Patrimônio cultural e educação patrimonial: a operação historiográfica e a tática marginal

Palavras-chave: educação patrimonial, escrita da história, práticas ordinárias

Resumo

Para refletir sobre as relações entre o campo do patrimônio cultural e da educação patrimonial, recorreu-se à fundamentação teórica desenvolvida por Michel de Certeau. A partir deste autor, o patrimônio cultural é observado como um modo de se escrever a história pelos órgãos de preservação. A educação patrimonial é vista como práticas ordinárias que, em contraposição à história monumental e vinculada a fatos excepcionais, podem configurar-se como táticas para a emersão das memórias recalcadas pela história materializada pelos bens patrimonializados.

Biografia do Autor

João Lorandi Demarchi, Universidade de São Paulo

Mestrando em Geografia Humana e graduado em História (licenciatura e bacharelado) pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP). Professor de educação básica. Foi monitor-bolsista do Programa de Formação de Professores no Núcleo de Avaliação Institucional (NAI-USP). Integra a Rede Paulista de Educação Patrimonial (REPEP). Foi bolsista de Iniciação Científica da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Desenvolve pesquisas sobre educação patrimonial e patrimônio cultural.

Simone Scifoni, Universidade de São Paulo

Geógrafa, Mestre e Doutora em Geografia pela Universidade de São Paulo. Prêmio Capes de Teses, conferido, em 2006, ao trabalho intitulado "A construção do patrimônio natural". Docente do Depto de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP. Atuou em instituições públicas de proteção do patrimônio cultural como o Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), Condephaat/SP e Conselho Municipal de Patrimônio Cultural de São Bernardo do Campo. Fundadora e membro da Rede Paulista de Educação Patrimonial, Repep. Membro do Icomos-Brasil. Vice-diretora do Centro de Preservação Cultural CPC/USP.

Referências

ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas. Trad. Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito da História. In: O anjo da história. Organização e tradução de João Barrento. 2; ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016, p. 07-20.

BOSI, Ecléa. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues et. al. O difícil espelho: limites e possibilidades de uma experiência de cultura e educação. Rio de Janeiro: Iphan/Depron, 1996.

CARBÓ, Cristina, GIRAUD, François. Entrevista a Michel de Certeau. México, DF, Historicas, set./dic. 1982, p. 25-26 e 39-51.

CARBÓ, Cristina, GIRAUD, François. Entrevista a Michel de Certeau. México, DF, Historicas, enero/abril 1983, p. 19-20 e 41-53.

CASCO, Ana Carmen. “Sociedade e Educação Patrimonial”. Repep, 2014. Disponível em:. http://repep.fflch.usp.br/sites/repep.fflch.usp.br/files/SOCIEDADE%20E%20EDUCA%C3%87%C3%83O%20PATRIMONIAL%20CASCO_A.pdf . Acesso em 23 jun 2018.

CERTEAU, Michel de; GIARD, Luce; MAYOL, Pierre. A invenção do cotidiano: morar e cozinhar. Tradução: Ephraim F. Alves e Lúcia Endlich Orth. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

CERTEAU, Michel de. A Invenção do cotidiano. Artes de fazer. Trad. Ephraim F. Alves. Petrópolis : Vozes, 1994.

CERTEAU, Michel de. Andando na cidade. In: Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 23, 1994, p. 21-31. Disponível em http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/RevPat23_m.pdf . Acesso em 21 jun 2018.

CERTEAU, Michel de. Teoria e Método no Estudo no estudo das práticas cotidianas. In. SZMRECSANYI, Maria Ivone (Org.). Cotidiano, cultura popular e planejamento urbano (Anais do Encontro). São Paulo: FAU/USP, 1985, p. 3-19.

CERTEAU, Michel de. A Escrita da história. Trad. de Maria de L. Menezes; rev. técnica [de] Arno Vogel. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2017.

CERTEAU, Michel de. História e psicanálise: entre ciência e ficção. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

CERTEAU, Michel de. A Cultura no Plural. 3. ed. Campinas, SP: Papirus, 2003.

CHUVA, Marcia R. R. Os Arquitetos da Memória: sociogênese das práticas de preservação do patrimônio cultural no Brasil (anos 1930-1940). Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

_______. “Fundando a nação: a representação de um Brasil barroco, moderno e civilizado”. In: Topoi, v. 4, n. 7, jul.-dez. 2003, pp. 313-333.

FERREIRA, Luiza C. A. E a cultura ? O Centro Nacional de Referência Cultural e a identidade do Brasil (1975-1979). Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Fluminense. Niterói, RJ, 2015.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. “Nação e civilização nos trópicos: o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o projeto de uma História nacional”. Estudos Históricos, 1, 1988, p. 5-27.

HORTA, Maria de Lourdes P., el al. Guia Básico de Educação Patrimonial. Brasília: Iphan, Museu Imperial, 1999.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Educação Patrimonial: inventários participativos: manual de aplicação. Texto Sônia Regina Rampim Florêncio et al, Brasília, DF, 2016.

_______. Educação patrimonial: histórico, conceitos e processos. Texto Sônia Regina Rampim Florêncio e Rodrigo Ramassote. Brasília, DF: Iphan/DAF/Cogedip/Ceduc, 2014.

MENESES, Ulpiano. O campo do patrimônio cultural: uma revisão de premissas. In: I Fórum Nacional do Patrimônio Cultural: Sistema Nacional de Patrimônio Cultural: desafios, estratégias e experiências para uma nova gestão, 2009, Ouro Preto/MG. Anais… Brasília-DF: Iphan, vol. 1, 2012. p. 25-39.

MORAES, J. G. V.; GAMBETA, Wilson. Michel de Certeau: pensador das diferenças. In: REGO, Teresa. (Org.). Memória, história e escolarização. 1ed.Petrópolis: Vozes, 2011, v. 1, p. 157-182.

OLIVERIA, Cléo Alves P. Educação patrimonial no Iphan. Monografia de Especialização – Escola Nacional de Administração Pública. Brasília, DF, 2011

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, 1989, p. 3-15.

REPEP. Princípios da Educação Patrimonial, São Paulo: 2014. Disponível em: <http://repep.fflch.usp.br/sites/repep.fflch.usp.br/files/u63/Principios%20da%20Repep.pdf>. Acesso em: abr 2018.

TODOROV, Tzvetan. Los abusos de la memoria. Espanha: Ariea, 1995

Publicado
2019-12-02
Como Citar
Demarchi, J. L., & Scifoni, S. (2019). Patrimônio cultural e educação patrimonial: a operação historiográfica e a tática marginal. RIDPHE_R Revista Iberoamericana Do Patrimônio Histórico-Educativo, 5, e019029. https://doi.org/10.20888/ridphe_r.v5i0.9673