Banner Portal
Preservação digital na Arquivologia
PDF
ÁUDIO
VÍDEO

Palavras-chave

Preservação digital na arquivologia
Modelo OAIS
Projeto InterPARES
Custódia arquivística
Metadados de preservação arquivística

Como Citar

SILVA, Faysa de Maria Oliveira e; SIEBRA, Sandra de Albuquerque; SANTOS, Thais Helen do Nascimento. Preservação digital na Arquivologia: teorias e tecnologias envolvidas. Revista Brasileira de Preservação Digital, Campinas, SP, v. 4, n. 00, p. e023008, 2023. DOI: 10.20396/rebpred.v4i00.17937. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/rebpred/article/view/17937. Acesso em: 18 abr. 2024.

Resumo

Introdução: Com a penetrabilidade da tecnologia no fazer arquivístico, houve a necessidade de utilizá-la para automatizar a técnica, tornando-a mais fluida e veloz. Desse modo, os processos de gestão dos documentos que vão desde a seleção, organização até o arquivamento, sofreram mudanças significativas, não apenas no modus operandi, mas também na concepção do que é um documento arquivístico digital, na sua forma, nas suas nuances intrínsecas e extrínsecas. Objetivo: A pesquisa objetivou apresentar um levantamento bibliográfico acerca das teorias e tecnologias necessárias para preservação digital no contexto da Arquivologia. Metodologia: Esta é uma pesquisa descritiva, qualitativa, que fez uso de pesquisa bibliográfica e análise documental. Resultados: Foram apresentadas as informações necessárias para introduzir os documentos arquivísticos no ambiente de preservação digital, assim como o que deve ser observado para garantir que o documento arquivístico esteja em um ambiente de preservação confiável, para acesso a longo prazo. Conclusão: Entende-se que a preservação digital na Arquivologia necessita de teorias colocadas em prática por meio de metodologias e modelos, que devem ser aplicados aos documentos arquivísticos digitais, a fim de garantir acesso continuado e confiável a eles. Assim como, que não há como preservar documentos digitais sem ferramentas tecnológicas que subsidiem a manutenção deles.

https://doi.org/10.20396/rebpred.v4i00.17937
PDF
ÁUDIO
VÍDEO

Referências

ALEIXO, D. V. B. S; CATARINO, M. E. Contribuições de um perfil de aplicação à descrição arquivística visando a interoperabilidade nos moldes do modelo resource description framework. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO. 16., Anais..., João Pessoa: UFPB, 2015. Disponível em: https://brapci.inf.br/index.php/res/v/188141 Acesso em: 10 out. 2022.

ALTMAN, Micah et al. Digital preservation through archival collaboration: the data preservation alliance for the Social Sciences. The American Archivist, v. 72. Doi: 10.17723/aarc.72.1.eu7252lhnrp7h188.

ALVES, R. C. V. Metadados como elementos do processo de catalogação. 2010. 132 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2010. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/PosGraduacao/CienciadaInformacao/Dissertacoes/alves_rachel.pdf Acesso em: 27 ago. 2022.

ARAKAKI, F. A.; GONÇALEZ, P. R. V. A.; CONEGLIAN, C. S. et al. Web semântica e preservação digital: O padrão de metadados PREMIS na proposta do Linked Data. Informação & Tecnologia (ITEC), Marília/João Pessoa, v.5, n.1, jan./jun. 2018. Disponível em: https://brapci.inf.br/index.php/res/v/110389 Acesso em: 2 nov. 2022.

BARBEDO, F. et al. RODA: repositório de objectos digitais autênticos. Actas dos Congressos Nacionais de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas, Lisboa, n. 9, 2007. Disponível em: https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/6330/1/artigo.pdf. Acesso em: 2 out. 2022

BELLOTTO, H. L. Arquivos Permanentes: tratamento documental. 4. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

CAPLAN, P. Understanding PREMIS. Washington: Library of Congress, 2009. Disponível em: http://www.loc.gov/standards/premis/understanding-premis.pdf. Acesso em: 26 jun. 2022.

CAMPOS, F. M. G.; SARAMAGO, M. L. Preservação digital de longo prazo em instituições patrimoniais: reutilização e adaptação de metadados. Actas dos Congressos Nacionais de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas, Lisboa, v. 9, n. 1, pp. 1-7, 2007. Disponível em: http://www.bad.pt/publicacoes/index.php/congressosbad/article/view/540/330. Acesso em: 10 dez. 2022.

