O musicar e a acustemologia no lofi hip hop
Na imagem, a margem esquerda contém informações bibliográficas da revista, enquanto no centro superior encontra-se o logotipo. Abaixo do logotipo, há um desenho rabiscado com quatro pessoas parcialmente sobrepostas, cada uma com poses diferentes das mãos: duas com as mãos próximas ao peito, uma cobrindo os ouvidos mais ao fundo e outra puxando a cabeça para a direita.
PDF

Palavras-chave

Antropologia da música e do som
Musicar
Acustemologia
Ressoar
Lofi hip hop

Como Citar

LANDARINI, Sidarta Corrêa da Silva. O musicar e a acustemologia no lofi hip hop. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 13, p. e023008, 2023. DOI: 10.20396/proa.v13i00.16596. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/16596. Acesso em: 30 maio. 2024.

Resumo

Este artigo propõe-se a realizar um diálogo entre os conceitos: “Musicar” de Christopher Small (1998) e a “Acustemologia” de Steven Feld (2020a), a partir da expressão sonora artística lofi hip hop. O encontro destes dois autores e seus conceitos aparecem como aporte teórico-metodológico de reflexão sobre minha experiência de etnografia digital realizada entre os anos de 2018 a 2021 nas redes que atribuem sentido e significado ao lofi hip hop. Através do relato etnográfico, entrevistas, notícias e comentários em vídeos busco argumentar que o musicar lofi hip hop engaja os ouvintes a se tornarem bedroom producers, mesmo que este não tenha conhecimento musical prévio, pois através da sua relação com agentes não-humanos é construído um saber-com e um saber através da prática.

https://doi.org/10.20396/proa.v13i00.16596
PDF

Referências

BACAL, Tatiana. Por uma autoria ciborgue. Ou, os produtores estão chegando. Antropolítica, n. 39, p. 19-47, 2015.

BATESON, Gregory. Steps to an ecology of mind. New York: Ballantine Books, 1972.

BOYM, Svetlana. The future of nostalgia. New York: Basic Books, 2002.

CHAVES, Wagner Diniz. Em busca do limiar sonoro: gestos, sons e riscos na afinação das folias. Revista de Antropologia, v. 64, n. 2, p. e186654, 2021.

CONTER, Marcelo B. Lo-fi: música pop em baixa definição. Curitiba: Appris Editora, 2016.

CRARY, Jonathan. 24/7: Capitalismo tardio e os fins do sono. São Paulo: Ubu Editora, 2016. 144 p.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

D’ERRICO, Mike. Off the grid: instrumental hip hop and experimentalism after the golden age. In: WLLIANS, Justin (org.). The Cambridge Companion to Hip-Hop. Cambridge: Cambridge University Press, 2015.

DEWEY, John; BENTLEY, Arthur. Knowing and the known. Boston: Beacon Press, 1949.

DINOLA, Sabrina; ABREU, Regina. Gesto e miniaturização: o álbum fonográfico como artefato de memória do musicar. Revista Per Musi., n. 41, p. 1-18, 2021.

FELD, Steven. Sound and sentiment: birds, weeping, poetics, and song in Kaluli expression. Durkham & London: Duke University Press, 2012.

FELD, Steven. Alternativas pós-etnomusicológicas: a acustemologia. Proa: Revista de Antropologia e Arte, v. 10, n. 2, p. 193-210, 2020a.

FELD, Steven; et al. Ressoar a antropologia: uma jam session com Steven Feld. Mana, v. 26, n. 3, p. e263600, 2020b.

FISHER, Mark. Realismo capitalista: é mais fácil imaginar o fim do mundo do que o fim do capitalismo?. São Paulo: Autonomia Literária, 2020.

HANNERZ, Ulf. Fluxos, fronteiras, híbridos: palavras-chave da antropologia transnacional. Mana, v. 3, n. 1, p. 7-39, 1997.

HENNION, Antoine. La passion musicale : une sociologie de la médiation. Paris: Éditions Métailié, 2007

HENNION, Antoine. Pragmática do gosto. Desigualdade e Diversidade - Revista de Ciências Sociais da PUC-Rio, n. 8, p. 253-277, 2011.

HINE, Christine. Virtual ethnography. London: SAGE Publications. 2000.

JAMESON, Frederic. Pós-modernismo, a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 1997.

JAMESON, Frederic. A singular modernity: essay on the ontology of the present. London & New York: Verso, 2012.

LANDARINI, Sidarta. “Sou só uma pessoa triste”: fluxos sonoros-sensoriais no lofi hip hop. Dissertação (Mestrado em Sociologia e Antropologia) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2021.

LATOUR, Bruno. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador- Bauru: EDUFBA-EDUSC, 2012.

LEAVITT, John. Meaning and feeling in the anthropology of emotions. American Ethnologist, v. 23, n. 3, p. 514-539, 1996.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 1973.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

MANDEL, Ernest. O capitalismo tardio. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

NEAL, Adam. Lo-fi today. Organised Sound, v. 27, n. 1, 32-40, 2022.

REYNOLDS, Simon. Retromania: pop culture’s addiction to its own past. London: Faber & Faber, 2011.

SANTA ROSA, André; JANOTTI JR., Jeder. ‘Lofi hip hop radio’: Youtube, música instrumental e novas escutas. In: PESSOA, Sonia Caldas; BRANDÃO, Vanessa Cardozo; PRATA, Nair (orgs.). Desigualdades, gêneros e comunicação: olhares de pesquisadores em formação. São Paulo: Intercom, 2019.

SAUTCHUK, Carlos Emanuel; SAUTCHUK, João Miguel M. Enfrentando poetas, perseguindo peixes: sobre etnografias e engajamentos. Mana. v. 20, n. 3, p. 575-602, 2014.

SEEGER, Anthony. Etnografia da música. Revista Cadernos de Pesquisa, v. 17, p. 237-259, 2008.

SIMMEL, Georg. A metrópole e a vida mental. In: VELHO, Otávio (org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

SMALL, Christopher. Musicking: the meanings of performing and listening. Middletown: Wesleyan University Press, 1998.

VILLELA, Alice; et al. O musicar como trilha para a etnomusicologia. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 73, p. 17-26, 2019.

WAJCMAN, Judy. Pressed for time: the acceleration of life in digital capitalism. Chicago: University of Chicago Press, 2014.

WINSTON, Emma; SAYWOOD, Laurence. Beats to relax/study to: contradiction and paradox in lofi hip hop. IASPM Journal, v. 9, n. 2, p. 40-54, 2019.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Sidarta Corrêa da Silva Landarini

Downloads

Não há dados estatísticos.