Agnaldo dos Santos e o museu de arte negra de Abdias do Nascimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rhac.v3i1.16106

Palavras-chave:

Agnaldo dos Santos, Abdias do Nascimento, Museu de arte negra (MAN), Teatro experimental do negro (TEN)

Resumo

A proposta deste trabalho é colaborar com o aprofundamento da recepção crítica do escultor Agnaldo dos Santos (1926-1962), estabelecendo contato entre sua produção e a formação do Museu de Arte Negra (MAN), idealizado por Abdias do Nascimento (1914-2011). A constituição da coleção do MAN caracterizou-se pela tentativa de reunir obras que tivessem como premissa padrões estéticos de matriz africana. O propósito é observar a diversidade de intenções no âmbito das escolhas estéticas de Agnaldo dos Santos em sua prática artística e a formação da coleção do MAN. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Caspary Corrêa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em História da Arte da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

ACERVO de arte negra para museu. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, n. 22938, 14 jan. 1968, p. 2.

ARTES plásticas: concurso “Cristo de cor”. Correio da Manhã, RJ, n. 19036, 19 abr. 1955, p. 14 (1º Caderno).

AUSÊNCIA do teatro negro nas comemorações do IV centenário de São Paulo. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, n. 9565, 8 jan. 1954, p. 8 (Primeira Seção).

BARATA, Mário. A escultura de origem negra no Brasil. Brasil - Arquitetura Contemporânea, Rio de Janeiro, n. 9, 1957, p. 51-56.

BARATA, Mário. Agnaldo dos Santos: Operário... e escultor. Diário de Notícias, n. 10389, 19 set. 1956, p. 2 (Segunda Seção).

BEVILACQUA, Juliana Ribeiro da Silva Beyond the Revealed Unconscious: Agnaldo Manoel dos Santos as the Protagonist of his Own Art, Critical. Journal of African Art History and Visual Culture, v. 9, 2015.

BEVILACQUA, Juliana Ribeiro da Silva. Agnaldo Manoel dos Santos ou la subversion de la modernité consentie. Brésil(s): Sciences humaines et sociales, n. 19, 2021 (Dossier - Le populaire et le moderne : l'art brésilien, 1950-1980. Trad. Stéphane Chao.) https://doi.org/10.4000/bresils.9234

BEVILACQUA, Juliana Ribeiro da Silva. Agnaldo Manuel dos Santos: a conquista da modernidade. 1ª ed. São Paulo: Almeida e Dale Galeria, 2021.

CASTRO, Maurício Barros de; SANTOS, Myrian Sepúlveda dos. Abdias do Nascimento e o Museu de Arte Negra. MODOS. Revista de História da Arte. Campinas, v. 3, n. 3, p.174-189, set. 2019. DOI: https://doi.org/10.24978/mod.v3i3.4235.

CATÁLOGO da II Bienal de São Paulo, 1953. Disponível em: http://www.bienal.org.br/publicacoes/4391. Acesso em: 29 jun. 2022.

CONDURU, Roberto. Necessidade urgente (ainda oportuna?) Mário Barata, arte, afro-brasilidade. In: Pérolas Negras – primeiros fios: experiências artísticas e culturais nos fluxos entre África e Brasil. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.

CORRÊA, Gabriela Caspary. A Petite Galerie, Franco Terranova e o circuito de arte no Rio de Janeiro, 1954-1988. Dissertação (Mestrado em Artes) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Artes, RJ, 2018.

CORREIO da Manhã, Rio de Janeiro, n. 18793, 2 jul. 1954, p. 10 (1º caderno).

CRISTO de côr. Correio da Manhã, RJ, n. 19042, 26 abr. 1955, p. 14, (1º Caderno).

DIÁRIO de Notícias, Rio de Janeiro, n. 8596, 28 out. 1950, p. 2 (Segunda Seção).

NASCIMENTO, Abdias (Org.). O Negro Revoltado. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982 (1968).

NASCIMENTO, Abdias. A Arte Negra. Museu voltado para o futuro. Galeria de arte moderna (GAM), Rio de Janeiro, n. 15, p. 44-45, 1968 (b).

NASCIMENTO, Abdias. Arte Afro-Brasileira um espírito libertador. In: ABDIAS Nascimento: um espírito libertador. Catálogo da exposição (MAC Niterói, 13 abr. - 18 ago. 2019). Apoio: IPEAFRO. Niterói: Niterói Livros, 2019. Disponível em: https://issuu.com/institutopesquisaestudosafrobrasile/docs/abdias_miolo_final_web3. Acesso em: 29 jun. 2022.

NASCIMENTO, Abdias. Carta aberta a Dacar. In: O BRASIL na mira do pan-africanismo. Salvador: Edufba, 2002.

NASCIMENTO, Abdias. Cultura e estética no Museu de Arte Negra. Galeria de arte moderna (GAM), Rio de Janeiro, n. 14, p. 21-22, 1968 (a).

NASCIMENTO, Abdias. O quilombismo: documentos de uma militância pan-africanista. Brasília: Fundação Cultural Palmares/OR, 1980.

NASCIMENTO, Abdias. Teatro experimental do negro: trajetória e reflexões. Estudos Avançados, São Paulo, v. 18, n. 50, abr. 2004. https://doi.org/10.1590/S0103-40142004000100019

TEATRO Experimental do Negro. [S.l., 12 jul. 1955]. 16p. Disponível em: https://ipeafro.org.br/acervo-digital/documentos/man-documentos/cristo-de-cor-1/. Acesso em: 29 jun. 2022.

VALLADARES, Clarival do Prado, Agnaldo Manoel dos Santos: Origem e Revelação de um Escultor Primitivo. Revista Afro-Ásia, n. 14, 1983.

VALLADARES, Clarival do Prado. Sobre o comportamento arcaico brasileiro nas artes plásticas. Brasileiros e Seu Universo. Artes, Ofícios, Origens, Permanências. Rio de Janeiro: Editora MEC, 1974, p. 63.

VAN Gogh, Gauguin e Césanne Valorizaram Arte Negra. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, n. 12859, 20 out. 1964, p. 7 (Primeira Seção).

Downloads

Publicado

2022-06-30

Como Citar

CORRÊA, G. C. Agnaldo dos Santos e o museu de arte negra de Abdias do Nascimento. Revista de História da Arte e da Cultura, Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 117–135, 2022. DOI: 10.20396/rhac.v3i1.16106. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/rhac/article/view/16106. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos