Banner Portal
A Educação Comparada e a insustentável leveza do ser
PDF

Palavras-chave

Educação Comparada
Políticas educacionais
Globalização
Direitos humanos

Como Citar

GOMES, C. A. A Educação Comparada e a insustentável leveza do ser. RBEC: Revista Brasileira de Educação Comparada, Campinas, SP, v. 5, n. 00, p. e023005, 2023. DOI: 10.20396/rbec.v5i00.18503. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/rbec/article/view/18503. Acesso em: 5 mar. 2024.

Resumo

Um balanço da Sociedade Brasileira de Educação Comparada, aos 40 anos, evoca a insustentável leveza do ser, conjugando a leveza da busca da liberdade e o peso concreto dos fatos. Esboçando esta contínua tensão, destacamos o objetivo inicial de abrir janelas e portas ao mundo, de modo a superar tanto uma educação introjetada como um cosmopolitismo neocolonial. Assim, buscava-se debater uma perspectiva para as ciências da educação. Levantamento em 2013 arrolou 97 artigos publicados em 1999-2014. Nesta tentativa, nos deparamos com a estimativa preliminar de cerca de 840 trabalhos publicados digitalmente de 2019 a junho de 2023. Esta explosão reflete o contexto da globalização, das avaliações comparativas e dos estímulos à competição pela eficiência, não necessariamente pela igualdade. Este trabalho conclui com indagações sobre as teias quantitativas, as linhas de montagem em que nos enredamos, em vez de ter a calma para refletir profundamente sobre os seus significados e implicações. Seríamos marionetes de um gigantesco espetáculo, de simulacro e simulação da leveza e da solidez?
https://doi.org/10.20396/rbec.v5i00.18503
PDF

Referências

Baudrillard, J. (1991). Simulacros e simulação. Relógio d’Água.

Bauman, Z. (2021). Modernidade líquida. Zahar.

Beck, U. (2011). Sociedade de risco: Rumo a uma outra modernidade. Editora 34.

Bray, M., Adamson, B., & Mason, M. (Orgs.) (2015). Pesquisa em educação comparada: Abordagens e métodos. Liber Livro; Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade; Universidade Católica de Brasília.

Castells, M. (2002). Fim de milênio (3ª ed). Paz e Terra.

Dubet, F. (2020). O tempo das paixões tristes. Vestígio.

Durkheim, É. (1963). As regras do método sociológico (3ª ed). Nacional.

Freud, S. (2011). O mal-estar na civilização. Penguin; Companhia das Letras.

Gomes, C. (2015). Educação comparada no Brasil: esboço de agenda. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. 46(243), 243–258.

https://dx.doi.org/10.1590/52176-6681/359313453

Gomes, C., & Pimentel, G. (2020). Afinal, a educação viaja bem? Revista Brasileira de Educação Comparada, 2, e020001. https://doi.org/10.20396/rbec.v2i.12229

Han, B.-C. (2019). Sociedade do cansaço (2ª ed., 3ª reimpr.). Vozes.

Kundera, M. (2008). A insustentável leveza do ser. Companhia de Bolso.

Le Breton, D. (2018). Desaparecer de si: uma tentação contemporânea. Vozes.

Mauss, M. (2012). Essai sur le don: Forme et raison d’échange dans les sociétés archaïques. Presses Universitaires de France.

Morin, E. (2021). Ciência com consciência (20ª ed.). Bertrand Brasil.

Mussot, P. (2019). Le temps de l’État-Entreprise: Berlusconi, Trump, Macron. Fayard.

Piketty, T. (2022). Uma breve história da igualdade. Bertrand.

Rosa, H. (2019). Aceleração: A transformação das estruturas temporais na Modernidade. Editora UNESP.

Schultz, T. (1961). Investment in human capital. American Economic Review, 51(3), 1-17.

Stiglitz, J., Sen, A., & Fitoussi, J.-P. (2009). The measurement of economic performance and social progress revisited [Document du Travail de l’OFCE, N. 2009-33]. Sciences-po.fr. Disponível em: https://www.ofce.sciences-po.fr/pdf/dtravail/WP2009-33.pdf.

Vitaud, L. (2022). En finir avec la productivité: Critique féministe d’une notion phare de l’économie et du travail. Payot.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Candido Alberto Gomes

Downloads

Não há dados estatísticos.