CHAN, L. M.; ZENG, M. L. Metadata interoperability and standardization: a study of methodology part i: achieving interoperability at the schema level. D-Lib Magazine, v. 12, n. 6, jun. 2006. Disponível em: https://www.dlib.org/dlib/june06/chan/06chan.html. Acesso em: 10 set. 2022.

CONSULTATIVE COMITTEE FOR SPACE DATA SYSTEMS. Reference Model for an Open Archival Information System (OAIS): Recommendation for Space Data System Standards. Washington: CCSDS Secretaria, 2012. Disponível: https://public.ccsds.org/default.aspx. Acesso em: 1 fev. 2022.

CONARQ. Câmara Técnica de documentos eletrônicos. Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2004. Disponível em: http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/Media/publicacoes/cartapreservpatrimarqdigitalconarq2004.pdf Acesso em: 29 jan. 2022.

CONARQ. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005. Disponível em: http://www.arquivonacional.gov.br/images/pdf/Dicion_Term_Arquiv.pdf. Acesso em: 01 fev. 2022

CONARQ. Câmara Técnica de documentos eletrônicos. e-ARQ Brasil: Modelo de Re-quisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2011. Disponível em:

http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/media/publicacoes/earq/conarq_earqbrasil_model_requisitos_2009.pdf Acesso em: 23 fev. 2022.

CONARQ. Câmara Técnica de documentos eletrônicos. e-ARQ Brasil: Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos. v.2. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2020. Disponível em: https://www.gov.br/conarq/pt-br/assuntos/noticias/conarq-abre-consulta-publica-visando-a-atualizacao-do-e-arq-brasil/EARQ_v2_2020_final.pdf Acesso em: 20 maio 2023.

CONARQ. Câmara Técnica de documentos eletrônicos. Diretrizes para a implementação de repositórios digitais confiáveis de documentos arquivísticos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2014. Disponível em: http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/media/publicacoes/resol_conarq_39_repositorios.pdf. Acesso em: 18 fev. 2022.

CONARQ. Diretrizes para a implementação de repositórios arquivísticos digitais – RDC-Arq. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2015. Disponível em: https://www.gov.br/conarq/pt-br/centrais-de conteudo/publicacoes/conarq_diretrizes_rdc_arq_resolucao_43.pdf. Acesso em: 13 fev. 2022.

CONARQ. Resolução nº 43, de 04 de setembro de 2015. Conarq, 2015. Disponível em:

http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/legislacao/resolucoes-do-conarq/335-resolucao-n-43,-de--04-de-setembro-de-2015.html. Acesso em: 09 jan 2022

CONSULTATIVE COMITEE FOR SPACE DATA SYSTEMS. Reference model for an Open Archival Information Systems (OASIS): Recommendation for Space Data System Standards. Washington: CCSDS, 2012.

DURANTI, L. Registros documentais contemporâneos como provas de ação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v.7, n.13, p. 49-64, 1994. Disponível em: https://bibliotextos.files.wordpress.com/2012/03/registro-documentais-contemporc3a2neos-como-provas-de-ac3a7c3a3o.pdf. Acesso em: 10 nov. 2022.

DURANTI, L. The InterPARES Project: The long-term preservation of the authentic electronic records: findings of the InterPARES Project. Itália: Archilab, 2005. Disponível em: http://www.interpares.org/display_file.cfm?doc=ip2_dissemination_jar_duranti_dsj_4_2005.pdf. Acesso em: 10 nov. 2022.

ESTADOS UNIDOS. Departament of Defense. Design Criteria Standar of Eletronics Records Management Software Appliccations: DOD 5015.2-STD. Washington, 2022.

FLORES, D. Estudos sobre o SEI e suas necessidades de melhorias: considerações do GT SEI avaliação do AN, CTDE CONARQ e do Grupo CNPq GED/A. Goiânia. 2016. 30 slides. Material elaborado para a palestra na Universidade Federal de Goiás, UFG- Centro de informação, documentação e arquivo. Disponível em: http://pt.slideshare.net/dfloresbr/estudos-sobre-o-sei-e-suas-necessidades-de-melhorias-consideraes-do-gt-sei--avaliao-do-an-ctde-conarq-e-grupo-cnpq-ufsmgeda. Acesso em: 07. dez. 2022.

FLORES, D. ROCCO, B.C.B. SANTOS, H. M. cadeia de custódia para documentos arquivísticos digitais. Acervo, Rio de Janeiro, v. 29, n. 2, p. 117-132, jul./dez. 2016 – p. 117. Disponível em: https://revista.arquivonacional.gov.br/index.php/revistaacervo/article/view/717. Acesso em: 20 out 2022.

