Olhares para educação em terreiros de quimbanda

Palavras-chave: Memórias. Narrativas. Educação

Resumo

Este texto discute formas de educação em terreiros de Quimbanda, enquanto pedagogias culturais, que incidem na produção de corporeidades. Está orientado pelo campo dos Estudos Culturais, recorrendo ao fazer metodológico da Análise Cultural alicerçado na ideia de que os corpos são produzidos em meio à pedagogizações. Os terreiros são compreendidos como espaços educacionais que possuem, dentre seus propósitos, manter memórias, sinalizar a existência de culturas específicas, por meio da demarcação de identidades. Ao tornarmo-nos parte do terreiro os saberes que carregamos são compartilhados, tangenciando uma corresponsabilidade na educação de todos (as) envolvidos(as), tanto na prática religiosa, quanto nas relações que extrapolam estes espaços.

Biografia do Autor

Rodrigo Lemos Soares, Universidade Federal de Pelotas - Faculdade de Educação - Programa de Pós-Graduação em Educação - Doutorado, Grupo Interdisciplinar de Pesquisa: Narrativas, Arte, Linguagem e Subjetividade (GIPNALS).
Professor de Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG); Mestre em Educação em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde em ampla parceria entre FURG - UFRGS - UFSM, do Instituto de Educação, na linha de pesquisa: Educação científica: implicações das práticas científicas na constituição dos sujeitos; Mestre em História pela Universidade Federal do Rio Grande, no programa de Pós-Graduação em História (PPGH - FURG) do Instituto de Ciências Humanas e da Informação (ICHI), na linha de pesquisa Campos e linguagens da História; Especialista em Educação Física Escolar pela Pós-Graduação em Educação Física escolar do Instituto de Educação - FURG; Discente de doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Pelotas (PPGE - UFPEL), na linha de pesquisa Cultura Escrita, Linguagem e Aprendizagem e do curso de graduação em Dança - licenciatura (UFPEL); Pesquisador Grupo Interdisciplinar de Pesquisa: Narrativas, Arte, Linguagem e Subjetividade (GIPNALS), do Observatório de Políticas Públicas da Cultura Corporal (OCUCO - FURG) e também, do grupo de pesquisas Sexualidade e Escola (GESE - FURG). Tem experiência na área de Educação Física escolar e não escolar; Danças clássicas, modernas étnico e folclóricas; Ginástica Artística e Rítmica, Recreação e Lazer, na Educação Popular em cursos Pré-ENEM no componente curricular de Sociologia (voluntário) e em Tutoria presencial e a distância. Professor substituto lotado no Instituto de Educação da Universidade Federal do Rio Grande ministrando aulas nos cursos de Educação Física - Licenciatura e Pedagogia, bem como, práticas desportivas a todos os cursos desta instituição. 
Mauro Dillmann Tavares, Universidade Federal de Pelotas

Professor Adjunto no Departamento de História e no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). Entre 2014 e 2017 atuou como docente do Programa de Pós-Graduação em História (Mestrado Profissional) e no Curso de Licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Doutor em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, UNISINOS/RS (2013), com período Sanduíche na Universidade de Coimbra (UC), Mestre em História, UNISINOS/RS (2007), Graduado em História, UFPEL (2003). Foi coordenador do Grupo de Trabalho História das Religiões e Religiosidades (Anpuh-RS) entre 2014 e 2018, membro do GT História Cultural (Anpuh-RS), membro dos seguintes Grupos de Pesquisa (CNPq): 'Imagens da Morte: a morte e o morrer no mundo Ibero-Americano' (Linha de pesquisa 'Práticas e representações sobre a morte, o morrer e o além túmulo) e 'Paisagens Híbridas' (Linha de Pesquisa Cemitérios: lugares de dor, luto e memórias paisagísticas). A produção bibliográfica está diretamente relacionada com projetos de pesquisa, de ensino ou de extensão. O principal direcionamento das produções tem sido o campo das religiões e religiosidades. Atuais projetos de pesquisa se voltam para literatura religiosa do período moderno europeu e luso-americano e seus discursos religiosos sobre devoção, virtudes, pecados e morte e para os cemitérios do campo como evidências de religiosidade e patrimônio. Em função das atividades de ensino e de extensão, também tem interesse em temas como Patrimônio, Educação, Cemitérios, Cultura do campo e Ensino de História. 

