Narrativas sobre a formação de professores em Mato Grosso do Sul como patrimônio educativo

Palavras-chave: Patrimônio. História da Educação Matemática. Experiência. Narrativa.

Resumo

Este artigo aborda as contribuições de narrativa produzidas em pesquisas que trabalham com a metodologia de pesquisa em História Oral para a escrita da História. As pesquisas tomadas nestes textos, tinha como objetivo investigar a formação de professores de Matemática em Mato Grosso do Sul. A discussão que aqui se apresenta, toma aspectos presentes nos textos narrados como disparadores para a discussão sobre a correlação das narrativas com o conceito de Patrimônio Educativo. As memórias registradas por meio da História Oral em narrativas, presentifica o valor sócio-histórico e cultural dos âmbitos escolares o que torna imprescindível sua preservação realizada por meio da sua fixação na escrita.


Biografia do Autor

Carla Regina Mariano da Silva, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Professora Adjunta do Instituto de Matemática da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Katia Guerchi Gonzales, Universidade Anhanguera Uniderp

Professora da Universidade Anhanguera Uniderp

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. História: a arte de inventar o passado. Bauru: EDUSC, 2007. BENJAMIN, W. O Narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In:.Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras São Paulo: Brasiliense, 1994, p.197-221. BOLÍVAR, A.; DOMINGO, J.; FERNÁNDEZ, M. La investigación biográfico-narrativa en educación: enfoque y metodologia. Madrid: La Muralla, 2001. BRUNER, J. A Construção Narrativa da Realidade. Critical Inquiry, 18 (1), pp.1-21, 1991. Tradução Waldemar Ferreira Netto. CARVALHO, M. L. M. de. Patrimônio, Trabalho e Educação: a história oral significando lugares, professores e estudantes na educação profissional. Seminário NEHO VINTE ANOS: HISTÓRIA ORAL, IDENTIDADE E COMPROMISSO, em São Paulo, 10 a 12 de novembro de 2011. FERNANDES, F. S. Biografia do Orvalho: considerações sobre narrativa, vida e pesquisa em Educação Matemática. Bolema, Rio Claro, v. 28, n. 49, p. 896-909, 2014b. GARNICA, A. V. M. Manual de História Oral em Educação Matemática: outros usos, outros abusos. Anais SEMINÁRIO NACIONAL DE HISTÓRIA DA MATEMÁTICA, Guarapuava/ PR, 2007. GARNICA, A. V. M. Registrar oralidades, analisar narrativas: sobre pressupostos da História Oral em Educação Matemática. Ciências Humanas e Sociais em Revista, Rio de Janeiro, v. 32, n.2, p.29-42, jul./dez. 2010.

GARNICA, A. V. M, FERNANDES, D. N.; SILVA, H. Entre a amnésia e a vontade de nada esquecer: notas sobre regimes de historicidade e história oral. Bolema. Rio Claro, p. 213-250. 2011. GOMES, M. L. M. Escrita autobiográfica e história da educação matemática. Bolema: Boletim de Educação Matemática, Rio Claro, Sp, v. 26, n. 42, p.105- 138, abr. 2012. GONZALES, K.G. Formar professores que ensinam Matemática: uma história do movimento das Licenciaturas Parceladas no Mato Grosso do Sul. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências – Bauru, 2017. LE GOFF, J. A História Nova: A História Nova. In: LE GOFF, Jacques (Org.). A História Nova. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005. p. 32-89. Tradução de Eduardo Brandão.LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, n 19, p.19-28, jan./fev./mar./abr.2002. LARROSA, J. 20 minutos na fila: sobre experiência, relato e subjetividade em Imre Kertész. Boletim de Educação Matemática, v. 28, n.49, p.717-743, ago. 2014. MOGARRO, Maria João. Património educativo e modelos de cultura escolar na Historia da Educação em Portugal. Cuestiones pedagógicas. 22 (2013): 67-102. MARTINS-SALANDIM, M. E. A interiorização dos cursos de Matemática no Estado de São Paulo: um exame da década de 1960. Tese (Doutorado em Educação Matemática) –Universidade Estadual Paulista – Unesp, Rio Claro, 2012.PACHECO, R. D. A. (2010). Educação, memória e patrimônio: ações educativas em museu e o ensino de história. Revista Brasileira de História, 30(60). RICOEUR, P. Tempo e narrativa. Campinas (SP): Papirus, 1997. t 3. p.425.SILVA, C. R. M. da. Uma, Nove ou Dez Narrativas sobre as Licenciaturas em Ciências e Matemática em Mato Grosso do Sul. Tese (Doutorado em Educação Matemática) –Universidade Estadual Paulista – Unesp, Rio Claro, 2015.SOUZA, Rosa Fátima de. Preservação do Patrimônio Histórico Escolar no Brasil: notas para um debate. Revista Linhas, Florianópolis, v. 14, n. 26, jan./jun. 2013. p. 199 – 221. VIANNA, C. R. Sinfonia n. º 5 em Dó menor. Zetetiké: Revista de Educação Matemática, v. 23, n. 43, p. 45-57, 2016. VIÑAO, A. Memoria, patrimonio y educación.História da Educação, v.15, n.33, p.31-62, 2011.VIDAL, D. G. No interior da sala de aula: ensaio sobre cultura e prática escolares. Currículo sem fronteiras, 9, no. 1, p. 25-41, 2009.

Publicado
2019-04-30
Como Citar
Silva, C. R. M. da, & Gonzales, K. G. (2019). Narrativas sobre a formação de professores em Mato Grosso do Sul como patrimônio educativo. RIDPHE_R Revista Iberoamericana Do Patrimônio Histórico-Educativo, 5, e019004. https://doi.org/10.20888/ridphe_r.v5i0.9679
Seção
DOSSIÊ TEMÁTICO