Até quando Brasil?
Uma foto de pés descalços com adornos de conchas nos tornozelos em meio a areia, com a marca da revista exibida na parte inferior central da imagem.
PDF

Palavras-chave

Ensino superior em música
Decolonialidade
Formação musical

Como Citar

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva. Até quando Brasil? perspectivas decoloniais para (re)pensar o ensino superior em música. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 10, n. 1, p. 153–199, 2020. DOI: 10.20396/proa.v10i1.17611. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/17611. Acesso em: 13 jul. 2024.

Resumo

A música no Brasil foi institucionalizada a partir de um intenso processo de colonização. Esse fato fez com que os currículos, conteúdos, objetivos e abordagens metodológicas, além de outros aspectos relacionados ao ensino e aprendizagem formal de música no país, fossem historicamente baseados em estratégias criadas para o ensino da música erudita ocidental do passado. Considerando tal contexto, este trabalho analisa a atual realidade da colonialidade na educação superior brasileira e propõe estratégias para, a partir desse panorama, incorporar perspectivas decoloniais para o ensino de música. As discussões aqui realizadas têm como suporte uma pesquisa qualitativa que contemplou vinte importantes universidades do país na área de música, considerando na seleção dessas instituições, entre outros critérios, as singularidades de cada região brasileira. Os dados foram coletados a partir de pesquisa documental que proporcionou o acesso tanto aos projetos pedagógicos das universidades estudadas quanto a um conjunto vasto de documentos relacionados às propostas e estratégias de ensino de música nessas instituições. Os resultados mostraram que ainda há fortes traços de colonialidade nos cursos de graduação em música atualmente, com um amplo domínio da música erudita ocidental e a reprodução do modelo disciplinar como única alternativa de organização dos currículos. Fundamentado nas bases teóricas e nos dados empíricos analisados neste estudo, o texto apresenta diretrizes para pensar e implementar estratégias decoloniais para o ensino e aprendizagem da música na educação superior do Brasil. As reflexões apresentadas consideram que é preciso trabalhar brechas e rupturas decoloniais, principalmente por meio da ampliação dos conhecimentos musicais abordados e da incorporação de novas estratégias curriculares relacionadas às singularidades da música no país.

https://doi.org/10.20396/proa.v10i1.17611
PDF

Referências

ALGE, Barbara. Música nos tempos coloniais: um olhar a partir da prática musical em Minas Gerais hoje. Música em Contexto, n. 1, p. 143-171, 2017.

ALMEIDA, Renato. História da música brasileira. Rio de Janeiro: F. Briguiet e Comp. Edito-res, 1926.

ALVARENGA, Oneyda. Música popular brasileira. Porto Alegre: Globo, 1982.

AMARAL, Paulo Murilo Guerreiro Do. Estigma e cosmopolitismo na constituição de uma música popular urbana de periferia: etnografia da produção do tecnobrega em Belém do Pará. 2009. 245 f. Tese (Doutorado em Música - Área de concentração: Musicologia/Etnomu-sicologia) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/17305. Acesso em: 29 set. 2019.

AMORIM, Humberto. O ensino de música nas primeiras décadas do Brasil oitocentista (1808-1822). Opus, v. 23, n. 3, p. 43–66, 2017. Disponível em: http://www.anppom.com.br/revista/index.php/opus/article/view/opus2017c2303/459. Acesso em: 05 jan. 2020.

ANDRADE, Mário. As danças dramáticas do Brasil. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1959a. v. 1.

ANDRADE, Mário. As danças dramáticas do Brasil. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1959b. v. 2.

ANDRADE, Mário. As danças dramáticas do Brasil. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1959c. v. 3.

ANDRADE, Mário. Aspectos da música brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991.

ANDRADE, Mário. Compêndio sobre a música brasileira. 2. ed. São Paulo: Chiarato, 1929.

ANDRADE, Mário. Ensaio sobre a música brasileira(1928). 3. ed. São Paulo, Brasília: Vila Rica, INL., 1972.

ANDRADE, Mário. Música do Brasil. Curitiba: Guaíra, 1941.

