Viva a diferença
PDF

Palavras-chave

Cultura popular
Cultura material
Exposição
Pavilhão das culturas brasileiras

Como Citar

FABRIS, Yasmin; CORRÊA, Ronaldo de Oliveira. Viva a diferença: estratégias de agenciamento da cultura popular no Pavilhão das Culturas Brasileiras. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 9, n. 1, p. 115–137, 2019. DOI: 10.20396/proa.v9i1.17562. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/17562. Acesso em: 15 jul. 2024.

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar uma dis-cussão sobre as estratégias de agenciamento da cultura material popular em uma exposição. Para isso, analisamos um trecho da mostra Puras Misturas, que ficou em cartaz de abril a setembro de 2010 no Pavilhão das Culturas Brasileiras, onde foram expostos bancos produzidos em diferentes contextos – hegemônicos e subalternos - no Brasil. Como estratégia metodológica, realizamos o cruzamento entre a materialidade da mostra, acessada por meio do seu projeto expográfico, com as narrativas das curadoras que idealizaram a exposição. Por fim, demonstramos que os modos de apresentar os artefatos populares na Puras Misturas estruturaram ar-gumentos que acabaram por tensionar os discursos previstos para a arena expositiva.

https://doi.org/10.20396/proa.v9i1.17562
PDF

Referências

BARRETO, Cristina. Entrevista concedida. Novembro de 2015. São Paulo.

BARRETO, Cristina. Textos curatoriais. Novembro de 2015. São Paulo.

BORGES, Adélia. Caleidoscópio. In: BORGES, Adélia; BARRETO, Cristiana. O Pavilhão das Culturas Brasileiras: Puras Misturas. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2010.

BORGES, Adelia; BARRETO, Cristiana (orgs.). Pavilhão das Culturas Brasileiras: Puras misturas. São Paulo, Editora Terceiro Nome, 2010.

BORGES COMUNICAÇÃO LTDA. Pré-projeto de uso cultural do Edifício Pavilhão Armando Arruda Pereira. Parque Ibirapuera, São Paulo. Relatório Final. São Paulo, 2008.

BORGES COMUNICAÇÃO LTDA. Conteúdo da exposição de lançamento da nova instituição. “A mão do povo”. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura, 2008.

BORGES, Adélia. Entrevista concedida. Novembro de 2015. São Paulo.

CHARTIER, Roger. “Cultura Popular” revisitando um conceito historiográfico. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 8, n. 16, p. 179-192, 1995.

CORRÊA. Ronaldo de Oliveira. Narrativas sobre o processo de modernizar-se: uma investigação sobre a economia política e simbólica do artesanato recente em Florianópolis, Santa Catarina, BR. 2008. 305 p. Tese (Doutorado Ciências Humanas) – Programa do Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

CARDOSO, Rafael. Design, cultura material e o fetichismo dos objetos. Revista Arcos, Rio de Janeiro, v. 1, p. 14-39, out. 1998.

FORTY, Adrian. Objetos de desejo. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

GALERIA ESTAÇÃO. Artistas. Disponível em: <http://www.galeriaestacao.com.br/>.Acesso em: 20 ago. de 2016.

GARCÍA CANCLINI, Néstor. As culturas populares no capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1983.

GARCÍA CANCLINI, Néstor. Culturas Híbridas: Estratégias para Entrar e Sair da Modernidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.

GONÇALVES, