Caracterização de repositórios digitais Dataverse conforme o Modelo OAIS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rebpred.v3i00.16581

Palavras-chave:

Modelo OAIS, Repositórios digitais, Dataverse, Preservação digital

Resumo

Introdução: Na temática de padrões de modelagem de sistemas de arquivamento, especificamente OAIS (Open Archival Information System), parece correto afirmar que, por se tratar de um modelo abstrato e que não contempla nenhum tipo de implementação, vários desafios surgem quando se busca entender e visualizar sua aplicação prática. Assim, faz-se necessário situar no contexto do modelo OAIS uma solução tecnológica de repositórios digitais considerando aspectos referentes às suas políticas de gestão, acesso e uso além de possíveis processos de curadoria e preparação dos dados. Objetivo: Este estudo busca detalhar, com base nas entidades do modelo OAIS, os componentes essenciais de um repositório digital que utiliza o software Dataverse, responsáveis pela gestão do conteúdo digital armazenado. Metodologia: Análise qualitativa, pesquisa bibliográfica e documental.Resultados: Relação entre elementos que compõem o modelo OAIS, considerando o fluxo básico de ingestão, depósito, arquivamento e acesso aos dados, e os recursos do software Dataverse, especificações de funcionamento do repositório e ações de curadoria, acesso e uso. Conclusão: Entende-se que são muitos os desafios ao se pensar no ecossistema da gestão de dados científicos. No entanto, considerar somente tecnologia não é suficiente ou garantia de que as recomendações dos padrões e modelos internacionais estão sendo seguidos. Fica evidente no modelo OAIS a importância da equipe gestora do repositório para além das funcionalidades oferecidas pelo software. Trazer o modelo OAIS para uma realidade prática parece favorecer seu entendimento, especialmente para os profissionais que estão na fase inicial de implementação de uma solução de gestão de dados científicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laura Vilela Rodrigues Rezende, Universidade Federal de Goiás

Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília. Professora da Universidade Federal de Goiás (Goiânia, GO - Brasil).

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR15472. Sistemas espaciais de dados e informação – modelo de referência para um sistema aberto de arquivamento de informação (SAAI). Rio de Janeiro: ABNT, 2007. 95 p.

DATAVERSE PROJECT. About Dataverse Project. Disponível em: https://dataverse.org/about . Acesso: 26 maio 2022.

GALVINO, C. C. T.; ROSA, M. N. B.; OLIVEIRA, B. M. J. F. de. O movimento de Acesso Aberto e a Ciência Aberta: uma proposta de repositório de dados e memória na Universidade Federal de Alagoas. Ci. Inf. Rev., Maceió, v. 7, n. 1, p. 34-45, jan./abr. 2020.

GO-FAIR. FAIR Principles. Disponível em: https://www.go-fair.org/fair-principles/ . Acesso em 23 maio 2022.

MÁRDERO ARELLANO, M. A. Preservação de documentos digitais. Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n. 2, p. 15-27, 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ci/a/FLfgJvpH3PZKf3HbpKYchZr/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 25 maio 2022.

ROCHA, R. P. da et al. Relatório de acesso aberto a dados de pesquisa no Brasil: soluções tecnológicas. Porto Alegre, RS: UFRGS, 2018. 75 p. Disponível em:https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/185126/001082284.pdf?sequence=1&isAllowed=y . Acesso em: 26 maio 2022.

SAYÃO, L. F. Uma outra face dos metadados: informações para a gestão da preservação digital. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 15, n. 30, p. 1-31, 2010. Disponível em : https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2010v15n30p1/19527. Acesso em: 24 maio 2022.

WILKINSON, M. D. et al. The FAIR Guiding Principles for scientific data management and stewardship. Scientific data, v. 3, n. 1, p. 1-9, 2016.

correntes

Publicado

2012-07-12

Como Citar

REZENDE, L. V. R. Caracterização de repositórios digitais Dataverse conforme o Modelo OAIS. Revista Brasileira de Preservação Digital, Campinas, SP, v. 3, n. 00, p. e022011, 2012. DOI: 10.20396/rebpred.v3i00.16581. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/rebpred/article/view/16581. Acesso em: 4 dez. 2022.