Processos de autoafirmação e retomada de território

perspectiva indígena pela narrativa de Yakuy Tupinambá

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/maloca.v4i00.15074

Palavras-chave:

Povos Indígenas, Tupinambá, Memória, História Oral, Perspectiva indígena

Resumo

Neste artigo, propomos contribuir com as discussões acerca das questões indígenas no Brasil, mais especificamente do povo Tupinambá de Olivença no sul da Bahia. A partir de uma pesquisa etnográfica com contribuições da História Oral, a entrevista realizada com Yakuy Tupinambá possibilitou que fossem ressaltados elementos de sua afirmação indígena. Tal afirmação implica processos de existência, persistência e resistência. Sua narrativa permite a compreensão de como as memórias são importantes para sua afirmação, de seu povo e de seu território; desvela ainda sentidos e significados de inquietações sobre a história (não) contada, processo de (des)colonização, (re)tomada de territórios, entre outras questões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letycia Rendy Yobá, Universidade de São Paulo

Indígena da etnia Payayá, historiadora e militante na formação em História e Cultura indígena para professores na educação de base. Mestranda em Humanidades e História Oral Diversitas/ Universidade de São Paulo (USP). Especialização em História e Culturas Afrobrasileiras e Indígenas para a Educação lei 11645/08 na A Casa Tombada. Arte Educadora, militante pela arte educação na periferia de São Paulo com o projeto Cine Sarau Jacó, sarau e cinema na rua.

Simone dos Santos Pereira, Universidade de São Paulo

Doutoranda em Antropologia Social na Universidade de São Paulo (USP). Mestra em Educação. Graduada em Letras e Pedagogia.

Referências

Alarcon, Daniela F. 2013. O retorno da terra. As retomadas na aldeia Tupinambá da Serra do Padeiro, sul da Bahia. Dissertação de mestrado, UNB, Brasília, DF, Brasil.

Costa, Erlon F. de J. 2013. Da Corrida de Tora ao Poranci: a permanência histórica dos Tupinambá de Olivença no Sul da Bahia. Dissertação de mestrado, UNB, Brasília, DF, Brasil.

Cusicanqui, Silvia R. 2015. “Apuntes metodológicos y entrevistas”. In: Cusicanqui, Silvia R. Sociología de la imagen, Miradas ch’ixi desde la historia andina. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Tinta Limón, 283-320.

Evangelista, Marcela. B. 2010. “A transcriação em história oral e a insuficiência da entrevista”. Revista de História Oral Oralidades (1): 169-182.

Magalhães, Aline M. 2010. A luta pela terra como oração: sociogênese, trajetórias e narrativas do movimento tupinambá. Dissertação de mestrado, UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Magnani, José Guilherme. 2002. “De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana”. Revista Brasileira de Ciências Sociais 17 (49): 11-29. https://doi.org/10.1590/S0102-69092002000200002.

Marcis, Teresinha. 2000. Viagem ao Engenho Santana. Ilhéus: Editus. http://www.uesc.br/editora/livrosdigitais/vesantana.pdf.

Marcis, Teresinha. 2004. A “hecatombe de Olivença”: Construção e reconstrução da identidade étnica, 1904. Dissertação de mestrado, UFBA, Salvador, BA, Brasil.

Meihy, José Carlos S. B.; Holanda, Fabíola. 2015. História oral: como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto.

Meihy, José Carlos; Seawright, Leandro. 2020. Memórias e narrativas: história oral aplicada. São Paulo: Contexto.

Mejía Lara, Amiel Ernenek. 2012. “Estar na cultura”: Os Tupinambá de Olivença e o desafio de uma definição de indianidade no sul da Bahia. Dissertação de mestrado, UNICAMP, Campinas, SP, Brasil.

Pollak, Michael. 1989. “Memória, Esquecimento, Silêncio”. Estudos Históricos 2 (3): 3-15. http://www.uel.br/cch/cdph/arqtxt/Memoria_esquecimento_silencio.pdf.

Quadros, Jessica S. 2020. “Pisando na terra de tupinambá o encontro do povo bantu na morada dos encantados”. 32ª Reunião Brasileira de Antropologia. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. https://www.32rba.abant.org.br/arquivo/downloadpublic?q=YToyOntzOjY6InBhcmFtcyI7czozNToiYToxOntzOjEwOiJJRF9BUlFVSVZPIjtzOjQ6IjI1ODgiO30iO3M6MToiaCI7czozMjoiOGRjMmQwM2NlYTY5NGVlODc3ZjI3ZTE2YjM1MWYzYjMiO30%3D.

Santana, José Valdir; Magalhães, José Carlos. 2017. “Entre a normatização da educação escolar indígena no Brasil e modos indígenas de apropriação da escola: o caso dos Tupinambá de Olivença/Bahia”. 41º Encontro Anual ANPOCS. Caxambu, MG, Brasil. https://anpocs.com/index.php/encontros/papers/41-encontro-anual-da-anpocs/gt-30/gt20-26/10788-entre-a-normatizacao-da-educacao-escolar-indigena-no-brasil-e-modos-indigenas-de-apropriacao-da-escola-o-caso-dos-tupinamba-de-olivenca-bahia?path=41-encontro-anual-da-anpocs/gt-30/gt20-26.

Tavares, Ana Paula. 2017. “Um passeio pela História Oral: entrevista com Leandro Seawright (USP)”. Site Café História. https://www.cafehistoria.com.br/historia-oral-entrevista/.

Thompson, Paul. 2002. A voz do passado: história oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Ubinger, Helen C. 2012. Os tupinambá da Serra do Padeiro: religiosidade e territorialidade na luta pela terra indígena. Dissertação de Mestrado, UFBA, Salvador, BA, Brasil.

Viegas, Susana de Matos. 2007. Terra calada: Os Tupinambá na Mata Atlântica do Sul da Bahia. Rio de Janeiro: 7 Letras; Almedina.

Downloads

Publicado

2022-01-31

Como Citar

RENDY YOBÁ, L.; DOS SANTOS PEREIRA, S. Processos de autoafirmação e retomada de território: perspectiva indígena pela narrativa de Yakuy Tupinambá. Maloca: Revista de Estudos Indígenas, Campinas, SP, v. 4, n. 00, p. e021023, 2022. DOI: 10.20396/maloca.v4i00.15074. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/maloca/article/view/15074. Acesso em: 5 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos