Nossas mãos são sagradas
Na imagem, a margem esquerda contém informações bibliográficas da revista, enquanto no centro superior encontra-se o logotipo. Abaixo do logotipo, há um desenho rabiscado com quatro pessoas parcialmente sobrepostas, cada uma com poses diferentes das mãos: duas com as mãos próximas ao peito, uma cobrindo os ouvidos mais ao fundo e outra puxando a cabeça para a direita.
PDF

Palavras-chave

Parteiras tradicionais
Patrimônio
Saberes
Pankararu

Como Citar

MELO, Júlia Morim de. Nossas mãos são sagradas. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 13, p. e023011, 2024. DOI: 10.20396/proa.v13i00.18220. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/18220. Acesso em: 21 abr. 2024.

Resumo

Para as mulheres do povo Pankararu, no sertão de Pernambuco, ser parteira e trazer novas vidas ao mundo por suas mãos envolve dom, coragem, respeito, conhecimento, ancestralidade. A parteira, cujo saber é transmitido por meio da oralidade, entre gerações, é responsável por ajudar outras mulheres a trazer novos membros de seu povo para a vida, colaborando com a manutenção das tradições e modos de ser e estar no mundo. Em setembro de 2019, na casa de Mãe Dôra, parteiras e aprendizes se encontraram para a elaboração de um mural. “Nossas mãos são sagradas” acompanha esse encontro, no qual os sentidos, os significados, as relações estabelecidas e os elementos que constituem esse ofício são revelados.

https://doi.org/10.20396/proa.v13i00.18220
PDF

Referências

FAVRET-SAADA, Jeanne. Ser afetado. Tradução Paula Siqueira. Cadernos de Campo, n. 13, p. 155–161, 2005.

INGOLD, Tim. Da transmissão de representações à educação da atenção. Revista Educação, v. 33, n. 1, 30 abr. 2010.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Júlia Morim de Melo

Downloads

Não há dados estatísticos.