios Socioculturales del Deporte. Concepción, Chile, out. 2012.

UNESCO. Convenção sobre a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais. 2007. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0015/001502/150224POR.pdf> Acesso em: 19 out. 2018.

UNESCO. Patrimonio cultural inmaterial. Disponível em: <https://ich.unesco.org/es/listas> Acesso em 20 out. 2018.

Downloads

Publicado

2019-12-31

Como Citar

LOUREIRO, Fábio Luiz; ZANDOMÍNEGUE, Bethânia Alves Costa; MARTINS, Rodrigo Lema Del Rio; FALCÃO, José Luiz Cirqueira. O falso triunfalismo das diretrizes para as culturas populares na América Latina. RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 5, p. e019038, 2019. DOI: 10.20888/ridphe_r.v5i0.9824. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/9824. Acesso em: 16 jul. 2024.