Museu da Secretaria de Administração Penitenciária
Na imagem, a margem esquerda contém informações bibliográficas da revista, enquanto no centro superior encontra-se o logotipo. Abaixo do logotipo, há um desenho rabiscado com quatro pessoas parcialmente sobrepostas, cada uma com poses diferentes das mãos: duas com as mãos próximas ao peito, uma cobrindo os ouvidos mais ao fundo e outra puxando a cabeça para a direita.
PDF

Palavras-chave

Museu
Museu Penitenciário Paulista
Sistema prisional
Carandiru

Como Citar

ROCCO, Pietro Ferreti. Museu da Secretaria de Administração Penitenciária: uma análise sobre as exposições do Museu Penitenciário Paulista. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 13, p. e023003, 2023. DOI: 10.20396/proa.v13i00.16588. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/16588. Acesso em: 26 maio. 2024.

Resumo

A criação do Museu Penitenciário Paulista no final da década de 1930 foi fortemente influenciada pelas correntes científicas do determinismo biológico existentes na época. Após o declínio dessas concepções que instigaram a criação do museu, ele caiu em ostracismo até ser reformulado e ganhar um novo espaço físico em 2014. Atualmente, suas funções não são mais as mesmas; todavia, parte do pensamento original permanece viva em suas exposições análoga a uma visão institucionalizada do órgão que o administra. O intuito deste artigo é investigar quais os discursos contidos no museu, como se articulam uns com os outros e com as pessoas que afirma representar. Com o auxílio de pesquisas que constituem uma genealogia do sistema penitenciário paulista e que se debruçam sobre os poderes que emanam desses meios, este estudo prioriza o reconhecimento das diversas fronteiras existentes no museu.

https://doi.org/10.20396/proa.v13i00.16588
PDF

Referências

ALVAREZ Marcos César, SALLA Fernando, ALVES Kelly Ludkiewicz. Medicina legal, criminologia e punição: aspectos da trajetória intelectual e profissional de Flamínio Fávero (1895-1982). Saúde, Ética & Justiça. v. 17, n. 2, p. 57-65, 2012.

ANDRADE, Bruna Soares Angotti Batista de. Entre as leis da ciência, do Estado e de Deus: o surgimento das prisões femininas no Brasil. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

CLIFFORD, James. Museus como zonas de contato. Periódicos Permanentes, n. 6, 2016.

CORRÊA, Mariza. As ilusões da liberdade: a Escola Nina Rodrigues e a Antropologia no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013.

DAVIS, Angela. Estarão as prisões obsoletas?. Rio de Janeiro: Difel, 2018.

DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. São Paulo: Edipro, 2012.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975 - 1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento das prisões. Petrópolis: Vozes, 2014.

FREITAS, Wagner Cinelli de Paula. Espaço urbano e criminalidade: lições da Escola de Chicago. São Paulo: IBCCRIM, 2002.

FRY, Peter; CARRARA, Sérgio. As vicissitudes do liberalismo no direito penal brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 2, n. 1, p. 48-54, 1986.

GOULD, Stephen. A falsa medida do homem. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2014.

MASSMANN, Débora. Versões controversas na leitura de arquivos: o Museu Penitenciário Paulista. RUA, v. 24, n. 2, p. 525-541, 2018.

PADOVANI, Natália C. Sobre casos e casamentos: afetos e amores através das penitenciárias femininas em São Paulo e Barcelona. São Carlos: EdUFSCar, 2018.

PRATT, Mary Louise. Os olhos do império: relatos de viagem e transculturação. Bauru: EDUSC, 1999.

SALLA, Fernando. As prisões em São Paulo: 1822 – 1940. São Paulo: Annablume: Fapesp, 2006.

SALLA, Fernando. Rebelião na Ilha Anchieta em 1952 e a primeira grande crise na segurança pública paulista. DILEMAS: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 8, n. 4, p. 633-658, 2015.

SÃO PAULO. Palácio do Governo do Estado de São Paulo. Decreto N. 10.773, de 11 de dezembro de 1939. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/1939/decreto-10773-11.12.1939.html.

SÃO PAULO. Palácio do Governo do Estado de São Paulo. Decreto N. 12.439, de 29 de dezembro de 1941. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto.lei/1941/decreto.lei-12439-29.12.1941.html.

SÃO PAULO. Gabinete do Governador. Decreto 42446/63, de 9 de setembro de 1963. Aprova o Regulamento do Departamento dos Institutos Penais do Estado e dá outras providências. São Paulo: Imprensa oficial, 1963.

TAMBASCIA, Christiano Key. Constituindo carreira e coleções etnográficas. R@U: Revista de Antropologia da UFSCar, v. 5, n. 1, p. 98-116, 2013.

TEIXEIRA, Alessandra. Do sujeito de direito ao estado de exceção: o percurso contemporâneo do sistema penitenciário brasileiro. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Pietro Ferreti Rocco

Downloads

Não há dados estatísticos.