Referências

GUIAS TEÓRICOS(AS)...

ALBUQUERQUE JR, Durval Muniz de. Fazer defeitos na memória: para que servem o ensino e a escrita da história? In.: GONÇALVES, Márcia de Almeida; ROCHA, Helenice; REZNIK, Luís; MONTEIRO, Ana Maria [Orgs.] Qual o valor da história hoje? Rio de Janeiro: FGV, 2012, pp. 21 – 39.

BARBOSA Jr., Hélcio Fernandes; HAERTER, Leandro; BUSSOLETTI, Denise Marcos. A representatividade negra nos tambores da Umbanda. Identidade! | São Leopoldo | vol.18 nº. 2 | pp. 152 - 159 | jul./dez. 2013. Disponível em: <http://periodicos.est.edu.br/identidade> Acesso em: 08 de dez. de 2017.

BARROS, Sulivan Charles. A simbólica da violência e da transgressão no universo da quimbanda. Caminhos, Goiânia, vol. 5, nº. 1, pp. 107-127, jan./jun. 2007.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história In: BENJAMIN, Walter. O anjo da história. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política; ensaios sobre literatura e história da cultura. In: Obras escolhidas. 7ª ed., São Paulo: Brasiliense, vol. I, 1994.

BEZERRA, Holien Gonçalves. Ensino de História: conteúdos e conceitos básicos. In. KARNAL, Leandro. História na Sala de Aula: conceitos, práticas e propostas. São Paulo: Contexto, 2003, pp. 37 - 48.

BHABHA, Homi. O Local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2013.

BLOCH, Marc. Apologia da História. O ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 2001.

BRASIL, Gabriel de Paula. Pensando o saber ancestral na umbanda: uma experiência de estágio em espaço não formal no centro de umbanda Reino da Mãe Oxum e do Pai Ogum. Cadernos do CEOM – UNOCHAPECÓ – Dossiê – Identidades. Ano 24, nº. 35. 2012. Disponível em: <http://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/rcc/article/viewFile/1125/582> Acesso em: 15 de jan. de 2018.

BRITES, Jurema. Tudo em família: religião e parentesco na umbanda gaúcha In: ORO, Ari Pedro [Org.]. As religiões afro-brasileira no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Editora UFRGS, 1994. pp. 62 – 89.

BURKE, Peter. Abertura: a nova história, seu passado e seu futuro. In: BURKE, Peter. A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Unesp, 1992, pp. 07 - 38.

BUSSOLETTI, Denise Marcos; VARGAS, Vagner de Souza; PINHEIRO, Cristiano Guedes. A Resistência da Oralidade pela Cultura: Experiências e Práticas de Uma Griô. Prâksis (FEEVALE), vol. 1, pp. 79 - 86, 2015.

BUSSOLETTI, Denise Marcos; VARGAS, Vagner de Souza. History Tellers: The Griots Keeping Popular Narratives Alive. Portuguese Studies Review, v. 22, pp. 175-192, 2014.

BUSSOLETTI, Denise Marcos; VARGAS, Vagner de Souza; PINHEIRO, Cristiano Guedes. Narrativas Populares: O Griô e a Arte de Contar Histórias. Cadernos de Pesquisa, vol. 21, pp. 01 - 14, 2014.

CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas híbridas. São Paulo: Edusp, 2006.

CAPUTO, Stela Guedes. Educação nos terreiros: e como a escola se relaciona com crianças de candomblé/ Stela Guedes Caputo. – 1. Ed. – Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

CARVALHO, Lívia Marques. O impacto do ensino de arte nas ONGs. In: Diálogos entre arte e público. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 2008. pp. 129-133.

CASCUDO Luís da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro - Edição Revista, Atualizada e Ilustrada. 12a ed. São Paulo: Global, 2012.

CASSIRER, Ernest. O Mito do Estado. [Trad.] Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

CONCONE. Maria Helena Villas Boas. A Umbanda nos romances espíritas kardecistas RECIIS – R. Eletr. de Com. Inf. Inov. Saúde. Rio de Janeiro, vol.4, nº.3, pp.51 - 62, Set., 2010. Disponível em: Acesso em: 20 de jan. de 2018.