ANDRADE, Mário. Os cocos. 2. ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 2002. (Coleção Reconquista do Brasil, 2asérie, 228. Edição comemorativa dos 80 anos da Semana de Arte Moderna).

ARAÚJO, Samuel. Etnomusicologia e debate público sobre a música no Brasil hoje: polifonia ou cacofonia? Publicação de artigo vinculada ao projeto de pesquisa Música e memória na luta pela cidadania; uma etnografia participativa na Maré, Rio de Janeiro. Música e Cultura: Revista da Associação Brasileira de Etnomusicologia, v. 6, p. 17-27, 2011. Disponível em: http://www.abet.mus.br/revista-2/. Acesso em: 22 fev. 2020.

ARAÚJO, Samuel; MEMBROS DO GRUPO MUSICULTURA. A violência como conceito na pesquisa musical; reflexões sobre uma experiência dialógica na Maré, Rio de Janeiro. TRANS: Revista Transcultural de Música, n. 10, 2006. Disponível em: https://www.sibetrans.com/trans/articulo/148/a-violencia-como-conceito-na-pesquisa-musical-reflexoes-sobre-uma-ex-periencia-dialogica-na-mare-rio-de-janeiro. Acesso em: 24 nov. 2019.

LUCAS, Maria Elizabeth; ARROYO, Margarete; STEIN, Marília; PRASS, Luciana. Entre conga-deiros e sambistas: etnopedagogias musicais em contextos populares de tradição afro-brasilei-ra. Revista da FUNDARTE, n. 3, p. 4–20, 2003. Disponível em: http://seer.fundarte.rs.gov.br/index.php/RevistadaFundarte/issue/viewIssue/13/33. Acesso em: 22 fev. 2020.

ARROYO, Margarete. Representações sociais sobre práticas de ensino e aprendizagem musical: um estudo etnográfico entre congadeiros, professores e estudantes de música. 1999. 360 f. Tese (Doutorado em Música - Área de Concentração: Educação musical – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/15025. Acesso em: 22 fev. 2020.

AUGUSTO, Antonio. A civilização como missão: o Conservatório de Música no Império do Brasil. Revista Brasileira de Música, v. 23, n. 1, p. 67-91, 2010. Disponível em: https://revis-tas.ufrj.br/index.php/rbm/article/view/29355/16497. Acesso em: 11 jul. 2019.

AVVAD, Ana Paula da Matta Machado. A influência das peças de caráter do romantismo em obras para piano de Carlos Gomes, Leopoldo Miguéz, Henrique Oswald, Alexandre Levy e Alberto Nepomuceno. 2009. Tese (Doutorado em Música) – Programa de Pós-Gradu-ação em Música, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: http://www.repositorio-bc.unirio.br:8080/xmlui/handle/unirio/11473. Acesso em: 20 fev. 2020.

AYALA, Maria Ignez Novais; AYALA, Marcos (Org.). Cocos: alegria e devoção. Natal: EDU-FRN, 2000.

AZEVEDO, Luiz Heitor Corrêa de. 150 anos de música no Brasil (1800-1950). Rio de Janeiro: José Olympio, 1956. BAIA, Silvano Fernandes. A historiografia da música popular no Brasil (1971-1999). 2010. 278 f. Tese (Doutorado em História Social) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-14022011-115953/pt-br.php. Acesso em: 29 fev. 2020.

BAIA, Silvano Fernandes. A linhagem samba-bossa-MPB: obre a construção de um discurso de tradição da música popular brasileira. Per Musi, n. 29, p. 154-168, jun. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pi-d=S1517-75992014000100016&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 1 mar. 2020.

BEHRMAN, Simon. From revolution to irrelevance: how classical music lost its audience. In-ternational Socialism – A quarterly review of socialist theory, n. 121, 2009. Disponível em: https://isj.org.uk/from-revolution-to-irrelevance-how-classical-music-lost-its-audience/. Acesso em: 20 fev. 2020.

BEINEKE, Viviane. A composição no ensino de música: perspectivas de pesquisa e tendências atuais. Revista da ABEM, v. 16, n. 20, p. 19-32, 13 abr. 2014. Disponível em: http://www.abe-educacaomusical.com.br/revistas/revistaabem/index.php/revistaabem/article/view/245. Acesso em: 24 fev. 2020.