FONTANA, F. F. Archivematica como ferramenta para acesso e preservação digital à longo prazo. ÁGORA, Florianópolis, v. 24, n. 48, p. 62-82, 2014. Disponível em: https://agora.emnuvens.com.br/ra/article/view/457. Acesso em: 25 nov. 2022.

FORMENTON, D. Identificação de padrões de metadados para preservação digital. São Carlos: UFSCar, 2016. 102 p. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/7221/DissDF.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 1 nov. 2022.

GILLILAND, A. J. Setting the Stage. In: BACA, M. Introduction to Metadata. 2. ed. Getty Publications. Los Angeles: J. Paul Getty Trust, 2008. p. 1-19.

GRÁCIO, J. C. A. Metadados para a descrição de recursos da Internet: o padrão Dublin Core, aplicações e a questão da interoperabilidade. 2002. 104 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2002. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/93722/gracio_jca_dr_mar.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso em: 11 dez. 2022

GRÁCIO, J. C. A. Preservação digital na gestão da informação: um modelo processual para as instituições de ensino superior. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/113727 Acesso em: 11 dez. 2022.

HEDLUND, D. C.; FLORES, D. Análise e aplicação do Software Livre ICA-AtoM como ferramenta para descrição e acesso às informações do patrimônio documental e histórico do município de Santa Maria – RS. Informação Arquivística, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 24-41, jan./jun. 2014. Disponível em: http://www.aaerj.org.br/ojs/index.php/informacaoarquivistica/article/view/34. Acesso em: 10 mar. 2022

IBICT. Guia do Usuário Archivematica. Brasília: Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, 2016. 136 f. Disponível em: https://livroaberto.ibict.br/bitstream/123456789/1063/4/Manual-Archivematica.pdf Acesso em: 13 dez. 2022

ICA-ATOM. RS-1: Introduction. 2022. Disponível em: https://www.ica-atom.org/doc/RS-1. Acesso em: 7 dez. 2022

INNARELLI, H. C. Preservação digital e seus dez mandamentos. In: SANTOS, Vanderlei Batista (org.). Arquivística: temas contemporâneos, classificação, preservação digital, gestão do conhecimento. Brasília, DF: SENAC, 2007.

INNARELLI, H. C. Gestão de preservação de documentos arquivísticos digitais: proposta de um modelo conceitual. 2015. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Ciências da Informação, Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27151/tde-27052015-101628/publico/HumbertoCelesteInnarelliVC.pdf Acesso em: 13 jun. 2022.

INNARELLI, H. C. Preservação digital e seus dez mandamentos. In: INNARELLI, H. C. (org.) Arquivística: temas contemporâneos: classificação, preservação digital, gestão do conhecimento. Brasília, DF: SENAC, 3. ed. 2009. p. 21-71.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 15489-1 Information and documentation. Records management. Part 1: General. ISO Publications: Geneva, Switzerland. 2001a. Disponível em: https://www.iso.org/standard/31908.html. Acesso em: 10 jun. 2022.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 15489-1 Information and documentation. Records management. Part 2: Guidelines. ISO Publications: Geneva, Switzerland. 2001b. Disponível em: https://www.iso.org/standard/31908.html. Acesso em: 10 jun. 2022.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 14721. Space data and information transfer systems – Open archival information system – Reference model. 2003. Disponível em: https://www.iso.org/standard/57284.html Acesso em: 10 jun. 2022

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO/IEC Directives Part 2: rules for the structure and drafting of International Standards. Genebra, 2011.

Disponível em: https://www.iso.org/sites/directives/current/part2/index.xhtml. Acesso em: 10 jun. 2022

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. Standards: whats the bottom line? Genebra: ISSO, 2012. Disponível em: https://www.iso.org/files/live/sites/isoorg/files/archive/pdf/en/bottom_line.pdf. Acesso em: 10 jun. 2022.

INTERPARES PROJECT. International Research on Permanent Authentic Records in Electronic Systems. Interpares project, Vancouver, Disponivel em: http://www.interpares.org. Acesso em: 22 jan 2022.

KOWALCZYK, S. T. Digital Curation for Libraries and Archives. Santa Barbara, Califórnia: Libraries Unlimited, 2018.

