O consenso pacifista nas teorias de relações internacionais da China

fundamentos conceituais e diálogos teóricos

Autores

Palavras-chave:

China, Teoria de relações internacionais, Pacifismo, Filosofia tradicional chinesa, Política externa chinesa

Resumo

Esta pesquisa tem caráter teórico e desenvolve um debate entre algumas das teorias de relações internacionais (TRI) mais estudadas no Ocidente e quatro autores chineses. Destacam-se aqui algumas conclusões. As TRI chinesas criticam – ou servem de base para criticar – a normatividade belicista de perspectivas realistas ocidentais. Yan Xuetong, considerado um “realista moral”, compatibiliza a política de poder com o pacifismo internacional a partir da filosofia tradicional chinesa. Assim, por conceber a possibilidade de que um conjunto de Estados renuncie ao uso da violência entre si, o autor é uma exceção entre os realistas das TRI. As TRI chinesas concebem e analisam consistentemente as possibilidades de paz, debatendo explícita ou implicitamente com as TRI mais conhecidas no Ocidente. O filósofo Zhao Tingyang é um tradicionalista de inspiração confucionista e dialoga com teorias que estudam a ordem internacional e enfatizam o multilateralismo, argumentando que se alcançaria a paz pela superação da internacionalidade no sentido da supranacionalidade. Qin Yaqing aplica uma abordagem culturalista baseada na história da China, debate com a Escola Inglesa, e argumenta que a mutabilidade dos atores e das instituições ao longo da história permite a harmonia na diversidade, e, desse modo, o autor contribui para a teorização da sociedade internacional. Tang Shiping converge com o conceito de sociedade internacional da Escola Inglesa, dialoga com autores liberais, e elabora um modelo analítico no qual a história das relações internacionais segue uma direção progressiva rumo à estabilização sistêmica e a uma ordem internacional baseada em regras pacificadoras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Trindade d'Ávila Magalhães, Universidade Federal de Goiás

Professor visitante na Universidade de Hubei (China). Professor de Relações Internacionais na Universidade Federal de Goiás (UFG). Doutor em Estudos Estratégicos Internacionais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Rafael Queiroz, Universidade de Hubei

Intercambista na Universidade de Hubei com bolsa fornecida pelo Instituto Confúcio. Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS) da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP), campus de Marília, na linha de Relações Internacionais e Desenvolvimento. É bacharel em Relações Internacionais pela mesma universidade. Atualmente, é membro da Rede Brasileira de Estudos da China (RBCHINA), do Grupo de Pesquisas dos BRICS (GPBRICS) e do Grupo de Pesquisa Marxismo, Estado, Política e Relações Internacionais.

Referências

MAGALHÃES, Diego T.D. “Conflito entre teorias de relações internacionais sobre a paz: implicações normativas” Relações Internacionais, Lisboa, vol. 36, p. 119-133, 2012. https://ipri.unl.pt/images/publicacoes/revista_ri/pdf/ri36/n36a09.pdf Acesso em 01 de julho de 2023.

SHIPING, Tang. The Social Evolution of International Politics. Oxford: Oxford University Press, 2013.

TINGYANG, Zhao. Redefining a Philosophy for World Governance. Singapore: Palgrave Macmillan, 2019.

YAN, Xuetong. Leadership and the Rise of Great Powers. New Jersey: Princeton University Press, 2019.

YAQING, Qin. A Relational Theory of World Politics. Cambridge: Cambridge University Press, 2018.

Publicado

2023-12-31

Como Citar

TRINDADE D’ÁVILA MAGALHÃES, Diego; QUEIROZ, Rafael. O consenso pacifista nas teorias de relações internacionais da China: fundamentos conceituais e diálogos teóricos. Seminário Pesquisar China Contemporânea, Campinas, SP, n. 7, 2023. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/chinabrasil/article/view/5210. Acesso em: 14 abr. 2024.