CONNELLY, Michael; CLANDININ, Jean. Relatos de Experiência e Investigação Narrativa. In: LARROSA, Jorge Bondía. et allii, Déjame que te Cuente. Barcelona: EDITORIAL LAERTES, 1995.

COOMBS, Philip Hall. El futuro de la educación no formal en un mundo cambiante: La educación no formal, una prioridad de futuro. Enseñanza de La Ciências. Madrid, Fundación Santillana,1990.

CRUZ, Gisele Thiel Della. Fundamentos teóricos das ciências humanas: história. Curitiba: IESDE, 2003.

DURKHEIM, Émile. As Formas elementares da Vida Religiosa. 1ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

DUTRA, Bruno Rodrigo. "São muitas bandas em uma só" Identidade religiosa na Umbanda – Estudo de caso na casa "O Além dos Orixás": Contagem-MG. 2011. 132 f. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião, Belo Horizonte. Disponível em: <http://www.pucminas.br/imagedb/documento/DOC_DSC_NOME_ARQUI2011112216 1752.pdf> Acesso em: 23 de jan. de 2018.

FAVERO, Ivie. A Religião e as religiões africanas no Brasil. 2010. Texto utilizado no curso Presença Africano nas Matrizes Culturais Brasileiras, Secretaria Municipal de Educação de Santos. Disponível em: <https://www.egov.santos.sp.gov.br/ead/cursos/aplic/index.php?cod_curso=7> Acesso em: 22 de jan. de 2018.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade 2: o uso dos prazeres. 11ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da Sociedade: curso no Collége de France (1975-1976). [Trad.] GALVÃO, M. E. A. P. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, Michel. Nietzsche a genealogia e a História. In. Microfísica do poder. [Trad.] Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 2004.

FOUCAULT, Michel. Sobre as maneiras de escrever história: entrevista a R. Bellour. In: MOTTA, Manoel da [Org.]. Ditos e escritos II: arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. 1. ed. Rio de Janeiro: Forense. pp. 62-77. 2000.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas / Michel Foucault; [Trad.] Salma Tannus Muchail. — 8ª ed. — São Paulo: Martins Fontes, 1999. — (Coleção tópicos).

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. [Trad.] Luiz Felipe Baeta Neves. 5ª ed., Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

GARCIA, Valéria Aroeira. Um sobrevôo: o conceito de educação não formal. In: PARK, Margareth Brandini; FERNANDES, Renata Sieiro [Orgs.]. Educação Não-Formal: Contextos, Percursos e Sujeitos. Campinas, SP: Unicamp CMU; Holambra, SP: Editora Setembro, 2005.

GOHN, Maria da Glória. Educação Não-Formal e Cultura Política. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2005 (Coleção questões da Nossa época; v. 71).

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. Boletim CENSO 2010. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/> Acesso em: 01 de dez. de 2017.

LARROSA, Jorge Bondía. Notas sobre experiência e o saber de experiência. In: Revista Brasileira de Educação. nº. 19. São Paulo, pp. 20 – 28, jan/fev/mar/abr, 2002.

LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos para quê? São Paulo: Cortez, 1998.

LOPES, Nei. Novo dicionário Banto do Brasil. Rio de Janeiro, Pallas, 2003.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de História Oral. São Paulo: Loyola, 1996.

NASCIMENTO, Adriano Roberto Afonso do; SOUZA, Lídio de; TRINDADE, Zeidi Araújo. Exus e pombas-giras: o masculino e o feminino nos pontos cantados da umbanda. Psicologia em Estudo, Maringá, vol. 6, nº. 2, pp. 107-113, jul./dez. 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141373722001000200015> Acesso em: 20 de jan. de 2018.

OLIVEIRA, José Henrique Motta de. Entre a Macumba e o Espiritismo: uma análise do discurso dos intelectuais de umbanda durante o Estado Novo. CAOS – Revista Eletrônica de Ciências Sociais, nº. 14, 2009, pp. 60 – 85. Disponível em: <http://www.cchla.ufpb.br/caos/n14/3Entre%20a%20macumba%20e%20o%20espiritism o.pdf> Acesso em: 20 de jan. de 2018.

