Cultura maker na educação utilizando programação em blocos

Autores

  • Giordano Arantes Universidade Estadual de Campinas
  • Jessica Miranda Universidade Estadual de Campinas
  • Miriam Lúcia Barbosa Universidade Estadual de Campinas
  • Rômulo Franco Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Cultura maker, App inventor, Programação, Deficientes, Educação

Resumo

Conhecida como a Cultura do Fazer ou cultura do faça você mesmo, a cultura maker ganha adeptos no mundo todo. Essa nova cultura é uma das formas de remodelação do ensino em sala, ela é caracterizada pela forte identificação que o indivíduo cria durante o envolvimento e participação na criação de conteúdos e produtos. Em se tratando de identificação com o que se cria, o indivíduo estabelece um importante elo afetivo o que torna o aprendizado mais efetivo. Como parte do aprendizado, algum dos princípios defendidos pela cultura maker são a colaboração, a criatividade e a sustentabilidade quando recursos materiais e de fácil uso, acesso e apropriação podem ser utilizados na elaboração de produtos ou conteúdos. Com isso, esse artigo disserta sobre a Cultura Maker e suas diferentes formas de implantação na Educação, contribuindo especificamente com atividades, conceitos e metodologias e principalmente a Programação Visual em Blocos. Esta por sua vez, considerada como aliada na formação de crianças para um perfil apropriado em um futuro muito mais dependente de tecnologia. Ainda, para reforçar as oportunidades como ferramenta com alto potencial a ser aplicada no ensino-aprendizagem, apresentamos um mini-curso, inclusive com material disponível para download sobre o Google MIT App Inventor, bem como, um tutorial para desenvolvimento de aplicativos utilizando o conceito de Programação Visual em Blocos para Deficientes Visuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giordano Arantes, Universidade Estadual de Campinas

Mestrando em Educação na Faculdade de Educação pela Universidade Estadual de Campinas.

Jessica Miranda, Universidade Estadual de Campinas

Mestranda em Engenharia Elétrica e da Computação na Faculdade de Engenharia Elétrica e da
Computação pela Universidade Estadual de Campinas.

Miriam Lúcia Barbosa, Universidade Estadual de Campinas

Mestranda em Educação na Faculdade de Educação pela Universidade Estadual de Campinas.

Rômulo Franco, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em Educação na Faculdade de Educação pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

BERSCH, Rita.; TONOLLI, J. C. Tecnologia Assistiva. 2006. Disponível em: http://www.assistiva.com.br/. Acesso em: 15 de maio 2018.

BERSCH, Rita. Introdução à Tecnologia Assistiva. Centro Especializado em Desenvolvimento Infantil. Porto Alegre. 2008.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. 2010. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/download-da-bncc. Acesso em: 25 maio 2018.

BROWN, T., 2008 – How to deliver a great plan – Design Thinking – Published on Harvard Business Review – June 2008 – page 60. Disponível em: https://hbr.org/2008/06/design-thinking. Acesso em: 15 de Maio de 2018.

CARDINS, Jitana Sara da Cunha. A cultura do faça você mesmo como princípio da cibercultura e a crítica da inversão da lógica da indústria cultural. Dissertação (Mestrado) - UFPB - Programa de Pós-Graduação em Comunicação. João Pessoa, 2014. 96 f.

COOK, Albert M.; HUSSEY, S M. Assistive Technologies: Principles and Practices. St. Louis, Missouri. Mosby - Year Book, Inc. 1995.

CRISTÓVÃO, Henrique Monteiro. Aprendizagem de algoritmos num contexto significativo e motivador: um Relato de Experiência. In: Anais do XXVII Congresso da Sociedade Brasileira de Computação. 28, 2008, Belém do Pará, PA. P. 30-40.

DTEDUCADORES, 2018. Design Thinking para Educadores, Portal de Curso de Design Thinking gratuito, Disponível em: http://www.dtparaeducadores.org.br/site/sobre-o-material/. Acesso em: 20 de maio de 2018.

FUTURA. O que é Cultura Maker e o que ela tem a ver com a educação? Disponível em: http://futura.org.br/trilhas-do-conhecimento/o-que-e-a-culturamaker-e-o-que-ela-tem-a-ver-com-a-educacao/#. Acesso em: 21 maio 2018.

GOMES, Tancicleide. C. S.; MELO, Jeane C. B. App Inventor for Android: uma Nova Possibilidade para o Ensino de Lógica de Programação. In: Anais do II Congresso Brasileiro de Informática na Educação. 2, 2013, Limeira, SP. P. 620-629.

HENNIG, V. F. A. A inclusão de pessoas com deficiência visual e informática. Trabalho de conclusão de curso. IFMG. Mato Grosso. 2009.

IBGE. Censo Demográfico 2000. 2003. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/27062003censo,shtm. Acesso em 31/05/2018.

KUMAR, Vivek. 2017 – Design Thinking vs. Computational Thinking in Education. Disponível em: https://blog.quicksense.org/design-thinking-vs-computationalthinking-in-education-2dcf5b23aa12. Acesso em: 25 maio de 2018.

LUZ, Cláudia; SOUZA, Ana. Educação Inclusiva E Tecnologias Assistivas: Uma Análise Acerca Da Aprendizagem De Deficientes Visuais. VI Colóquio Internacional de Educação e Contemporaneidade. São Cristóvão. 2012.

PADILHA, Márcia.; MARTINELLI, Adriana. Cultura maker na escola: por que faz sentido. 16 nov. 2015. Disponível em: http://www.arede.inf.br/cultura-maker-naescola-por-que-faz-sentido/ Acesso em: 26 maio 2018.

PINHEIRO, Flávia. Tecnologias para a Inclusão de Alunos com Deficiência Visual no Ensino a Distância. Fundação Centro de Ciências e Estudos a Distância. Rio de Janeiro. 2008.

POREDU, 2017 - Silva, L. A. et Al., 2017 - Poredu: um ambiente de programação em blocos - VI Congresso Brasileiro de Informática na Educação (CBIE 2017). RESNICK, M., Ocko, S., and Papert, S. (1988). Lego, logo, and design. Children’s Environments Quarterly, pages 14–18.

SEBRAE, 2018 - Entenda o design thinking - Portal Sebrae, Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/entenda-o-design-thinking. Acesso em: 20 maio 2018.

SIEVES, Cristiano. 3 exemplos de como incentivar o movimento maker na educação. Disponível em: http://playtable.com.br/blog/3-exemplos-de-comoincentivar-o-movimento-maker-na-educacao/. Acesso em: 18 maio 2018.

VILLELA, Flávio. IBGE: 6,2% da população têm algum tipo de deficiência. EBC Agência Brasil. 2015. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2015-08/ibge-62-da-populacao-temalgum-tipo-de-deficiencia. Acesso em 31 de maio 2018.

WOBER, David. App Inventor and Real-World Motivation. In Anais do 42º Simpósio Técnico da ACM sobre Educação em Informática. 42, 2011, Dallas, TX. P. 601-606.

WING, J. M., 2006. Computational thinking. Communications of the ACM, 49(3):33– 35. YouthMobile, MIT App Inventor, Kamriani F. & Roy K., 2016 - Portal Unesco.org http://www.unesco.org/new/fileadmin/MULTIMEDIA/HQ/CI/CI/pdf/In_Focus/mit_appinventor.pdf - Acesso em: 18 maio 2018.

Downloads

Publicado

2021-03-05

Como Citar

ARANTES, G.; MIRANDA, J. .; BARBOSA, M. L. .; FRANCO, R. . Cultura maker na educação utilizando programação em blocos. Revista InovaEduc, Campinas, SP, n. 4, p. 1–22, 2021. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/inovaeduc/article/view/15183. Acesso em: 5 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)