O exílio na poesia: leituras de Guta (As três Marias) e Edna (Riacho Doce)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridpher.v6i00.14820

Palavras-chave:

Cenas de leitura, Educação Literária, Romance brasileiro

Resumo

Publicados em 1939, As três Marias, de Rachel de Queiroz, e Riacho Doce, de José Lins do Rego, têm em comum protagonistas mulheres, cujas trajetórias são marcadas por experiências escolares distintas, mas, ao mesmo tempo, por uma convivência intensa com literatura escrita (romances, poemas) e oral (narrativas e canções populares). Pontuando as diferenças de registro, pois em As três Marias as memórias de Guta são registradas em primeira pessoa e em Riacho Doce a trajetória de Edna é narrada em terceira pessoa, este artigo procura estudar como as formações literárias das personagens marcam suas expectativas em relação ao futuro e provocam reflexões acerca dos limites impostos às mulheres na sociedade na qual as narrativas estão inscritas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Gaiotto de Moraes, Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC

Professor Adjunto no Departamento de Língua e Literatura Vernáculas e do Programa de Pós-Graduação em Literatura, na Universidade Federal de Santa Catarina. Possui doutorado (2014) e mestrado em Teoria e História Literária (2007), e licenciatura e bacharelado em Letras, pela Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Letras, atuando principalmente nos seguintes temas: Literatura Brasileira; Modernismo Brasileiro; Crítica Literária; Arquivo/Memória; Jornais e Revistas Literárias.

Viviane da Silva Vieira, PUC-Campinas

Mestra em Linguagens, mídia e arte (2020) na Pontifícia Universidade Católica de Campinas com bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Possui Licenciatura plena em Letras Português/Inglês (2016) e Bacharelado em Tradução e Revisão (2017) pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: representação, Romance de 30, poética cultural, identidade e imigração.

Referências

ANDRADE, Mário de. O empalhador de passarinho. 2. ed. São Paulo: Martins, 1955.

HOLANDA, Aurélio Buarque de. José Lins do Rego fala sobre seu novo romance. In: COUTINHO, E. F.; CASTRO, A. B. de (Orgs.). José Lins do Rego: Coleção Fortuna crítica 7. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira/João Pessoa: Edições Funesc, 1991. p. 357-360.

HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque de. ABC de José Lins do Rego. Rio de Janeiro: José Olympio, 2012.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Carta aberta (talvez inútil e certamente atrasada) a Rachel de Queiroz. In: QUEIROZ, Rachel de. As Três Marias. 29. ed. Rio de janeiro: José Olympio, 2019.

MENDES, Marlene Gomes. As três Marias, de Rachel de Queiroz: edição crítica em uma perspectiva genética. Niterói: EDUFF, 1998.

NORA, Pierre. Entre história e memória: a problemática dos lugares. Revista Projeto História, n. 10, p. 7-28, 1993.

QUEIROZ, Rachel de. As Três Marias. 29. ed. Rio de janeiro: José Olympio, 2019.

REGO, José Lins. do. Riacho Doce. 3. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1956.

SANTOS, Cássia dos. O autobiográfico, o ficcional e o literário em um romance de Rachel de Queiroz. Todas as Letras, São Paulo, v. 22, n. 1, p. 1-15, jan./abr. 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-15

Como Citar

GAIOTTO DE MORAES, Ricardo; DA SILVA VIEIRA, Viviane. O exílio na poesia: leituras de Guta (As três Marias) e Edna (Riacho Doce). RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 6, n. 00, p. e020024, 2020. DOI: 10.20888/ridpher.v6i00.14820. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/14820. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO