A hora e a vez do decolonialismo na arte brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/visuais.v7i1.15657

Palavras-chave:

Arte brasileira, Arte contemporânea, Decolonialismo, Arte decolonial, Estética decolonial

Resumo

Este trabalho propõe uma reflexão a respeito do conceito de “decolonialismo” e sua relação com as artes visuais no Brasil. A proposta é entender o impacto do crescimento exponencial da produção artística e teórica voltada para as questões de raça, etnia e gênero, e sua contribuição para a consolidação de uma teoria decolonial na arte brasileira. Apesar da ainda exígua representatividade no sistema artístico brasileiro, inclusive em seus espaços de decisão, pessoas negras, indígenas e que não se encaixam no sistema binário de gênero vêm produzindo uma significativa massa poética e teórica, revelando a urgente necessidade de reparação frente ao sistemático apagamento de suas experiências e memórias pela história da arte de matriz eurocêntrica e colonialista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Simões Paiva, Universidade Federal do Sul da Bahia

Doutorado no Programa Interunidades Integração da América Latina pela Universidade de ão Paulo (PROLAM-USP). Professora Adjunta na Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB).

Referências

ARIÊ, Alan. Negrestudo: Mapeamento de artistas representades pelas galerias de arte de São Paulo. Outubro, 2020. Disponível em: https://projetoafro.com/editorial/artigo/negrestudo-mapeamento-artistas-representades-pelas-galerias-de-arte-de-sao-paulo. Acesso em: 13/12/2020

CARNEIRO, Sueli Aparecida. A Construção do Outro como Não-ser como fundamento do Ser. São Paulo: FUESP, 2005.

FANON, Frantz. [1963]. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

LAGROU, Els. Arte Indígena no Brasil: agência, alteridade e relação. Belo Horizonte: Ediotra C/Arte, 2013.

LOPES, Fabiana. Territórios: artistas afrodescendentes no acervo da Pinacoteca. In: Territórios: artistas afrodescendantes no acervo da Pinacoteca/curadoria. CHIARELLI, Tadeu (Org.). São Paulo: Pinacoteca do Estado, 2016.

MIGNOLO, Walter. Aiesthesis decolonial. CALLE14, vol. 4, n. 4, janeiro-junho, 2010.

MIGNOLO, Walter. Reconstitución epistémica/estética: la aesthesis decolonial una década después. Calle 14: revista de investigación en el campo del arte 14 (25). pp. 14-32, 2019.

MIRANDA, Jorge Hilton de Assis. Branquitude invisível – pessoas brancas e a não percepção dos privilégios: verdade ou hipocrisia? In: Branquitude: Estudos sobre a Identidade Branca no Brasil. Müller, Tânia M. P.; Cardoso, Lourenço (Orgs.). Curitiba, Appris, 2017.

RANCIÈRE, Jacques. A Partilha do Sensível: Estética e Política. São Paulo: Editora 34. 2015a.

RANCIÈRE, Jacques. Sobre a especificidade do meio e o cruzamento de disciplinas na arte moderna: uma entrevista com Jacques Rancière. Ensaia. 2015b. DisponÍvel em: http://www.revistaensaia.com/uma-entrevista-com-jacques-ranciere. Acesso em: 10/12/2020.

RIBEIRO, Luciara. Curadorias em disputa: Quem são as curadoras e curadores negras, negros e indígenas brasileiros? Novembro, 2020. Disponível em: https://projetoafro.com/editorial/artigo/curadorias-em-disputa-quem-sao-as-curadoras-negras-negros-e-indigenas-brasileiros. Acesso em: 13/12/2020

ROSEVICS, Larissa. Do pós-colonial à decolonialidade. In: CARVALHO, Glauber; ROSEVICS, Larissa (Org.). Diálogos internacionais: reflexões críticas do mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: Perse, 2017. SANTOS, Boaventura de Souza. Pelas Mãos de Alice. O Social e o Político na Pós-Modernidade. Porto: Edições Afrontamento, 1999.

SANTOS, Renata Aparecida Felinto. A pálida História das Artes Visuais no Brasil: onde estamos negras e negros?. Revista GEARTE, Porto Alegre, RS, v. 6, n. 2, jul. 2019. ISSN 2357-9854. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/gearte/article/view/94288. Acesso em: 10 dez. 2020. doi:https://doi.org/10.22456/2357-9854.94288.

SHOLETTE, Gregory. Materia oscura Arte activista y la esfera pública de oposición. Cali: fundación editorial archivos del Índice, 2015. Disponível em: http://www.gregorysholette.com/wp-content/uploads/2017/10/Materia-oscura-Sholette-Spanish-espan%CC%83ol.pdf. Acesso em: 14/12/2020

SIMÕES, Igor Moraes. Onde estão os negros? Apagamentos, racialização e insubmissões na arte brasileira. Porto Arte: Revista de Artes Visuais. Porto Alegre: PPGAV-UFRGS, jul-dez, 2019; V 24; N.42. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/303969215.pdf. Acesso em: 13/12/2020

Downloads

Publicado

2021-06-24

Como Citar

PAIVA, A. S. A hora e a vez do decolonialismo na arte brasileira. Revista Visuais, Campinas, SP, v. 7, n. 1, p. 1–17, 2021. DOI: 10.20396/visuais.v7i1.15657. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/15657. Acesso em: 8 dez. 2022.