BENNETT, Roy. Uma breve história da música. Rio de Janeiro: Zahar, 1986.

BOFFI, Guido. História da música clássica. São Paulo: Edições 70, 2006.

BONFIM, Camila Carrascoza. A música orquestral, a metrópole e o mercado de trabalho: o declínio das orquestras profissionais subsidiadas por organismos públicos na Região Metropolitana de São Paulo de 2000 a 2016. 2017. 423 f. Tese de Doutorado – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/hand-le/11449/151581. Acesso em: 19 fev. 2020.

BONILLA, Heraclio (Org.). Los conquistados: 1492 y la población indígena de las Américas. Santafé de Bogotá: Tercer Mundo Editores, 1992.

BOWEN, Chris. Trends in classical music attendances. Disponível em: http://musicinaus-tralia.org.au/index.php?title=Trends_in_classical_music_attendances. Acesso em: 29 fev. 2020.

BOWMAN, Wayne. Who is the “We”? Rethinking Professionalism in Music Education. Ac-tion, Criticism, and Theory for Music Education, v. 6, n. 4, p. 109-131, 2007. Disponível em: http://act.maydaygroup.org/articles/Bowman6_4.pdf. Acesso em: 25 nov. 2019.

BRASIL. Decreto no 19.852, de 11 de abril de 1931.Dispõe sobre a organização da Universidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 1931. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-19852-11-abril-1931-510363-republicacao-85622-pe.html. Acesso em: 1 mar. 2019.

BRASIL. Decreto no 238, de 27 de novembro de 1841. Concede á Sociedade de Musica des-ta Côrte duas Loterias annuaes por espaço de oito annos, para o fim de estabelecer nesta mesma Côrte hum Conservatorio de Musica. Rio de Janeiro, 1841. Disponível em: https://www.diariodasleis.com.br/legislacao/federal/202242-concede-u-sociedade-de-musica-des-ta-curte-duas-loterias-annuaes-por-espauo-de-oito-annos-para-o-fim-de-estabelecer-nesta--mesma-curte-um-conservatorio-de-musica.html. Acesso em: 24 fev. 2020.

BRASIL. Decreto no 496, de 21 de janeiro de 1847. Estabelece as bases, segundo os quaes se deve fundar nesta Côrte hum Conservatorio de Musica, na Conformidade do Decreto N.o238 de 27 de Novembro de 1841.Rio de Janeiro, 1847. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-496-21-janeiro-1847-560284-publicacaooriginal--83004-pe.html. Acesso em: 24 fev. 2020.

BRITO, Teca Alencar De. Koellreutter educador: o humano como objetivo da educação musical. São Paulo: Petrópolis, 2001.

CALABRE, Lia. A era do rádio. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

CAMPBELL, Patricia Shehan; BANKS, James A. Music, education, and diversity: bridging cultures and communities. New York, NY: Teachers College Press, 2018.

CAMPBELL, Patricia Shehan; MYERS, David; SARATH, E. (Org.). Transforming music study from its foundations: a manifesto for progressive change in the undergraduate preparation of music majors (report of the task force on the undergraduate music major). Missoula: The College Music Society. Disponível em: https://www.music.org/pdf/pubs/tfumm/TFUMM.pdf. Acesso em: 30 nov. 2019.

CANDÉ, Roland de. História universal da música. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001. v. 1. Disponível em: https://www.livroselivros.com.br/catalogo/produto/68161/HISTORIA-U-NIVERSAL-DA-MUSICA-V-1. Acesso em: 25 fev. 2020.

CANDÉ, Roland de. História universal da música. Porto: Edições Afrontamento, 2005. v. 2.

CARPEAUX, Otto Maria. Livro de ouro da história da música. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001.

CASTAGNA, Paulo. Avanços e perspectivas na musicologia histórica brasileira. Revista do Conservatório de Música da UFPel, v. 1, p. 32–57, 2008. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/RCM/article/view/2431/2282. Acesso em: 20 fev. 2020.

