Metodologia da história da arte não europeia

qual arte? qual história? qual metodologia? (1ª parte)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/visuais.v7i2.16009

Palavras-chave:

Historiografia da arte, Arte africana, Metodologia da história da arte

Resumo

Se o projeto euro-ocidental de modernidade técnica, científica, política e econômica produziu a crença na marcha inexorável da história, e se tal progresso foi encharcado pela constituição da razão iluminista com não poucos paradoxos presentes nas relações interculturais, o século XX expôs as contradições desse mesmo ideal de modernidade, a começar pela revisão dos efeitos deletérios de uma globalização assimétrica cujas raízes encontram-se fincadas no humanismo, no mercantilismo e no colonialismo europeu promovidos desde o final do século XV. Partindo desta premissa e considerando que a História da Arte se constitui como campo de conhecimento mais ou menos autônomo justamente no bojo desse percurso da modernidade em conluio com a colonialidade, o presente projeto de pesquisa propõe-se a discutir os confrontos estéticos presentes nas fricções interculturais oriundas da globalização, de modo a perceber como a arte, com suas teorias e metodologias, tornou-se um campo privilegiado de estetização de racismos e etnocentrismos desde o início do colonialismo, perpassando a gênese da arte moderna como “exotismo oriental” ou como “primitivismo afro-americano”, até chegar à absorção desses artefatos pelos sistemas e pelos mercados de arte contemporâneos. O que mudou nesse ínterim? Que sistemas de valores serviram de gatilho para essa “passagem” ao multicultural? Quais confrontos estéticos foram assumidos e quais foram subsumidos pela historiografia moderno-contemporânea da arte? Para tentar evidenciar a tessitura destas questões, a pesquisa tem caráter histórico-iconográfico instalado num diálogo interdisciplinar que envolve a História, a Antropologia e a Sociologia através de autores como Aby Warburg, Sally Price, Adolfo Colombres, Estela Ocampo, Aníbal Quijano, Walter Mignolo, Philippe Dagen, Éric Michaud, Alfred Gell, Simon Gikandi, Achille Mbembe, Frank Willet, Inaga Shigemi, Hamid Dabashi, James Clifford e Edward Said, dentre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Afonso Medeiros Souza, Universidade Federal do Pará

Doutor em Comunicação e Semiótica/Intersemiose na Literatura e nas Artes pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor Titular de Estética e História da Arte do Instituto de Ciências da Arte da Universidade Federal do Pará.  

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó, SC: Argos, 2009.

ARGAN, Giulio Carlo; FAGIOLO, Maurizio. Guia de história da arte. Lisboa: Editorial Estampa, 1992.

ARENAS, José Fernández. Teoría y metodología de la historia del arte. Barcelona: Anthropos, 1990.

BELL, Julian. Uma nova história da arte. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

BELTING, Hans. O fim da História da Arte: uma revisão dez anos depois. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

DABASHI, Hamid. Os não-europeus pensam? Amadora (Portugal): Elsinore, 2017.

DAGEN, Philippe. Primitivismes: une invention moderne. Paris: Gallimard, 2019.

DANTO, Arthur C. Después del fin del arte: el arte contemporâneo y el linde de la historia. Buenos Aires: Paidós, 2003.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem sobrevivente: história da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013

GELL, Alfred. Arte e agência: uma teoria antropológica. São Paulo: Ubu Editora, 2018.

GINZBURG, Carlo. “De A. Warburg a E. H. Gombrich: Notas sobre um problema de método”. In: GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1989, pp. 41-93.

HAVELOCK, Eric A. A revolução da escrita na Grécia e suas consequências culturais. São Paulo: UNESP; Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

LÉVI-STRAUS, Claude. A outra face da lua: escritos sobre o Japão. São Paulo: Cia. das Letras, 2012.

MENEZES, Philadelpho. A crise do passado: modernidade, vanguarda, metamodernidade. São Paulo: Experimento, 2001.

MICHAUD, Éric. Las invasiones bárbaras: una genealogia de la historia del arte. Buenos Aires: Adriana Hidalgo Editora, 2017.

NUNES, Benedito. Introdução à filosofia da arte. São Paulo: Ática, 2001.

POUTIGNAT, Philippe; STREIFF-FENART, Jocelyne. Teorias da etnicidade. São Paulo: Unesp, 2011.

QUIJANO, Aníbal. Aníbal Quijano: textos de fundación. Buenos Aires: Del Signo, 2014.

WARBURG, Aby. Histórias de fantasma para gente grande. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

WILLETT, Frank. Arte africana. São Paulo: SESC/SP; IOESP, 2017.

Downloads

Publicado

2021-12-16

Como Citar

SOUZA, J. A. M. Metodologia da história da arte não europeia : qual arte? qual história? qual metodologia? (1ª parte). Revista Visuais, Campinas, SP, v. 7, n. 2, p. 173–192, 2021. DOI: 10.20396/visuais.v7i2.16009. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/16009. Acesso em: 11 ago. 2022.