A Aemulatio da Eneida n’os Lusíadas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/phaos.v21i00.15782

Palavras-chave:

Os Lusíadas, Eneida, Aemulatio

Resumo

O objetivo deste artigo é apontar evidências textuais de como a aemulatio da Eneida, de Virgílio, n’Os Lusíadas, de Camões, é construída, bem como sugerir uma indicação de qual seja a importância desse procedimento para o significado da epopeia portuguesa. Por meio da análise de algumas passagens em que há alusão à Eneida, constatou-se que Camões faz uso de determinados artifícios lexicais, morfológicos, sintáticos, estruturais, figurativos, entre outros, para produzir uma “retórica do aumento” que engrandece a aventura que narra em oposição àquela narrada por Virgílio. Chegou-se à conclusão, também, de que o efeito de sentido dessa emulação, ao menos como indicado pelas passagens analisadas, é a construção da imagem apoteótica dos lusitanos e da sua missão orientada pela Providência, superiores mesmo ao herói mítico Eneias e à própria fundação de Roma contados na Eneida. O engrandecimento dos “barões assinalados”, assim, depende da alusão competitiva à Eneida, porque dessa maneira eles resultam sem par na história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Miguel Ângelo Andriolo Mangini, Universidade de São Paulo

Mestrando em Letras Clássicas na Universidade de São Paulo.

Referências

ANDRÉ, C. A. Eneida e Os Lusíadas. In: SILVA, V. M. A. e. (Org.). Dicionário de Luís de Camões. São Paulo: Leya, 2011. p. 337-341.

CAMÕES, L. V. de. Os Lusíadas. Edição: Emanuel Paulo Ramos. Porto: Porto Editora, 1980.

CIDADE, H. Luís de Camões: o épico. 2. ed. Lisboa: Livraria Bertrand, 1953.

CONINGTON, J. Vergili Maronis Opera [comentários]. London: Oxford University Press, 1863. Vol. 2.

CONTE, G. B. Memoria dei poeti e sistema letterario. Torino: Giulio Einaudi, 1974.

DIAS, E. Os Lusíadas [comentários]. 3. ed. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e da Cultura, 1972.

DIAS, F. B. [Sem título]. In: CAMÕES, L. de. Os Lusíadas. Edição fac-similar. Coimbra: Almedina; Colégio das Artes da Universidade de Coimbra, 2016. p. 7-9.

DIONÍSIO DE HALICARNASSO. Tratado da imitação. Tradução e comentários: Raul Miguel Rosado Fernandes. Lisboa: INIC, 1986.

DIONYSIVS HALICARNASSVS. Dionysii Halicarnassensis Librorum de Imitatione. Texto grego: Hermann Usener. Bonn: 1899.

GREENE, T. M. The Light in Troy: imitation and discovery in Renaissance Poetry. Yale University Press, 1982.

HANSEN, J. A. Notas sobre o gênero épico. In: TEIXEIRA, I. (Org.). Multiclássicos Épicos. São Paulo: EDUSP, 2008. p. 17-91.

IAVOL (Índice Analítico do Vocabulário de Os Lusíadas). Volume B: A-I. Organização: A. G. Cunha. Guanabara: Instituto Nacional do Livro, 1966b.

IAVOL (Índice Analítico do Vocabulário de Os Lusíadas). Volume C: J-Z. Organização: A. G. Cunha. Guanabara: Instituto Nacional do Livro, 1966a.

LONGINO. Do sublime. Tradução e comentários: Maria Isabel de Oliveira Várzeas. Coimbra; São Paulo: Imprensa da Universidade de Coimbra; Annablume, 2015.

LONGINUS. On the sublime. Texto grego e tradução: W. Rhys Roberts. 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 1907.

OLIVA NETO, J. A. Breve anatomia de um clássico. In: VIRGÍLIO. Eneida. Tradução: Carlos Alberto Nunes. 2. ed. São Paulo: 34, 2016. p. 9-65.

PASQUALI, G. Arte Alusiva. Tradução: Alexandre Piccolo e Lucy Ana de Bem. In: PRATA, P.; VASCONCELLOS, P. S. de. (Org.). Sobre intertextualidade na literatura latina: textos fundamentais. São Paulo: Editora Unifesp, 2019. p. 11-21.

RODRIGUES, J. M. Fontes dos Lusíadas. 2. ed. Lisboa: Atlântida Editora, 1979.

RUSSELL, D. A. De imitatione. In: WEST, D.; WOODMAN, T. (Org.). Creative imitation and Latin literature. Londres: Cambridge University Press, 1979. p. 1-16.

THAMOS, M. As armas e o varão: leitura e tradução do Canto I da Eneida. São Paulo: Edusp, 2011.

VASCONCELLOS, P. S. Efeitos intertextuais na Eneida de Virgílio. São Paulo: Humanitas; FAPESP, 2001.

VIEIRA, Y. F. Mitologia, alegoria e discurso: observações sobre o “discurso alusivo” de Camões. Revista Camoniana, São Paulo, v. 3, n. 2, 1980, p. 189-206.

VIRGÍLIO. Eneida. Comentários: João Angelo Oliva Neto. Tradução: Carlos Alberto Nunes [edição bilíngue]. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2016.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

Mangini, M. Ângelo A. . (2021). A Aemulatio da Eneida n’os Lusíadas. Phaos: Revista De Estudos Clássicos, 21(00), e021007. https://doi.org/10.20396/phaos.v21i00.15782