Banner Portal
A educação ambiental no Brasil: panorama inicial da produção acadêmica
PDF

Palavras-chave

Educação ambiental. Pesquisa em educação ambiental. Estado da arte.

Como Citar

FRACALANZA, H.; AMARAL, I. A. do; MEDIG NETO, J.; EBERLIN, T. S. A educação ambiental no Brasil: panorama inicial da produção acadêmica. Ciências em Foco, Campinas, SP, v. 1, n. 1, 2013. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cef/article/view/9162. Acesso em: 29 maio. 2023.

Resumo

O artigo apresenta o relato de aspectos de projeto de pesquisa em Educação Ambiental no Brasil, realizado pelo Grupo de Pesquisa FORMAR-Ciências da FE/Unicamp, com foco na produção acadêmica, realizada nos programas de Pós-Graduação no país, constituída por dissertações e teses. Caracteriza a importância da realização de estudos do tipo “estado da arte”, como gênero de investigação fundamental para estudos analíticos da produção. Apresenta dados preliminares da pesquisa ressaltando o número de trabalhos referenciados, sua distribuição por instituições produtoras e anos de produção.
PDF

Referências

AMARAL, Ivan A. do. Currículo de Ciências: das tendências clássicas aos movimentos atuais de renovação. In: BARRETO, Elba S.S. (org.). Os currículos do ensino fundamental para as escolas brasileiras. Campinas: Autores Associados, São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1998. (Coleção formação de professores). pp. 201-232.

AMARAL, Ivan A. do. Em busca da planetização: do ensino de Ciências para a Educação Ambiental. Campinas: Faculdade de Educação, UNICAMP, 1995. 2 v. 650 p. (Tese de doutorado).

AMARAL, Ivan A. do. Educação Ambiental e o ensino de Ciências: uma história de controvérsias. Pro-Posições, Vol. 12, Nº. 1(34), março/2001. pp. 73 a 93.

ALVES, A. J. A “revisão da bibliografia” em teses e dissertações: meus tipos inesquecíveis. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 81, p. 53-60, Mai 1992.

ALVES, Luciana e Sá. A Educação Ambiental e a Pós-Graduação: um olhar sobre a produção discente. Rio de Janeiro: Departamento de Educação da PUC - Rio, Agosto de 2006. (Dissertação de Mestrado).

ALVES-MAZZOTTI, A. J.; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas Ciências Naturais e Sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

ANPEd (Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação). CDROM da ANPEd (Tese e Dissertações em Educação - 1981 a 1996). 2. ed. São Paulo: ANPEd/INEP/Ação Educativa, 1997.

ANPEd (Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação). GT 22 – Educação Ambiental. In: http://siaiweb03.univali.br/geea22/grupos_pesq.htm - Acesso em 10/08/05.

BRASIL. Lei nº. 9795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências.

BRASIL. Decreto nº. 4281 de 26 de junho de 2002. Regulamenta a Lei nº. 9795 de 27 de abril de 1999, que institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências.

BRASIL/MMA Relatório do Levantamento Nacional de Projetos de Educação Ambiental, I Conferencia Nacional de Educação Ambiental, Brasília, 1997.

BRASIL/MEC. Panorama da Educação Ambiental no Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 2001.

DRUMMOND, J.A.. Anotações de um integrante de bancas examinadoras: Teses e dissertações defendidas recentemente na área de Ciências Ambientais. Ambiente & Sociedade. Vol. V, Nº 2, ago./dez. 2002. p. 191-214.

FERREIRA, Norma S. A. Pesquisa em leitura: Um estudo dos resumos de dissertações de mestrado e teses de doutorado defendidas no Brasil, de 1980 a 1995. Campinas: Faculdade de Educação da Unicamp, 1999. (Tese de doutorado).

FERREIRA, N. S. A. As pesquisas denominadas “Estado da Arte”. Educação & Sociedade, n. 79, Ago. 2002 (a), p. 257-272.

FERREIRA, N. S. A.. É possível interrogar e escrever uma História da Leitura lendo apenas resumos de trabalhos acadêmicos? Leitura: Teoria & Prática. Ano 20, Nº. 38, março 2002(b). pp.4-12.

FIORENTINI, Dario. Rumos da pesquisa brasileira em Educação Matemática. Campinas: Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, 1994. (Tese de doutorado).

FRACALANZA, Hilário. O que sabemos sobre os livros didáticos para o ensino de ciências no Brasil. Campinas: Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, 1993. 302p. (Tese de doutorado).

FRACALANZA, H.. As pesquisas sobre Educação Ambiental no Brasil e as escolas: alguns comentários preliminares. In: TABLIEBER, J. E. & GUERRA, A. F. S. (orgs.). Pesquisa em Educação Ambiental. I CEPEASul. Pelotas: UFPel, 2004. pp. 55-77.

FRACALANZA, Hilário. Educação Ambiental no Brasil: panorama inicial da produção acadêmica. V ENPEC. Bauru (SP), 28 de novembro a 03 de dezembro de 2005.

FREITAG, B., MOTTA, V.R., COSTA, W.F. O estado da arte do livro didático no Brasil. Brasília: INEP/REDUC, 1987.

GAMBOA, Sílvio A.S. Epistemologia da pesquisa em educação: estruturas lógicas e tendências metodológicas. Campinas: Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, 1987. 232 p. (Tese de doutorado).

GARCIA MUÑOZ, C.. Principales tendencias y modelos de la Educación Ambiental en el sistema escolar. Revista Iberoamericana de Educación, Nº 11, Monográfico, Educación Ambiental: teoría y práctica. P 13 a 74, OEI, Biblioteca Virtual, 1996.