CASTAGNA, Paulo. Música na América Portuguesa. In: MORAES, J. G. V.; SALIBA, E. T. (Org.). História e música no Brasil. São Paulo: Alameda, 2010. p. 35–76. Disponível em: https://archive.org/details/MusicaNaAmericaPortuguesa/mode/2up. Acesso em: 19 fev. 2020.

CASTAGNA, Paulo. Raízes da crise no ensino de história da música: o caso de São Paulo. In: VERMES, Mónica; HOLLER, Marcos Tadeu (Org.). Perspectivas para o ensino e pesquisa em história da música na contemporaneidade. São Paulo: ANPPOM, 2019. p. 9–58. Disponível em: http://www.anppom.com.br/ebooks/index.php/pmb/catalog/view/31/11/130-1. Acesso em: 24 fev. 2020.

CHAVES, Suiá Omim A. C. Carnaval em Terras de Caboclo: uma etnografia sobre maracatu de baque solto. 2008. 114 f. Dissertação (Mestrado em Dissertação (Mestrado em Antropologia Social – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: http://livros01.livrosgratis.com.br/cp059856.pdf. Acesso em: 24 fev. 2020.

CLEMENTE, Marta Sanchis. Aprendendo música como Tupinambá: estudo sobre os pro-cessos de transmissão musical numa tribo indígena carnavalesca no bairro Mandacaru de João Pessoa. 2013. 159 f. Dissertação (Mestrado em Música - Área de concentração: Etnomu-sicologia) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2013. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/6617. Acesso em: 22 fev. 2020.

COUTO, Ana Carolina Nunes. Repensando o ensino de música universitário brasileiro: breve análise de uma trajetória de ganhos e perdas. Opus, v. 20, n. 1, p. 233–256, 2014. Disponível em: http://www.anppom.com.br/revista/index.php/opus/article/view/111. Acesso em: 30 nov. 2019.DEMO, Pedro. Pesquisa: princípio científico e educativo. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2017.

EDITORS OF ENCYCLOPAEDIA BRITANNICA. Conservatory | musical institution. Dis-ponível em: https://www.britannica.com/art/conservatory-musical-institution. Acesso em: 19 fev. 2020.

EGG, André Acastro. O debate no campo do nacionalismo musical no brasil dos anos 1940 e 1950: o compositor Guerra Peixe. 2004. 243 f. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2004. Dispo-nível em: https://www.acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/32773/R%20-%20D%20-%20ANDRE%20ACASTRO%20EGG.pdf ?sequence=1. Acesso em: 22 fev. 2020.

FRANÇA, Cecília Cavalieri; SWANWICK, Keith. Composição, apreciação e performance na educação musical: teoria, pesquisa e prática. Em Pauta, v. 13, n. 21, p. 5–41, 2002. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/EmPauta/article/view/8526. Acesso em: 24 fev. 2020.

FRANCESCHI, Humberto. A Casa Edison e seu tempo. Rio de Janeiro: Biscoito Fino, 2002.

FREEMAN, Robert. The crisis of classical music in America: lessons from a life in the edu-cation of musicians. Lanham, Maryland: Rowman & Littlefield, 2014.

FRUNGILLO, Mário David. Nacionalismo musical e brasilidade: uma revisão. 2014. 175 f. Tese (Doutorado em Música) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), São Paulo, 2014. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/108806/000772078.pdf ?sequence=1. Acesso em: 29 fev. 2020.

GANDHI, Mahatma. Young India Issue. Young India, New York, Jul 1921.

GARCIA, Rafael Marin da Silva. Lá no céu canta os anjo, aqui na terra canta nóis: um estudo etnográfico das práticas sócio-musicais dos foliões de reis no Sul de Minas Gerais. 2019. 371 f. Tese (Doutorado em Música) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/AAGS-B8YF4G. Acesso em: 29 fev. 2020.

GROUT, Donald J. História da música ocidental. Edição: 6. ed. Lisabon: Gradiva, 2014.

HIGA, Evandro. Polca paraguaia, guarânia e chamamé – estudos sobre três gêneros musicais em Campo Grande, MS. Campo Grande: Editora UFMS, 2010.

HOLLER, Marcos Tadeu. Uma história de cantares de Sion na terra dos brasis: a música na atuação dos jesuítas na América Portuguesa (1549-1759). 2006. 949 f. Tese de Doutorado – Universidade Estadual de Campina, Campinas, 2006. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/284801/1/Holler_MarcosTadeu_D.pdf. Acesso em: 20 fev. 2020.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Dossiê IPHAN 5: Jongo do Sudeste. Brasília: IPHAN, 2007. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uplo-ads/publicacao/PatImDos_jongo_m.pdf. Acesso em: 25 fev. 2020.

KINGSBURY, Henry. Music, talent and performance: a conservatory cultural system. Philadelphia: Ternple University Press, 1988.

KOELLREUTTER, Hans-Joachim. O espírito criador e o ensino pré-figurativo. In: KATER, C. (Org.). Educação Musical: Cadernos de Estudo no 6. São Paulo, Belo Horizonte: Atravez, EM-UFMG, FEA, 1997. p. 53–57. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1SvLRHo-G9E67jxHaPS7_J_leqshaklGlH/view. Acesso em: 24 fev. 2020.

KOLB, Bonita M. The effect of generational change on classical music concert attendance and orchestras’ responses in the UK and US. Cultural Trends, v. 11, n. 41, p. 1–35, 2001. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09548960109365147. Acesso em: 23 fev. 2020.

LOURENÇO, Mariane Lemos. Arte, cultura e política: o movimento hip hop e a constituição dos narradores urbanos. Psicologia para América Latina, n. 19, p. 0–0, 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pi-d=S1870-350X2010000100014&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 1 mar. 2020.

LUCAS, Glaura; QUEIROZ, Luis Ricardo Silva; PRASS, Luciana; RIBEIRO, Fábio Henrique; AREDES, Rubens de Oliveira. Afro-Brazilian musical cultures: perspectives for educational conceptions and practices in music. The World of Music, New Series. v. 5, n. 1, p. 135-158, 2016.

LUCAS, Glaura. Os sons do rosário. Belo Horizonte: EDUFMG, 2002. MAHLER FOUNDATION. History of the Conservatory of Viena. Disponível em: https://mahlerfoundation.org/en/mahler/plaatsen/austria/vienna/conservatory. Acesso em: 19 fev. 2020.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Org.). El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 127-167. Disponível em: http://ram-wan.net/restrepo/decolonial/17-maldonado--colonialidad%20del%20ser.pdf. Acesso em: 28 out. 2019.

MANGUEIRA, Estação Primeira. História pra ninar gente grande. Samba-henredo do carnaval de 2019 composto por Deivid Domênico; Tomaz Miranda; Mama; Marcio Bola; Ronie Oliveira; Danilo Firmino. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=7SObzDOug_A. Acesso em: 26 mar. 2019.

MARIVONE, Piana. Música e movimentos sociais: as marcas da simbologia religiosa no MST. 2009. Tese (Doutorado em Sociologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009. Disponível em: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/92916. Acesso em: 29 fev. 2020.

MATTOS, Fernando Lewis de. Pluralia Tantum: reflexões sobre a música contemporânea. Revista da FUNDARTE, v. 0, n. 32, p. 52-94, 2016. Disponível em: http://seer.fundarte.rs.gov.br/index.php/RevistadaFundarte/article/view/429. Acesso em: 1 mar. 2020.

MAUS, Fred Everett. Ethnomusicology, music curricula, and the centrality of classical music. College Music Symposium, v. 44, p. 58–67, 2004. Disponível em: https://www.jstor.org/sta-ble/40374489. Acesso em: 24 fev 2020.

MELLO, Maria Ignez Cruz. Música e mito entre os wauja do Alto Xingu. 1999. 2014 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1999. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/80830. Acesso em: 22 fev. 2020.

MELO, Guilherme Theodoro Pereira de. A música no Brasil: desde os tempos coloniais até o primeiro decênio da República. Salvador: Typographia de S. Joaquim, 1908.

MIGNOLO, Walter D. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 94, p. 1-18, 2017. Tradução Marco Oliveira. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v32n94/0102-6909-rbcsoc-3294022017.pdf. Acesso em: 19 fev. 2020.

MIGNOLO, Walter D. (Org.). Local histories/global designs in the twenty-first century. Princeton: Prin-ceton University Press, 2012a.

