Gestão de risco e preservação digital no contexto brasileiro

o estado da arte

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rebpred.v3i00.16586

Palavras-chave:

Gestão de risco, Preservação digital

Resumo

Introdução: A gestão de risco apresenta-se como um instrumento de contingência que pode ser aplicado em diversas situações de ameaças e vulnerabilidade. A preservação digital não está distante desta realidade, seja por motivos de obsolescência tecnológica, fatores humanos, fatores do meio ambiente, geográficos ou pandêmicos. Estes podem causar danos irreversíveis ao nosso acervo informacional caso não estejamos preparados para atuar. Objetivo: Estabelecer o estado da arte sobre a Gestão de Risco e Preservação Digital, por meio da identificação de assuntos pesquisados, embasamento teórico-conceitual, metodologias e ferramentas utilizadas, tipo de publicação, autores mais citados, resultados e conclusões dos estudos. Metodologia: Consiste na análise documental de oito pesquisas sobre o tema, identificadas por meio de levantamento bibliográfico em bases de dados e buscadores da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD), Base de Dados em Ciência da Informação (Brapci), Portal de Periódicos Capes e Google Acadêmico. Resultados: Revelam que é necessária uma pesquisa mais aprofundada sobre o tema, considerando-se que ela pode contribuir para a preservação da memória informacional.  Conclusão: Por fim, foram identificadas três dissertações de mestrado, um artigo, um capitulo de livro e três anais. As temáticas abordam os tipos de ameaças que podem acometer os acervos digitais, o cenário de acidentes para a preservação digital e os métodos de análise de risco para a preservação digital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUIAR, Laís Alencar de. Metodologias de análise de riscos APP e HAZOP. Rio de Janeiro, RJ: [s. n.], [2009?]. 29 p. Disponível em: https://visaosegura.webnode.com/_files/200000056-584dc5947a/APP_e_HAZOP.pdf. Acesso em: 29 maio 2022.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR ISO 31000: gestão de riscos: diretrizes. 2. ed. Rio de Janeiro: ABNT, 2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR ISO/IEC 31010: gestão de riscos: técnicas para o processo de avaliação de riscos. Rio de Janeiro: ABNT, 2012

BARATEIRO, José et al. Designing digital preservation solutions: a risk management-based approach. The International Journal of Digital Curation, [Edinburgh], v. 5, n. 1, p. 4-17, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.2218/ijdc.v5i1.140. Acesso em: 29 maio 2022.

BARATEIRO, José; BORBINHA, José. Managing risk data: from spreadsheets to information systems. In: IEEE MEDITERRANEAN ELECTROTECHNICAL CONFERENCE, 16., 2012, Yasmine Hammamet, Tunisia. [Anais]. [Piscataway]: Institute of Electrical and Electronics Engineers, 2012. p. 673-676. DOI 10.1109/MELCON.2012.6196521. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/254032333_Managing_risk_data_From_spreadsheets_to_information_systems. Acesso em: 29 maio 2022.

BERNSTEIN, Peter L. Desafio aos deuses: a fascinante história do risco. Rio de Janeiro, RJ: Campus, 1997.

BECK, U. Risk society : towards a new modernity. London : Sage Publications, 1992.

GALINDO, M.; LIMA, A. K. A. Núcleo de Curadoria Digital da UFPE: modelo de preservação da memória digital. In: XIX CONIC; III CONITI; VII JOIC. Recife, 2011.

GANOULIS, Jacques. Risk analysis of water pollution. 2nd. ed., rev. and expanded. Weinheim: Wiley-VCH Verlag GmbH, 2009.

GOLDMAN Sachs. Risco de crédito. [S. l.]: Goldman Sachs, c2022. Disponível em: https://www.goldmansachs.com/worldwide/brazil/regulatory-disclosures/risco-de-credito.html. Acesso em: 29 maio 2022.

LAWRENCE, Gregory W. et al. Risk management of digital information: a file format investigation. Washington, DC: Council on Library and Information Resources, june 2000. Disponível em: https://www.clir.org/wp-content/uploads/sites/6/pub93.pdf. Acesso em: 29 maio 2022.