GATTI, B. A. Perspectivas da pesquisa e da pós-graduação em educação no Brasil. Educação & Linguagem, ano 6, n. 8, p. 11-22, Jul. - Dez 2003.

GOUVEIA, Mariley S.F. Cursos de Ciências para professores de 1o grau: elementos para uma política de formação continuada. Campinas: Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, 1992. 283p. (Tese de doutorado).

HADDAD, S. (Coord.). Evolução de jovens e adultos no Brasil (1996-1998). Brasília: MEC/INEP/COMPED, 2002. (Série Estado do Conhecimento).

KAWAMURA, Maria Regina, SALÉM, Sônia. Teses na área de ensino de Física. In: NARDI, R. (org.). Atas do X Simpósio Nacional de Ensino de Física. Londrina: SBF, 1993, p. 422-31.

LEMGRUBER, M. S. A educação em ciências físicas e biológicas a partir das teses e dissertações (1981 a 1995): uma história de sua história. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1999. (Tese de doutorado).

LEVY, M. I. C. Escola ambientalizada e formação de professores: compromissos e desafios. In: TABLIEBER, J. E. & GUERRA, A. F. S. (orgs.). Pesquisa em Educação Ambiental. I CEPEASul. Pelotas: UFPel, 2004. pp. 105-143.

LIMA, G. C.. Questão ambiental e Educação: contribuições para o debate. Ambiente & Sociedade. Ano II, Nº 5- 2º Semestre de 1999. p. 135-153.

MEGID NETO, Jorge. Pesquisa em ensino de Física do 2o grau no Brasil: concepção e tratamento de problemas em teses e dissertações. Campinas: Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, 1990. 296p. (Dissertação de mestrado).

MEGID NETO, Jorge. Tendências da pesquisa acadêmica sobre o ensino de Ciências no nível fundamental. Campinas: Faculdade de Educação:,Universidade Estadual de Campinas, 1999. 365p. (Tese de doutorado).

MEGID NETO, Jorge (coord.). O ensino de Ciências no Brasil: catálogo analítico de teses e dissertações, 1972-1995. Campinas: UNICAMP/FE/CEDOC, 1998. 220 p.

MENDONÇA, P.R.. A Educação Ambiental como política Educacional: Reflexões sobre os desafios dessa nova institucionalidade. In: TABLIEBER, J. E. & GUERRA, A. F. S. (orgs.). Pesquisa em Educação Ambiental. I CEPEASul. Pelotas: UFPel, 2004. pp. 215-228.

MENEZES, Luis C. de (org.). Formação continuada de professores de ciências no contexto ibero-americano. Campinas: Autores Associados; São Paulo: NUPES, 1996. (Coleção formação de professores).

MEYER, M.. Reflexões sobre o panorama da Educação Ambiental no ensino formal. In: BRASIL/MEC. Panorama da Educação Ambiental no Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 2001.

REIGOTA, Marcos. O estado da arte da pesquisa em Educação Ambiental no Brasil. Pesquisa em Educação Ambiental. Vol. 2, nº. 1, janeiro/junho de 2007. pp. 33-65.

SATO, M & PASSOS, L.A. Versos e reversos da diversidade. Anais do I Simpósio Sul Brasileiro de Educação Ambiental, Erechim, 2002. p 115 a 123.

SLONGO, I. I. P. A produção acadêmica em Ensino de Biologia. Florianópolis: Centro de Ciências da educação, Universidade Federal de Santa Catarina, 2004. 349f. (Tese de doutorado).

SOARES, Magda B. Alfabetização no Brasil: o estado do conhecimento. Brasília: INEP/REDUC, 1989. 157p.

SOARES, M. B.; MACIEL, F. Alfabetização. Brasília: MEC/INEP/COMPED, 2000. (Série Estado do Conhecimento).

SORRENTINO, M. Vinte anos de Tbilisi, cinco da Rio-92: A Educação Ambiental no Brasil. Debates Socioambientais. São Paulo: CEDEC, ano II, nº. 7:3-5, jun./set 1997.

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global-1992 http://www.rebea.org.br/vquemsomos.php?cod=908, acesso em 10/08/05.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Biblioteca Central. Serviço de Informação sobre Livro Didático. O que sabemos sobre livro didático: catálogo analítico. Campinas: Editora da Unicamp, 1989. 222 p. + anexos.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Instituto de Física. Ensino de Física no Brasil: catálogo analítico de dissertações e teses (1972-1992). São Paulo: [s.n.], 1992. 110p.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Ensino de Física no Brasil: catálogo analítico de dissertações e teses (1992-1995). São Paulo: [s.n.], 1996. 77p.

VALENTIM, L.. Tendências das pesquisas em Educação Ambiental no Brasil: algumas considerações. 27ª Reunião Anual da ANPEd – GT 22, Caxambu, nov. 2004. In: htpp://www.anped.org.br/27/gt22/p221.pdf – Acesso em 15/08/05.

VIOLA, Eduardo J. & LEIS, Héctor Ricardo. A evolução das políticas ambientais no Brasil, 1971-1991: do bissetorialismo preservacionista para o multissetorialismo orientado para o desenvolvimento sustentável. In HOGAN, Daniel J. & VIEIRA, Paulo Freire (orgs.). Dilemas socioambientais e desenvolvimento sustentável. Campinas: Unicamp, 1992. pp. 73-102.

Apesar do periódico ser de acesso aberto, utilizando a Licença Creative Commons, os direitos autorais dos trabalhos submetidos são de exclusividade da revista.

Downloads

Não há dados estatísticos.