MIGNOLO, Walter D. Preface to the 2012 edition. In: MIGNOLO, W. D. (Org.). Local histories/global de-signs in the twenty-first century. Princeton: Princeton University Press, 2012b. p. ix-xxiii.

MILLS, Janet; PAYNTER, John (Org.). Thinking and making: selections from the writings of John Paynter on music in education. Oxford; New York: OUP Oxford, 2008.

MONTEIRO, Marianna F. M.; DIAS, Paulo. Os fios da trama: grandes temas da música popular tradicional brasileira. Estudos Avançados, v. 24, n. 69, p. 349-371, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pi-d=S0103-40142010000200022&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 1 mar. 2020.

MOORE, Robin. College music curricula for a new century. New York: Oxford Scholarship Online, 2017. MORAÑA, Mabel; DUSSEL, Enrique; JÁUREGUI, Carlos A. (Org.). Coloniality at Large: Latin America and the Postcolonial Debate. Durham: Duke University Press Books, 2008.

NEIVA, Tânia Mello. Mulheres brasileiras na música experimental: uma perspectiva feminista. 2018. 441 f. Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/16900. Acesso em: 1 mar. 2020.

NETTL, Bruno. Heartland excursions ethnomusicological reflections on schools of music. Urbana: University of Illinois Press, 1995.

NEVES, Jose Maria. Música contemporânea brasileira. 2. ed. Ri de Janeiro: Contracapa, 2008.

PECHMAN, Robert Moses. Cidades estreitamente vigiadas: o detetive e o urbanista. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002.

PEREIRA, Marcus Vinícius Medeiros. Licenciatura em música e habitus conservatorial: analisando o currículo. Revista da ABEM, v. 22, n. 32, p. 90-103 |, 3 jul. 2014. Disponível em: http://www.abemeducacaomusical.com.br/revistas/revistaabem/index.php/revistaabem/ar-ticle/view/464. Acesso em: 29 dez. 2019.

PITOMBEIRA, Liduino. Paradigmas para o ensino da composição musical nos séculos XX e XXI. Opus, v. 17, n. 1, p. 39-50, 27 maio 2011. Disponível em: http://www.anppom.com.br/revista/index.php/opus/article/view/209. Acesso em: 24 fev. 2020.

PRADO, Gustavo dos Santos. “O nascimento do morto”: punkzines, cólera e música popular brasileira. São Paulo: eManuscrito, 2019.

PRASS, Luciana. Maçambiques, Quicumbis e ensaios de promessa: um re-estudo etnomu-sicológico entre quilombolas do sul do Brasil. 2009. 313 f. Tese (Doutorado em Música - Área de concentração: Etnomusicologia) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/27854. Acesso em: 1 mar. 2020.

PRASS, Luciana. Saberes musicais em uma bateria de escola de samba. Porto Alegre: FAURGS, 2004.

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva. Cânones da educação superior em música no Brasil e faces da colonialidade no século XXI. In: XXIV CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MUSICAL, 2019, Campo Grande. Anais... Campo Grande: ABEM, 2019. Disponível em: http://abemeducacaomusical.com.br/anais_congresso/v3/index.html. Acesso em: 29 fev. 2020.

PRASS, Luciana. Educação musical e etnomusicologia: caminhos, fronteiras e diálogos. Opus, v. 16, n. 2, p. 113-130, 2010. Disponível em: http://www.anppom.com.br/revista/index.php/opus/article/view/221. Acesso em: 24 out. 2019.

PRASS, Luciana. Formação intercultural em música: perspectivas para uma pedagogia do conflito e a erradicação de epistemicídios musicais. InterMeio: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação - UFMS, v. 23, n. 45, p. 99-124, 2017a. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/intm/article/view/5076. Acesso em: 28 out. 2019.

PRASS, Luciana. Há diversidade(s) em música: reflexões para uma educação musical intercultural. In: SILVA, H. L. DA; ZILLE, J. A. B. (Org.). Música e educação. Série Diálogos com o Som. Barbacena: EdUEMG, 2015. p. 197–215. Disponível em: http://educamusical.org/musica-e-edu-cacao-serie-dialogos-com-o-som/. Acesso em: 20 jan. 2020.

