Mokõi Kovoe

por trás das câmeras da Associação Cultural de Realizadores Indígenas (Ascuri)

Autores

  • Luiza Serber Universidade Estadual de Campinas
  • Eliel Benites Universidade Federal da Grande Dourados

DOI:

https://doi.org/10.20396/proa.v11i1.16657

Palavras-chave:

Cinema indígena, Cosmologia Kaiowá, Visualidades ameríndias

Resumo

Este relato descreve, em palavras e imagens, o processo de realização do filme “Mokõi Kovoe”, uma produção da Associação Cultural de Realizadores Indígenas (Ascuri) desenvolvida em comunidades do povo Kaiowá. Trata-se de uma breve história de como o mito de origem do pássaro sagrado Kovoe percorreu diferentes tempos, suportes, grafias e linguagens até expressar-se em cinema. O relato estrutura-se em torno de dois eixos: primeiro, o caráter comunitário desse processo de produção fílmica, proporcionando uma experiência de retomada do teko joja (jeito harmonioso de ser), depois, a relação entre este processo e o yvy rendy (mundo espiritual), sendo os ñanderu e as ñandesy (rezadores, xamãs, líderes espirituais) os principais guias e agenciadores dessa relação. Imersos em uma paisagem cosmológica em que distintos mundos são conectados por diferentes linguagens, as imagens e os sons do cinema da Ascuri – bem como os corpos-objetos que os produzem e guardam – se integram também como elementos atuantes neste campo de mediações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiza Serber, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda em Antropologia Social, Universidade Estadual de Campinas (SP/Brasil).

Eliel Benites, Universidade Federal da Grande Dourados

Doutor em Geografia, professor da Faculdade Intercultural Indígena (FAIND), Universidade Federal da Grande Dourados (MS/Brasil).

Referências

BENITES, Eliel. Oguata Pyahu (Uma nova caminhada) no processo de desconstrução e construção da educação escolar indígena da Reserva Indígena Te’ýikue. 2014. 165 f. Dissertação (Mestrado em Educação), Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Católica Dom Bosco, 2014.

BENITES, Eliel. Tekoha Ñeropu’ã: aldeia que se levanta. Revista NERA, v. 23, n. 52, p. 19- 38, dossiê., 2020.

BRAND, Antônio. J. Os complexos caminhos da luta pela terra entre os kaiowá e guarani no MS. Tellus, Campo Grande, n. 6, 2004, p. 137-150.

CARRION, Dirce.THOMAZINHO, Gabriela (orgs). Projeto Teko Joja. União Européia: Projeto Imagem da Vida, 2019.

CHAMORRO, Graciela, CONCIANZA, Misael e PEREIRA, Levi M. Kaiowa Mombe’upy Nhemohembypy Rehegwa— Relatos da cosmogonia Kaiowá: Implicações no campo linguístico e na produção vida social. Espaço Ameríndio. Vol. 10, n.1, p. 10-33, jan/jun, 2016.

CHAMORRO, Graciela. Terra Madura – Yvy Araguyje: Fundamento da palavra guarani. Dourados: Editora UFGD, 2008, 368 p.

GALACHE, Gilmar. KOXUNAKOTI ITUKEOVO YOKO KIXOVOKU – Fortalecimento do jeito de ser Terena: o audiovisual com autonomia. 123f. Dissertação (Sustentabilidade junto a Povos e Territórios Tradicionais) – Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília, 2017.

GRÜNBERG, Friedl Paz (Org.). 2011. Ñande Ypykuéra ñe’engue. Minas Gerais. UFMG.

Downloads

Publicado

2022-07-19

Como Citar

SERBER, L.; BENITES, E. Mokõi Kovoe: por trás das câmeras da Associação Cultural de Realizadores Indígenas (Ascuri). Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 11, n. 1, p. 332–358, 2022. DOI: 10.20396/proa.v11i1.16657. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/16657. Acesso em: 1 dez. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)