LAVOIE, B.; DEMPSEY, L. Thirteen ways of looking at. Digital Preservation. The Magazine of Digital Library Research, v. 10, n. 7/8, jul. 2004. Disponível em: http://www.dlib.org/dlib/july04/lavoie/07lavoie.html. Acesso em: 1 fev. 2022.

LIBRARY OF CONGRESS. Encoded Archival Description. Washington: LC, 2016. Disponível em: https://www.loc.gov/ead/ Acesso em: 22 abr. 2022.

LIMA, E. S; FLORES, D. A utilização do ICA-ATOM, como plataforma de acesso, difusão e dos documentos arquivísticos de instituições públicas. Inf. Inf., Londrina, v. 21, n. 3, p. 207 – 227, set./dez., 2016. Disponível em: www.uel.br/revistas/informacao/. Acesso em: 12 ago. 2022.

LIRA, J.; SIEBRA, S. DE A. Preservação Digital: revisitando o essencial. In: SIEBRA, S. DE A.; BORBA, V. da R. (orgs.) Preservação Digital e suas Facetas. São Carlos: Pedro e João Editores, 2021. p. 31-83.

MICHEL. M. H. Metodologia e Pesquisa científica em ciências sociais: um guia prático para acompanhamento da disciplina e elaboração de trabalhos monográficos. 2. ed. atual. e ampl. São Paulo: Atlas, 2009.

OCLC. Trusted digital repositories: attributes and responsibilities. Mountain View: RLG, OCLC, 2002. Disponível em: http://www.oclc.org/programs/ourwork/past/trustedrep/repositories.pdf. Acesso em: 13 dez. 2022.

OLIVER, G.; HARVEY, D. R. Digital Curation. 2. ed. Chicago: ALA Neal-Schuman, American Library Association. 2016.

PUBLIC RECORD OFFICE. Requirements for eletronic records management systems: functionals requirements. 2022. Disponível em: https://natioalarchives.gov.uk/ocuents. Acesso em: 23 maio 2022.

SANTOS, Henrique Machado dos; FLORES, Daniel. CADEIA DE CUSTÓDIA DIGITAL ARQUIVÍSTICA. LexCult: revista eletrônica de direito e humanidades, [s.l.], v. 4, n. 2, p. 108-139, ago. 2020. ISSN 2594-8261. Disponível em: http://lexcultccjf.trf2.jus.br/index.php/LexCult/article/view/385. Acesso em: 03 out. 2022.

SANTOS, Washington dos. Dicionário jurídico brasileiro. Belo Horizonte: Del Rey, 2001. 340 p.

SAYÃO, L. F. Uma outra face dos metadados: Informações para a gestão da preservação digital. Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, v. 15, n. 30, p.1-31, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2010v15n30p1/19527 Acesso em: 23 fev. 2022.

SAYÃO, L. F. Repositórios digitais confiáveis para a preservação de periódicos eletrônicos científicos. Ponto e acesso, [s. l.], v. 4, n.3, 2010

Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/4709/3565. Acesso em: 01 out 2022

SILVA, J. L. C. Fundamentos da Informação I: Perspectivas em Ciências da Informação. São Paulo: ABECIN Editora, 2017.

SOUZA, A. H. L. R. et al. O modelo de referência OAIS e a preservação digital distribuída. Ciência da Informação, Brasília, v.41, n.1, p.65-73, jan./abr., 2012. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/1352. Acesso em: 23 ago 2022.

THOMAZ, K. P.; SOARES, A. J. A preservação digital e o modelo de referência Open Archival Information System (OAIS) Digital preservation and the Open Archival Information System (OAIS). DataGramaZero, v.5 n.1, fev/04, 2004. Disponível em: http://basessibi.c3sl.ufpr.br/brapci/index.php/article/view/0000007749/6f3e125671cfe45b7fddce5de6cf37f8. Acesso: 23 dez. 2021.

UNESCO. Directrices para la preservación del patrimonio digital. División de la Sociedad de la Información Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencia y la Cultura. Australia. 2002 Disponível em: https://mowlac.files.wordpress.com/2012/05/directrices-es-20021.pdf Acesso em: 11 nov. 2022.

VELLUCCI, S. L. Metadata and authority control. Library Resources & Technical Services (LRTS), [Chicago], v. 44, n. 1, p. 33-43, Jan. 2000. Disponível em: https://journals.ala.org/index.php/lrts/article/view/5136. Acesso: 22 jul 2022.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Faysa de Maria Oliveira e Silva, Sandra de Albuquerque Siebra, Thais Helen do Nascimento Santos (Autor)

Downloads

Não há dados estatísticos.