PRASS, Luciana. Performance musical nos Ternos de Catopês de Montes Claros. 2005. 236 f. (Doutorado em Música - Área de concentração: Etnomusicologia) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005. Disponível em: https://reposito-rio.ufba.br/ri/handle/ri/9099. Acesso em: 20 fev. 2020.

PRASS, Luciana. Traços de colonialidade na educação superior em música do Brasil: análises a partir de uma trajetória de epistemicídios musicais e exclusões. Revista da ABEM, v. 25, n. 39, p. 132-159, 2017b. Disponível em: http://www.abemeducacaomusical.com.br/revistas/revista-abem/index.php/revistaabem/article/download/726/501. Acesso em: 20 jan. 2020.

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva; FIGUEIREDO, Sergio. The World Declaration on Higher Education for the Twenty-First Century’ and perspectives for Music Education in Brazil. In: IN-TERNATIONAL SEMINAR OF THE ISME COMMISSION ON RESEARCH, 2016, London. Proceedings... London: International Music Education Research Centre (iMerc) Press, 2016. p. 205-213.

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva; MARINHO, Vanildo Mousinho. Educação musical e etnomu-sicologia: lentes interpretativas para a compreensão da formação musical na cultura popular. Opus, v. 23, n. 2, p. 62-88, 2017. Disponível em: http://www.anppom.com.br/revista/index.php/opus/article/view/477. Acesso em: 24 out. 2019.

QUIJANO, Anibal. Coloniality and modernity/rationality. Cultural Studies, v. 21, n. 2-3, p. 168-178, 2007. Disponível em: ttps://doi.org/10.1080/09502380601164353. Acesso em: 28 out. 2019.

QUIJANO, Anibal. Coloniality and modernity/rationality. In: MIGNOLO, W. D.; ESCOBAR, A. (Org.). Globalization and the decolonial option. New York: Routledge, 2010. p. 22-32.

RAMALHO, Anderson Pereira. Loas, tambores e gonguês: a interculturalidade do maracatu de baque virado pernambucano, na perspectiva de uma educação para a igualdade racial. 2016. 135 f. Tese (Doutorado em Educação, Cultura e Identidades) – Programa de Pós-Graduação Associado em Educação, Culturas e Identidades) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, Fundação Joaquim Nabuco, Recife, 2016. Disponível em: http://www.tede2.ufrpe.br:8080/tede2/handle/tede2/7616. Acesso em: 26 fev. 2020.

REILY, Suzel. Voices of the magi: enchanted journeys in Southeast Brazil. Chicago: University of Chicago Press, 2002.

RIBEIRO, Hugo. Da fúria `a melancolia: dinâmica das identidades na cena rock under-ground de Aracaju. Aracajú: Editora UFS, 2010.

SANDRONI, Carlos. Feitiço decente: transformações do samba no Rio de Janeiro (1917-1933). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, Editora UFRJ, 2001.

SANDRONI, Carlos. Samba de roda, patrimônio imaterial da humanidade. Estudos Avançados, v. 24, n. 69, p. 373–388, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?scrip-t=sci_arttext&pid=S0103-40142010000200023&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 fev. 2020.

SANTOS, Climério de Oliveira. O grito de guerra dos cabocolinhos: etnografia da performance musical da Tribo Canindé. 2008. Dissertação (Mestrado em Dissertação (Mestrado em Música, Área de Concentração: Etnomusicologia) – Programa de Pós-Graduação em Mú-sica, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2008.

SANTOS, Climério de Oliveira. Forró desordeiro: para além da bipolarização “pé de serra versus eletrônico”. 2014. 309 f. Tese (Doutorado em Música) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://www.repositorio-bc.unirio.br:8080/xmlui/handle/unirio/11234?show=full. Acesso em: 29 fev. 2020.

SCHAFER, R. Murray. O ouvido pensante. Tradução Marisa Trench de O. Fonterrada; Magda R. Gomes Da Silva; Maria Lúcia Pascoal. 2. ed. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

SCOTT, Ridley (Dir.). Blade Runner. New York: Warner Brothers, 1982.

