Aeroporto Charles Ficou [ACF]

um estudo sobre o homem sem porto

Autores

Palavras-chave:

Intervenção urbana, Acidente, Estrangeiro, Performance urbana, Quandonde

Resumo

O vídeo-ensaio translata o processo de criação e execução da intervenção urbana site specific Aeroporto Charles Ficou [ACF], realizada em Dublin, Irlanda, em 2018. A ação, desenvolvida como estudo de campo do autor durante seu doutoramento em teatro (UNIRIO/ULB), foi disparada por um conjunto de acidentes provocados direta ou indiretamente pela maior nevasca em 36 anos que surpreendeu o país naqueles dias. Vitimados por alguns desses acidentes e impedidos, por um lockdown nacional, de distanciar-se do lugar em que estavam hospedados, o autor e seu anfitrião, Charles, viram seus planos mudarem radicalmente. Aliando procedimentos performativos (em especial da intervenção urbana em arte) a conhecimentos teórico-práticos oriundos das artes (cênicas, visuais e audiovisuais), arquitetura, antropologia, história, psicologia e sociologia o autor apresenta neste vídeo-ensaio uma reflexão a cerca das possibilidades de acolhimento do potencial disruptivo de acidentes (entendido como um acontecimento imprevisto que nos toma de assalto) e dos estranhamentos que desencadeia – nos confrontar com o imponderável, tanto no entorno, como também, em nós –, para a produção de ações urbanas performativas. A abordagem teórica desenvolve-se pelo trânsito histórico-conceitual do estranho/estrangeiro a partir de perspectivas diversas e complementares que corroboram para a defesa do acidente como viabilizador de novas e imprevisíveis sociabilidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, José Luís Pio. O modelo do psicodrama moreniano. Coimbra: Edições Psiquiatria Clínica, 1992.

BAFFI, Diego. Anti-Artigo ou Artigo para a diferença, in Anais do Encontro da ABRACE, 2010.

BEY, Hakim. TAZ: zona autônoma temporária. São Paulo: Conrad, 2001.

BOAL, Augusto. O arco-íris do desejo: o método Boal de teatro e terapia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.

COELHO JUNIOR, Nelson Ernesto; MARTINI, André de. Novas notas sobre “O estranho”. In: Tempo Psicanalítico, Rio de Janeiro, v.42.2, 2010, p. 371-402.

DEBORD, Guy. Questões preliminares à construção de uma situação. In: JACQUES, Paola Berenstein (Org.). Apologia da Deriva. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

FABIÃO, Eleonora. Ações. Rio de Janeiro: Tamanduá Artes, 2015.

FREUD, Sigmund. O estranho. In: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud, n. 17, 1919, p. 271-318.

EUGÊNIO, Fernanda. Para uma situ-ação do Modo Operativo AND. Lisboa, 2018 AND Doc | Acervo Digital do AND Lab. Disponível em: https://www.and-lab.org/and-doc. Acesso em: 03 jan. 2019.

LA VARRA, Giovanni. Post-it City. El último espacio público de la ciudad contemporánea. In: Post-it City. Ciudades Ocasionales. Barcelona: CCCB, 2008.

LE GOFF, Jacques. Por amor às cidades: conversações com Jean Lebrun. São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 1998.

LEITE, Rogério Proença. Contra-Usos da Cidade. Campinas, Aracaju: Editora da UNICAMP, UFS, 2004.

ONO, Yoko. GRAPEFRUIT: O Livro de Instruções + desenhos de Yoko Ono. Belo Horizonte: quimeras, 2009.

SACEANU, Patrícia. O estranho e seus destinos. 2001. 124 f. Dissertação (Mestrado em Teoria Psicanalítica) Instituto de Psicologia – UFRJ, Rio de Janeiro, 2001.

SOUZA, Neusa Santos. O estrangeiro: nossa condição. In: KOLTAI, Caterina (Org.). O estrangeiro. São Paulo: Escuta & FAPESP, 1998, p. 155-163.

ZAMPIERI, Ana Maria Fonseca. Psicodramas públicos: por que e para quê?. In: Revista Brasileira de Psicodrama 19, no. 2, 2011, p. 41-47.

Downloads

Publicado

2022-06-22

Como Citar

BAFFI, D. Aeroporto Charles Ficou [ACF]: um estudo sobre o homem sem porto. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 11, n. 2, p. 197, 2022. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/16565. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Ensaios (Áudio) Visuais