Banner Portal
A hora e a vez do decolonialismo na arte brasileira
PDF

Palavras-chave

Arte brasileira
Arte contemporânea
Decolonialismo
Arte decolonial
Estética decolonial

Como Citar

PAIVA, Alessandra Simões. A hora e a vez do decolonialismo na arte brasileira. Revista Visuais, Campinas, SP, v. 7, n. 1, p. 1–17, 2021. DOI: 10.20396/visuais.v7i1.15657. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/15657. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

Este trabalho propõe uma reflexão a respeito do conceito de “decolonialismo” e sua relação com as artes visuais no Brasil. A proposta é entender o impacto do crescimento exponencial da produção artística e teórica voltada para as questões de raça, etnia e gênero, e sua contribuição para a consolidação de uma teoria decolonial na arte brasileira. Apesar da ainda exígua representatividade no sistema artístico brasileiro, inclusive em seus espaços de decisão, pessoas negras, indígenas e que não se encaixam no sistema binário de gênero vêm produzindo uma significativa massa poética e teórica, revelando a urgente necessidade de reparação frente ao sistemático apagamento de suas experiências e memórias pela história da arte de matriz eurocêntrica e colonialista.

https://doi.org/10.20396/visuais.v7i1.15657
PDF

Referências

ARIÊ, Alan. Negrestudo: Mapeamento de artistas representades pelas galerias de arte de São Paulo. Outubro, 2020. Disponível em: https://projetoafro.com/editorial/artigo/negrestudo-mapeamento-artistas-representades-pelas-galerias-de-arte-de-sao-paulo. Acesso em: 13/12/2020

CARNEIRO, Sueli Aparecida. A Construção do Outro como Não-ser como fundamento do Ser. São Paulo: FUESP, 2005.

FANON, Frantz. [1963]. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

LAGROU, Els. Arte Indígena no Brasil: agência, alteridade e relação. Belo Horizonte: Ediotra C/Arte, 2013.

LOPES, Fabiana. Territórios: artistas afrodescendentes no acervo da Pinacoteca. In: Territórios: artistas afrodescendantes no acervo da Pinacoteca/curadoria. CHIARELLI, Tadeu (Org.). São Paulo: Pinacoteca do Estado, 2016.

MIGNOLO, Walter. Aiesthesis decolonial. CALLE14, vol. 4, n. 4, janeiro-junho, 2010.

MIGNOLO, Walter. Reconstitución epistémica/estética: la aesthesis decolonial una década después. Calle 14: revista de investigación en el campo del arte 14 (25). pp. 14-32, 2019.

MIRANDA, Jorge Hilton de Assis. Branquitude invisível – pessoas brancas e a não percepção dos privilégios: verdade ou hipocrisia? In: Branquitude: Estudos sobre a Identidade Branca no Brasil. Müller, Tânia M. P.; Cardoso, Lourenço (Orgs.). Curitiba, Appris, 2017.

RANCIÈRE, Jacques. A Partilha do Sensível: Estética e Política. São Paulo: Editora 34. 2015a.

RANCIÈRE, Jacques. Sobre a especificidade do meio e o cruzamento de disciplinas na arte moderna: uma entrevista com Jacques Rancière. Ensaia. 2015b. DisponÍvel em: http://www.revistaensaia.com/uma-entrevista-com-jacques-ranciere. Acesso em: 10/12/2020.

RIBEIRO, Luciara. Curadorias em disputa: Quem são as curadoras e curadores negras, negros e indígenas brasileiros? Novembro, 2020. Disponível em: https://projetoafro.com/editorial/artigo/curadorias-em-disputa-quem-sao-as-curadoras-negras-negros-e-indigenas-brasileiros. Acesso em: 13/12/2020

ROSEVICS, Larissa. Do pós-colonial à decolonialidade. In: CARVALHO, Glauber; ROSEVICS, Larissa (Org.). Diálogos internacionais: reflexões críticas do mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: Perse, 2017. SANTOS, Boaventura de Souza. Pelas Mãos de Alice. O Social e o Político na Pós-Modernidade. Porto: Edições Afrontamento, 1999.

SANTOS, Renata Aparecida Felinto. A pálida História das Artes Visuais no Brasil: onde estamos negras e negros?. Revista GEARTE, Porto Alegre, RS, v. 6, n. 2, jul. 2019. ISSN 2357-9854. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/gearte/article/view/94288. Acesso em: 10 dez. 2020. doi:https://doi.org/10.22456/2357-9854.94288.

SHOLETTE, Gregory. Materia oscura Arte activista y la esfera pública de oposición. Cali: fundación editorial archivos del Índice, 2015. Disponível em: http://www.gregorysholette.com/wp-content/uploads/2017/10/Materia-oscura-Sholette-Spanish-espan%CC%83ol.pdf. Acesso em: 14/12/2020

SIMÕES, Igor Moraes. Onde estão os negros? Apagamentos, racialização e insubmissões na arte brasileira. Porto Arte: Revista de Artes Visuais. Porto Alegre: PPGAV-UFRGS, jul-dez, 2019; V 24; N.42. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/303969215.pdf. Acesso em: 13/12/2020

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Alessandra Simões Paiva

Downloads

Não há dados estatísticos.