SEEGER, Anthony. Porque cantam os Kisêdjê. São Paulo: Cosac Nayf, 2015.

SELF, George. New sounds in class. London: Universal Edition, 1967.

SOARES, Eliel Almeida. O emprego da retórica na música colonial brasileira. 2017. 534 f. Tese (Doutorado em Música) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade de São Paulo., São Paulo, 2017. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27157/tde-07072017-141033/publico/ELIELALMEIDASOARESVC.pdf. Acesso em: 24 fev. 2020.

SOLER, Luis. Para uma reformulação do ensino musical em nível universitário. Estudos Universitários - Revista de Cultura, v. 10, n. 3/4, p. 5-25, 1970.

SOTUYO BLANCO, Pablo. Modelos pré-composicionais nas Lamentações de Jeremias no Brasil. 2003. 397 f. Tese (Doutorado em Música - Área de Concentração: Musicologia) – Pro-grama de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2003. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/9096. Acesso em: 22 fev. 2020.

STEIN, Marilia Raquel Albornoz; TETTAMANZY, Ana Lucia Liberato; KUBO, Rumi Regina; PRASS, Luciana. A interdisciplina Encontro de Saberes/UFRGS como proposta investigati-va-metodológica. In: REACT - REUNIÃO DE ANTROPOLOGIA DA CIÊNCIAS E TEC-NOLOGIA, 2019, Florianópolis. Anais... Florianópolis: [s.n.], 2019. p. 1–21. Disponível em: https://ocs.ige.unicamp.br/ojs/react/article/download/2719/2537. Acesso em: 29 fev. 2020.

STEIN, Marilia Raquel Albornoz. Kyringüé mboraí: os cantos das crianças e a cosmo-sônica Mbyá-Guarani. 2009. 309 f. Tese (Doutorado em Música - Área de concentração: Etnomusi-cologia) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/17304. Acesso em: 22 fev. 2020.

TONI, Flávia Camargo. Música popular brasileira na vitrola de Mário de Andrade. Edição: 2 ed. São Paulo: Senac São Paulo, 1998.

TUGNY, Rosângela Pereira de. Cantos e histórias do Gavião-Espírito e do Hemex. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2009a.

TUGNY, Rosângela Pereira de. Cantos e histórias do Morcego-Espírito e do Hemex. Rio de Janeiro: Azougue Edi-torial, 2009b.

TUGNY, Rosângela Pereira de. Cantos Tikmu’um: para abrir o mundo. Rio de Janeiro: EDUFMG, 2013.

TUGNY, Rosângela Pereira de; QUEIROZ, Ruben Caixeta De (Org.). Músicas africanas e indígenas no Brasil. Belo Horizonte: EDUFMG, 2006.

TUGNY, Rosângela Pereira de; ROSSE, L. P.; GUIMARAES, P. C. Escolas de música e interculturalidade: professores Maxakali na UFMG. In: ENCONTRO DOS ANTROPÓLOGOS DO NORTE E NORDESTE, 2003, São Luis do Maranhão. Anais... São Luis do Maranhão: ABANNE, UFMA, 2003.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Graduação em Música | Instituto de Ar-tes. Disponível em: https://www.iar.unicamp.br/graduacao-em-musica/. Acesso em: 29 fev. 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Curso de Bacharelado em Música - Projeto Pedagógico (minuta). Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: https://musica.ufrj.br/images/pdf/bacharelado.pdf. Acesso em: 24 fev. 2020.

VALENTE, Paula Veneziano. Transformações do choro no século XXI: estruturas, performance e improvisação. 2014. 343 f. Tese (Doutorado em Música, Área de Concentração: Processos de Criação Musical – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27158/tde-05112014-093131/pt-br.php. Acesso em: 29 fev. 2020.

VASCONCELOS, António. A educação para a criatividade no ensino superior de música: o caso da formação de compositores. Medi@ções - Revista OnLine, v. Volume 2, n. 3, p. 67–84, 1 Jan 2014. Disponível em: http://mediacoes.ese.ips.pt/index.php/mediacoesonline/article/view/81. Acesso em: 23 fev. 2020.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Luis Ricardo Silva Queiroz

Downloads

Não há dados estatísticos.