Narrativas em rede: argumentos coletivos e histórias de vida na educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridphe_r.v4i2.9702

Palavras-chave:

Professores. Redes. Entrevistas. História Oral. Narrativas. Subjetividade.

Resumo

O artigo reflete sobre o conceito de rede e seu uso no fazer da história oral. Ao apontar como se formam as redes pensa sobre sua organização, seus argumentos, suas afetividades e seus pertencimentos. Além disso, as redes são apontadas como mais que procedimento metodológico, mas como produção de significados e, por isso importantes para a constituição do conhecimento. As discussões derivam da tessitura das redes de entrevistas de uma pesquisa de mestrado em Educação. O estudo objetivou a análise da construção identitária de professores na jornada ampliada de escolas de ensino fundamental, considerando as histórias de vida narradas como documentos, que dão visibilidade às percepções dos colaboradores da pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suzana Lopes Salgado Ribeiro, Universidade de Taubaté

Professora no curso de História no Departamento de Ciências Sociais e Letras da Universidade de Taubaté

Patrícia Romana de Oliveira, Universidade de Taubaté

Mestranda no Mestrado Profissional em Educação

Referências

BAUDRILLARD, Jean. A troca impossível. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.

BENJAMIN, W. O narrador: observações acerca da obra de Nicolau Lescov. In: Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BAUMAN, Zygmunt. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

DELEUZE, Gilles e Guattari, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Ed 34, 1995.

GUATTARI, Félix. Caosmose. Um novo paradigma estético. Rio de Janeiro: Ed 34, 1992.

GUATTARI, Félix. As três ecologias. São Paulo: Papirus, 2000.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Petrópolis-RJ, Vozes, 2015.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2º ed. RJ: E.P.U., 2014.

NÓVOA, António. “A Formação contínua entre a pessoa-professor e a organização-escola”. Inovação, v. 4, n. 1, Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1991, p. 63-76.

_____. “Diz-me como ensinas, dir-te-ei quem és e vice-versa” In: FAZENDA, Ivani. A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento. Campinas: Papirus, 1995, p.29-41, 1995.

MEIHY, J.C.S.B. Manual de história oral. São Paulo: Loyola, 1998.

_____________; HOLANDA, F. História oral: como fazer, como pensar. 1ª ed. São Paulo: Contexto, 2007.

_____________; RIBEIRO S.L.S. Guia prático de história oral: para empresas, universidades, comunidades, famílias. São Paulo: Contexto, 2011.

RIBEIRO, S. L. S. APRESENTAÇÃO: Dossiê “História Oral e Memória” História oral e a consolidação de um campo de pesquisa. Revista Outras Fronteiras, Cuiabá-MT, vol. 3, n. 1, jan/jun., 2016

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: UFMG e Cia. das Letras, 2007.

WARSCHAUER, Cecília. Rodas em Rede: oportunidades formativas na escola e fora dela. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

WARSCHAUER, Cecília. Rodas e narrativas: caminhos para a autoria de pensamento, para a inclusão e a formação. In: SCOZ, Beatriz et al (org). Psicopedagogia: contribuições para a educação pós-moderna. Petrópolis: Vozes, 2004, pp. 13-23.

Downloads

Publicado

2018-12-29

Como Citar

RIBEIRO, S. L. S.; DE OLIVEIRA, P. R. Narrativas em rede: argumentos coletivos e histórias de vida na educação. RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 4, n. 2, p. 412–430, 2018. DOI: 10.20888/ridphe_r.v4i2.9702. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/9702. Acesso em: 23 jul. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO