Os indígenas no spray de Cranio e Raiz
PDF
Errata

Palavras-chave

Graffiti
Indígena
Comunicação
Agência
Imagem

Como Citar

SILVA, Adriano Alves da; DEMARCHI, André Luis Campanha. Os indígenas no spray de Cranio e Raiz: graffiti, comunicação e antropologia da arte. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 12, n. 00, p. e022010, 2022. DOI: 10.20396/proa.v12i00.17360. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/17360. Acesso em: 21 abr. 2024.

Resumo

Este artigo visa analisar as imagens indígenas presentes nos graffitis de dois artistas brasileiros contemporâneos, Cranio e Raiz, respectivamente. Trata-se de compreender, sobretudo, como os dois artistas em questão tratam de modo distinto os povos indígenas em sua produção imagética nas cidades, e os possíveis desdobramentos destas produções. Por um lado, Cranio apresenta a contraintuitividade das imagens a partir da construção de um personagem indígena híbrido. Raiz, por outro lado, constrói seus personagens indígenas marcando as diferenças étnicas e culturais. Em ambos os casos, trazem a discussão sobre o lugar do sujeito indígena na sociedade, contrariando o apagamento ideológico.

https://doi.org/10.20396/proa.v12i00.17360
PDF
Errata

Referências

BARTHES, Roland. A Câmara Clara: nota sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BAUER, Martin; GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Editora Vozes Limitada, 2017.

BAUMAN, Zygmunt. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro, 2001.

BELTING, Hans. Imagem, mídia e corpo: uma nova abordagem à iconologia. Revista Ghrebh , v. 1, n. 8, p. 32-60, 2006.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 7 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974.

CANEVACCI, Massimo. A cidade polifônica: ensaio sobre antropologia da comunicação urbana. São Paulo: Studio Nobel, 1993.

COURTINE. Jean-Jacques. Os deslizamentos do espetáculo político. In: GREGOLIN, Maria do Rosário (Org.). Discurso e mídia: a cultura do espetáculo. São Carlos (SP): Editora Claraluz, 2003. p. 21-34. 2003.

COURTINE. Jean-Jacques. Discurso, história e arqueologia. (Entrevista). In: MILANEZ, Nilton.; GASPAR, Rodrigo. (Ed.). A (des)ordem do discurso. São Paulo: Contexto, 2010. p. 17-30.

COURTINE. Jean-Jacques. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos (SP): EdufScar, 2009. 250 p.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Etnicidade: da cultura residual mas irredutível. Revista de cultura e política, v. 1, n. 1, p. 35-39, 1986.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Tradução de Luiz Orlandi e Roberto Machado. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia (1972). Lisboa: Assírio & Alvim. 2004.

DEMARCHI, André. Armadilhas, Quimeras e Caminhos: três abordagens da arte na antropologia contemporânea. Espaço Ameríndio, v. 3, p. 177-199, mar, 2013.

DEMARCHI, André. Índio não é preguiçoso! Algumas ideias equivocadas sobre o trabalho entre as populações indígenas. In: MOREIRA, Artemis. Anais da XVII Jornada do Trabalho, Porto Nacional, 2016.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Por uma genealogia do poder; organização e tradução de Roberto Machado. 13 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 1977.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

FOUCAULT, Michel. Outros espaços. In: FOUCAULT, Michel. Ditos & Escritos III. Estética: Literatura, pintura, música e cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.

FREIRE, José Ribamar Bessa. Cinco ideias equivocadas sobre o índio. Cenesch Revista do Centro de Estudos do Comportamento Humano, Manaus: v. 1, p. 17-33. 2002.

GELL, Alfred. Arte e agência: uma teoria antropológica. São Paulo: Ubu Editora, 2018.

GELL, Alfred. A rede de Vogel: armadilhas como obras de arte e obras de arte como armadilhas. Arte e Ensaios, v. 8, n. 8, p. 174-191, 2001.

GITAHY, Celso. O que é Graffiti. São Paulo: Brasiliense, 1999.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

LAGROU, Els. A fluidez da forma: arte, alteridade e agência em uma sociedade amazônica (Kaxinawa, Acre). Rio de Janeiro: Topbooks, 2007.

LEMOS, André; LÉVY, Pierre. O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010.

MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido pelo retrato do colonizador. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

MILANEZ, Nilton Correio, Intericonicidade: funcionamento discursivo da memória das imagens. Acta Scientiarum. Language and Culture [en linea] vol. 35 (Octubre-Diciembre), 2013.

PÊCHEUX, Michel. Discurso: Estrutura ou Acontecimento. São Paulo: Pontes, 1997.

PÊCHEUX, Michel et al. Papel de Memória. Trad. José Horta Nunes. Campinas, SP: Pontes, 1999.

ROSÁRIO, Lais. O grafite de Rai Campos: narrativas dos rituais indígenas. Monografia (Curso de Artes Visuais) Centro de Comunicação, Letras e Artes, Universidade Federal de Roraima, 2018.

SALLES, Cecília Almeida. Gesto inacabado: processo de criação artística. Annablume, 2011.

SALLES, Cecília Almeida. Redes da criação: a construção da obra de arte. Horizonte, 2016.

SEVERI, Carlo; LAGROU, Els (org.). Quimeras em diálogo: Grafismo e figuração na arte indígena. Editora 7Letras, 2018.

SILVA, Adriano. Os indígenas no spray de Cranio e Raiz: graffiti, comunicação e antropologia da arte. Dissertação de Mestrado (Comunicação e Sociedade). Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Sociedade, Universidade Federal do Tocantins, 2019.

SOUZA, Tânia Conceição Clemente de Souza. A análise do não verbal e os usos da imagem nos meios de comunicação. Revista Rua, Campinas, n º 7, 2001.

WALTY, Ivete Lara Camargos. Palavra e imagem: leituras cruzadas. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

YAMÃ, Yaguarê. Sehaypõri. Editora Peirópolis, 2007.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Proa: Revista de Antropologia e Arte

Downloads

Não há dados estatísticos.