ORTIZ, Renato. A morte branca do feiticeiro negro: Umbanda e Sociedade Brasileira. (2ª ed.) São Paulo: Brasiliense. 1999.

PEREIRA, Nilton Mullet. Sobre o valor do ensino de história para a vida. Revista Latino-Americana de História. PPGH, Unisinos. pp. 235 - 248.Vol. 2, nº. 6 – Agosto de 2013. Disponível em: <http://projeto.unisinos.br/rla/index.php/rla/article/view/192/146> Acesso em: 07 de abr. de 2018.

PEREIRA, Nilton Mullet; SEFFNER, Fernando. O que pode o ensino de História? Sobre o uso de fontes no ensino de História. Anos 90. Porto Alegre, vol. 15, nº. 28, pp. 113 - 128, dez. 2008. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/index.php/anos90/article/view/7961/4750> Acesso em: 15 de abr. de 2018.

PINHEIRO, Cristiano Guedes. Narrativas de educação e resistência: a prática popular griô /Cristiano Guedes Pinheiro; orientadora: Denise Marcos Bussoletti; co-orientador: Jarbas Santos Vieira. – Pelotas, 2013. 130 f.

POPKEWITZ, Thomas S. História do Currículo, Regulação Social e Poder. In. SILVA, Tomaz Tadeu da [Org.] O Sujeito da Educação: Estudos foucaultianos. Petrópolis, Vozes, 1994.

PRANDI, Reginaldo. Herdeiras do Axé: Sociologia das religiões afro-brasileiras. São Paulo: Hucitec. 1996.

RORTY, Richard. Contingência, Ironia e Solidariedade. Lisboa, Editorial presença, 1992.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi. Corpo e história. Cadernos de subjetividade, vol. 3, nº.2, São Paulo: PUC, 1996.

SANTOS, Josiclei Souza. O sagrado e a diferença negra em oração da cabra preta, de Bruno de Menezes. Revista Ecos, vol.18, Ano XII, n° 01. 2015. pp. 146 – 165.

SANTOS, Rosalira Oliveira dos; GONÇALVES, Antonio Giovanni Boaes. A natureza e seus significados entre adeptos das religiões afro-brasileiras. Anais do III Encontro Nacional do GT História das Religiões e das Religiosidades – ANPUH -Questões teórico-metodológicas no estudo das religiões e religiosidades. In.: Revista Brasileira de História das Religiões. Maringá (PR) vol. III, nº. 9, jan/2011. Disponível em: <http://www.dhi.uem.br/gtreligiao/pub.html> Acesso em: 18 de jan. de 2018.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SCHIAVO, Luigi. Religião e diversidade sociocultural. Caminhos, Goiânia, vol. 5, nº. 1, pp. 07-12, jan./jun. 2007.

SEFFNER, Fernando. Aprender e Ensinar História: como jogar com isso. In: GIACOMONI, Marcello Paniz; PEREIRA, Milton Mullet [Orgs.]. Jogos e Ensino de História. Porto Alegre: UFRGS/Evangraf, 2013. pp. 25-46.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. [Org.]. Identidade e diferença: A perspectiva dos estudos culturais. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2000, pp. 73-102.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Adeus às Metanarrativas Educacionais. In: SILVA, Tomaz Tadeu da [Org.]. O Sujeito da Educação: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 1996. pp. 236-258.

STEINBERG, Suzan; KINCHELOE, Joe. [Orgs.] Cultura infantil: a construção corporativa da infância. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2001.

TERRA, Antonia; FREITAS, Denise. Referencial Curricular de História da Fundação Bradesco. pp. 02-12. São Paulo. Dez/2004.

VEIGA - NETO, Alfredo. Foucault e educação: Outros Estudos Foucaultianos. In. SILVA, Tomaz Tadeu da [Org.] O Sujeito da Educação: Estudos foucaultianos. Petrópolis, Vozes, 1994.

VIANNA, Hermano. O mistério do Samba. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

Publicado
2019-12-02
Como Citar
Soares, R. L., & Tavares, M. D. (2019). Olhares para educação em terreiros de quimbanda. RIDPHE_R Revista Iberoamericana Do Patrimônio Histórico-Educativo, 5, e019026. https://doi.org/10.20888/ridphe_r.v5i0.9739