Banner Portal
Lean healthcare modelo de gestão para projeto piloto no Ambulatório de Neurologia / AVC
PDF

Palavras-chave

Gestão na saúde. Qualidade do serviço. Neurovascular.

Como Citar

ROMEU-SILVA, Sonia Neves; SPAGNOL, Gabriela Salim; LI, Li Min. Lean healthcare modelo de gestão para projeto piloto no Ambulatório de Neurologia / AVC. Revista Saberes Universitários, Campinas, SP, v. 1, n. 2, p. 3–13, 2016. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/saberes/article/view/6949. Acesso em: 25 maio. 2024.

Resumo

O pensamento enxuto (Lean Thinking) traz a possibilidade de construir um sistema de saúde cujos processos tenham como foco o paciente, baseado no respeito às pessoas, com a melhoria contínua através da eliminação dos desperdícios. Assim, os problemas são vistos como oportunidades de melhoria, mudando a cultura de toda a organização. Com base numa visão voltada à Gestão Enxuta, os responsáveis pelo Ambulatório de Neurovascular do Hospital de Clínicas da Unicamp estruturaram um grupo multidisciplinar para iniciar um projeto de melhoria, com a aplicação do SWOT, o planejamento A3 e eventos de melhoria rápida. Durante a aplicação das ferramentas, os incontáveis problemas transformaram-se em um plano claro e simples para a equipe seguir. Ao reunir fatores como profissionais qualificados e engajados, autonomia e direcionamento para identificar oportunidades de melhorias, junto a propostas de soluções construídas em equipe, o projeto apresentou potencial de vincular os princípios de organização e administração com a excelência no atendimento clínico, elevando ainda mais a qualidade dos serviços prestados pela Universidade. Este relato do projeto compreende o período entre abril e dezembro de 2015, tendo por intenção continuar a implementação de Lean Healthcare.  Importante destacar que não se trata apenas de aplicar ferramentas. As mudanças na forma de pensar, ao perceber os problemas como oportunidades de melhoria, inevitavelmente proporcionarão uma mudança na lógica dos processos. Assim, o foco do trabalho estará no que realmente importa: o paciente.

PDF

Referências

ATKINSON P. Creating and implementing lean strategies. Management Services. 2004;48(2):18-33.

DAHLGAARD JJ, DAHLGAARD-PARK SM. Lean production, six sigma quality, TQM and company culture. The TQM Magazine. 2006;18(3):263-281.

GALSWORTH, G. Visual Workplace, Visual Thinking. Portland, OR: Visual-Lean Enterprise Press; 2005, p. 13.

JAMES, J. T. A new evidence-based estimate of patient harms associated with hospital care. Journal of Patient Safety, 2013; 9(3), 122–8 . Disponível em < http://doi.org/10.1097/PTS.0b013e3182948a69>.

KOLLBERG B, DAHLGAARD JJ, BREHMER PO. Measuring lean initiatives in health care services: issues and findings. International Journal of Productivity and Performance Management. 2007;56(1):7-24.

LAGANGA LR. Lean service operations: reflections and new directions for capacity expansion in outpatient clinics. Journal of Operations Management. 2011;29(5):422-33.

LI LI MIN: Alice SARANTOPOULOS; Gabriela SPAGNOL; Robisom D. CALADO. O que é esse tal de Lean Healthcare?, 2014 – Editora Pedro e João.

LI LM, JOHNSON S. Stroke care within the golden hour. JAMA Neurol. 2015;72 (4): 475. DOI: http://dx.doi.org/10.1001/jamaneurol.2014.4568.

MENDES W, MARTINS M, ROZENFELD S, TRAVASSOS C. The assessment of adverse events in hospitals in Brazil. Int J Qual Health Care. 2009;21(4):279-84.

MONTALTI E. Gestão enxuta para saúde é tema de simpósio. Disponível em: <http://www.fcm.unicamp.br/fcm/noticias/2015/gestao-enxuta-para-saude-e-tema-de-simposio>. 29 de março de 2012.

PERDERSEN ERG, HUNICHE M. Determinants of lean success and failure in the Danish public sector – A negotiated order perspective. International Journal of Public Sector Management. 2011;24(5):403-420.

PERERA R, PEIRÓ FP. Strategic Planning in Healthcare Organizations. Revista Española de Cardiología (English Edition) 2012;65(8):749-754.

PIERCY N, RICH N. Lean transformation in the pure service environment: the case of the call service center. International Journal of Operations & Production Management. 2009;29(1):54-76.

RADNOR, Z. and R. BOADEN (2010) ‘Editorial: Lean in Public Services – Panacea or Paradox?’ Public Money & Management, 28 (1), pp.3-7.

SOUZA, LB. Trends and approaches in lean healthcare. Leadership in Health Services 2009; 22 (2): 121-139. DOI: 10.1108/17511870910953788.

SPAGNOL GS, VALLER L, AVELAR WM. Improvement initiative in stroke care. Arquivos de Neuropsiquiatria. 2015: July. 20150144. http://doi.org/10.1590/0004-282X20150144.

SWANK CK. The lean service machine. Harvard Business Review. 2003;81(10):123-9.

TAYLOR FW. The Principles of Scientific Management. New York (USA): Harper and Brothers; 1911. 323 pp.

TOUSSAINT, J, GERARD RA, ADAMS E. On the Mend – Revolutionizing Healthcare to Save Lives and Transform the Industry. Cambridge (USA): Lean Enterprise Institute; 2010. p 13.

WOMACK JP, JONES DT, ROSS D. The Machine that Changed the World. New York (USA): Rawson Associates; 1990.

Creative Commons License
https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são dos autores. Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de uso gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não comerciais. Sendo utilizados dados ou o artigo completo para outros fins, o autor deverá solicitar por escrito autorização ao editor para tais fins.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.