LIMA, Fanny do Couto Ribeiro de; LIMA, Marcos Galindo de. Preservação digital da informação científica: uma análise de risco em repositórios institucionais brasileiros. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 13., 2012, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: ANCIB, 2012. Disponível em: http://enancib.ibict.br/index.php/enancib/xiiienancib/paper/viewFile/3871/2994. Acesso em: 29 maio 2022.

LIMA, Marcos Galindo; NASCIMENTO, Heitor Jose Cavagnari; TAVARES, Aureliana Lopes de Lacerda. Métodos de análise de risco para preservação digital. In: CONFERÊNCIA SOBRE TECNOLOGIA, CULTURA E MEMÓRIA, 3., 2015, Recife. Anais […]. Recife: UFPE; Liber, 2015. Tema: Curadoria em rede: estratégias para gestão, preservação e acesso. Disponível em: http://www.liber.ufpe.br/ctcm2015/anais-ctcm2015.pdf. Acesso em: 29 maio 2022.

RIBEIRO, Fanny do Couto. Análise de risco: uma metodologia a serviço da preservação digital. 2012. 285 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Centro de Artes e Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10209. Acesso em: 29 maio 2022.

ROMANOWSKI, Joana Paulin; ENS, Romilda Teodora. As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte” em educação. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 6, n. 19, p. 37-50, set./dez. 2006. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/dialogoeducacional/article/view/24176. Acesso em: 29 maio 2022.

SANTOS, Henrique Machado dos; FLORES, Daniel. Infraestrutura de segurança para gestão de riscos do Repositório Arquivístico Digital Confiável: um diálogo com ISO 16363. Prisma.com: Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, n. 41, p. 59-83, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.21747/16463153/41a5. Acesso em: 29 maio 2022.

TAVARES, Aureliana Lopes de Lacerda; GALINDO, Marcos. Processos de preservação digital na Rede Memorial Pernambuco (RMP). Informação & Tecnologia, Marília/João Pessoa, v. 4, n. 2, p. 163-184, jul./dez. 2017. Especial Enancib 2017. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/itec/article/view/38790. Acesso em: 29 maio 2022.

TAVARES, Aureliana Lopes de Lacerda; SIEBRA, Sandra de Albuquerque; LIMA, Marcos Galindo de. O gerenciamento de risco no ciclo da curadoria digital. Archeion Online, João Pessoa, v. 6, n. 2, p. 83-104, jan./jun. 2019. Disponível em: https://doi.org/10.22478/ufpb.2318-6186.2019v6n2.43862. Acesso em: 17 maio 2022.

TAVARES, Aureliana Lopes de Lacerda. Análise de risco e preservação digital: uma abordagem sistemática na Rede Memorial de Pernambuco. 2014. 214 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Centro de Artes e Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/26453. Acesso em: 29 maio 2022.

TAVARES, Aureliana Lopes de Lacerda. Ferramentas de gestão de risco aplicadas à preservação digital. In: SIEBRA, Sandra de Albuquerque; BORBA, Vildeane da Rocha (org.). Preservação digital e suas facetas. São Carlos: Pedro & João Editores, 2021. p. 237-263. Disponível em: http://www.liber.ufpe.br/nova/wp-content/uploads/2021/06/Ebook_Preservac%CC%A7a%CC%83o_Digital.pdf. Acesso em: 29 maio 2022.

THOMAZ, Katia de Padua. A preservação de documentos eletrônicos de caráter arquivístico: novos desafios, velhos problemas. 2004. 388 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Escola de Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/VALA-68ZRKF. Acesso em: 29 maio 2022.

risco

Publicado

2022-07-12

Como Citar

SILVESTRE ESTELA, F. de M.; OLIVEIRA, A. F. de . Gestão de risco e preservação digital no contexto brasileiro : o estado da arte. Revista Brasileira de Preservação Digital, Campinas, SP, v. 3, n. 00, p. e022009, 2022. DOI: 10.20396/rebpred.v3i00.16586. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/rebpred/article/view/16586. Acesso em: 4 dez. 2022.