Estéticas afrodiaspóricas no canto e na performance de cantoras negras brasileiras
PDF
Errata 1
Errata 2

Palavras-chave

Diáspora
Canto
Performance
Negro
Estética

Como Citar

CRUZ, Luciana; ANDRADA E SILVA, Marta Assumpção de. Estéticas afrodiaspóricas no canto e na performance de cantoras negras brasileiras. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 12, n. 00, p. e022011, 2022. DOI: 10.20396/proa.v12i00.17361. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/17361. Acesso em: 21 maio. 2024.

Resumo

O presente artigo busca compreender como cantoras negras da cena atual da música brasileira articulam canto e performance, dentro de uma perspectiva afrodiaspórica. Foram realizadas entrevistas com as cantoras Ellen Oléria, Luedji Luna, Preta Rara e Xênia França, que vêm se destacando no cenário atual da música brasileira. O intuito é compreender como o canto e a performance de cada uma das cantoras se relacionam com as estéticas negras e como esse aspecto vem contribuindo para a construção de novas narrativas e para uma maior força em suas expressões artísticas como cantoras e mulheres negras.

https://doi.org/10.20396/proa.v12i00.17361
PDF
Errata 1
Errata 2

Referências

ANDRADA E SILVA, Marta Assumpção. Expressividade no canto. In: Kyrillos, L. R. (organizador). Expressividade, da teoria à prática. Rio de Janeiro: Revinter, 2005, p. 91-104.

ANDRADA E SILVA, Marta Assumpção; DUPRAT, André. Voz Cantada. In: FERNANDES, F. D. M.; MENDES, B. C. A.; NAVAS, A. L. P. G. P. (organizadores). Tratado de Fonoaudiologia. 2. ed. São Paulo: ROCA, 2010, p. 770-79.

ANDRADA E SILVA, Marta Assumpção et al. In: OLIVEIRA, I. B. et al. (organizadores). Atuação fonoaudiológica em voz profissional. São Paulo: GEN/Roca, 2011, p. 141-57.

BUROCCO, Laura. Afrofuturismo e o devir negro no mundo. Revista do PPGAV/EBA/UFRJ, Rio de Janeiro, n. 38, p. 49-59, jul. 2019.

COLLINS, Patricia Hill. Se perdeu na tradução? Feminismo negro, interseccionalidade e política emancipatória. Revista Parágrafo, v. 5, n. 1, 2017.

DAVINI, Silvia. Voz e palavra – música e ato. In: Palavra cantada: ensaios sobre poesia, música e voz. MATOS, Cláudia Neiva; TRAVASSOS, Elizabet; MEDEIROS, Fernanda Teixeira de (org). Rio de Janeiro: 7 letras, 2008.

DELAZZERI, Paola Menegat. A voz no blues: identidade, questões de gênero e racialização. Revista Orfeu, v. 3, n. 2, p. 72-95, 2018.

DUARTE JÚNIOR, João Francisco. O sentido dos sentidos: A educação (do) sensível. 2003. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2003.

FREITAS, Débora. Educação musical formal, não-formal e informal: um estudo sobre processos de ensino da música nas igrejas evangélicas do Rio de Janeiro. 2008. Monografia (Licenciatura em Música) – Centro de Letras e Artes, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de janeiro, 2008.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. Rio de Janeiro: Editora 34, 2019.

GUERREIRO, Goli. A Trama dos Tambores. Salvador: Editora 34, 2000.

GUERREIRO, Goli. Terceira Diáspora: culturas negras no mundo Atlântico. Salvador: Corrupio, 2010.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidade e mediações culturais. Belo Horizonte; Brasília: UFMG; representação Unesco, 2003.

HALL, Stuart. Diáspora ou a lógica da tradução cultural. Revista Matrizes, v. 10, n. 3, p. 47-58, 2016.

IROBI, Esiaba. O que eles trouxeram consigo: carnaval e persistência da performance estética africana na diáspora. Projeto História, v. 44, p. 273-93, jun. 2012.

JESUS, Rafaela Francisco de. A Performance negra de Victoria Santa Cruz e suas reverberações na construção de escrevivências e feminismos negros. 2020. Dissertação (Mestrado em Performances Culturais) – Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Federal de Goiás, Goiás, 2020.

KI ZERBO, Joseph. História Geral da África. Brasília: Unesco, 2010.

LIGIÉRO, Z. (organizado). Performance e Antropologia de Richard Schechner [tradução de Augusto rodrigues da Silva Júnior]. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012.

MARTINS, Leda Maria. Afrografias da memória: O Reinado do Rosário no Jatobá. São Paulo: Perspectiva, 1997.

MESSINA, Marcelo et al. Música experimental, técnicas estendidas e práticas criativas como ferramentas decoloniais: um relato de várias torções e tensões. PROA: Revista de Antropologia e Arte, v. 1, n. 10, p. 101-21, jan.-jun., 2020.

MOSQUETTA, Pedro Henrique; VIEIRA, Jorge. Música na era do streaming. Revista Sociologias, ano 20, n. 49, p. 258-292, set.-dez., 2018.

OLIVEIRA, Janaína Pimenta. A voz do negro. 1999. Monografia (Especialização em voz) – Centro de Especialização em Voz, Salvador, 1999.

QUEIROZ, Luiz Ricardo Silva. Até quando Brasil? Perspectivas decoloniais para (re)pensar o ensino superior em música. PROA: Revista de Antropologia e Arte, v. 1, n. 10, p. 153-99, jan.-jun., 2020.

SANTOS, Boaventura de Souza. Um discurso sobre as ciências na transição para uma ciência moderna. Estudos Avançados 2(2), 46-71, 1988.

SILVA, Luciane. Corpo em diáspora: colonialidade, pedagogia de dança e técnica Germaine Acgony. 2017. Tese (Doutorado em Artes da Cena) – Instituto de Artes, Universidade de Campinas, São Paulo, 2017.

SODRÉ, Muniz. O Terreiro e a Cidade. A forma social negro-brasileira. Rio de Janeiro: Mauad, 2019.

VÁSQUEZ, Adolfo Sànchez. Convite à estética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

VILLAS, Paula. Vozes entre festas: a performance vocal, da etnografia à cena. In: MATOS, Cláudia N.; TRAVASSOS, E.; MEDEIROS, F. T. (organizadores). Palavra cantada: ensaios sobre poesia, música e voz. Rio de Janeiro: 7 letras; 2008.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Proa: Revista de Antropologia e Arte

Downloads

Não há dados estatísticos.