O histórico do movimento estudantil paranaense secundarista por meio da memória

Palavras-chave: Memória. Movimento estudantil secundarista. Ditadura.

Resumo

Este artigo busca contribuir na reconstrução da história do movimento estudantil paranaense secundarista, recorrendo a entrevistas realizadas pelos autores com ex-militantes do período ditatorial brasileiro (1964-1985), bem como aquelas publicadas em meios impressos. Partindo de fontes memorialísticas, documentais e bibliográficas, abordamos casos de estudantes que foram presos e perseguidos pela polícia política e por outros órgãos repressivos, analisando o período a partir de suas impressões. Com base em reflexões que problematizam as particularidades da história do tempo presente, da história oral e da memória, este texto analisa os testemunhos que conformam um contraponto às narrativas oficiais, contribuindo para a produção histórica sobre o tema.

Biografia do Autor

Alexandre Felipe Fiuza, Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Historiador pela UFPB, mestre em Educação pela Unicamp, Doutor em História pela Unesp/ Campus de Assis, Pós-Doutor em História Contemporânea pela Universidade Autônoma de Madri e pela Universidade Complutense de Madri, professor Associado do Colegiado de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Unioeste/ Campus de Cascavel.
Ana Karine Braggio, Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Pedagoga e mestre em Educação pela Unioeste, doutora em Educação pela Universidade Estadual de Maringá, professora não efetiva da Unioeste/ Campus de Toledo.
Silvana Lazzarotto Schmitt, Instituto Federal do Paraná, campus de Irati
Pedagoga e mestre em Educação pela Unioeste, doutoranda em Educação pela UNICAMP, professora efetiva no Instituto Federal do Paraná, campus de Irati.

Referências

ARÓSTEGUI, Julio. A pesquisa histórica: teoria e método. Bauru – SP: Edusc, 2006.

CALVEIRO, Pilar. Testimonio y memoria en el relato histórico. In: RODRÍGUEZ, Ileana; SZURMUK, Mónica (Eds.). Memoria y Ciudadanía. Santiago do Chile: Editorial Cuarto Propio, 2008. p. 207-24.

CINTRA, André; MARQUES, Raisa. UBES Uma Rebeldia Consequente: A História do Movimento Estudantil Secundarista do Brasil. São Paulo: Ministério da Cultura, 2009.

DELGADO, Lucília de Almeida Neves. História oral: memória, tempo, identidades. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

HAHN, Fábio André. Ditadura Militar e os órgãos de repressão: o caso de Nova Aurora/PR. III ENCONTRO DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA – EPCT. Anais eletrônicos. 2008. p. 130-131. Disponível em: http://www.fecilcam.br/nupem/index.php? option=com_content&task=view&id=15&itemid=14. Acesso em: 27 set. 2018.

HELLER, Milton Ivan. Resistência democrática: a repressão no Paraná. Rio de Janeiro: Paz e Terra: Curitiba: Secretaria de Cultura do Estado do Paraná, 1988.

LVOVICH, Daniel; BISQUERT, Jaqueline. La cambiante memoria de la dictadura: discursos públicos, movimientos sociales y legitimidad democrática. Los Polvorines: Universidade Nacional de General Sarmiento, Buenos Aires: Biblioteca Nacional, 2008.

MILITANTE C. Depoimento oral. [31/03/2007]. Entrevistadora: Silvana Lazzarotto Schmitt. Cascavel, 2007.

MILITANTE D. Depoimento oral. [09/06/2010]. Entrevistadora: Silvana Lazzarotto Schmitt. Cascavel, 2010.

MILITANTE E. Depoimento escrito. [11/06/2010]. Entrevistadora: Silvana Lazzarotto Schmitt. Cascavel, 2010.

MILITANTE N. Depoimento oral. [19/06/2010]. Entrevistadora: Silvana Lazzarotto Schmitt. Cascavel, 2010.

MILITANTE S. Depoimento oral. [09/03/2010]. Entrevistadora: Silvana Lazzarotto Schmitt. Cascavel, 2010.

MILITANTE T. Depoimento escrito. [04/08/2010]. Entrevistadora: Silvana Lazzarotto Schmitt. Cascavel, 2010.

PÁDUA, Mônica; GAMA, Marcília. DOPS - do recolhimento ao acesso: o caso de Pernambuco. Quadrilátero: revista do arquivo público do distrito federal. Brasília, v. 1, p. 27-40, mar./ago. 1998.

PALMAR, Aluízio. Onde foi que vocês enterraram nossos mortos? 2. ed. Curitiba, PR: Travessa dos Editores, 2006.

PORTELLI, Alessandro. Ensaios de história oral. São Paulo: Letra e Voz, 2010.

REIS, Daniel Aarão; RIDENTI, Marcelo; MOTTA, Rodrigo Patto Sá. O golpe e a ditadura militar: quarenta anos depois (1964-2004). Bauru, SP: Edusc, 2004.

REBELO, Apolinário. Ubes, reorganizada há 25 anos, "é uma escola de democracia": depoimento. [20/08/2006]. Entrevistadores: EstudanteNet (UBES). São Paulo: Portal Vermelho, 2006. Entrevista concedida em comemoração aos 25 anos de reorganização da UBES. Disponível em: http://www.vermelho.org.br/meioambiente/noticia/6401-8. Acesso em 27 set. 2018.

SAMUEL, Raphael. “Teatros da memória”. Projeto História, São Paulo, n. 14, 1997. p. 41-81.

SARLO, Beatriz. Tiempo pasado: cultura de memoria y giro subjetivo. Una discusión. Buenos Aires: Siglo XXI, 2005.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Reflexões sobre a memória, a história e o esquecimento. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio (org.). História, Memória, Literatura – Os testemunhos na Era das Catástrofes. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2003. p. 59-88.

SILVA, Carla Luciana e BATISTA, Alfredo. Combatentes: tempos de falar. Depoimentos da Audiência Pública da Comissão Estadual da Verdade do Paraná. Cascavel: Edunioeste, 2016.

Publicado
2019-04-30
Como Citar
Fiuza, A. F., Braggio, A. K., & Schmitt, S. L. (2019). O histórico do movimento estudantil paranaense secundarista por meio da memória. RIDPHE_R Revista Iberoamericana Do Patrimônio Histórico-Educativo, 5, e019013. https://doi.org/10.20888/ridphe_r.v5i0.9738
Seção
Dossiê Temático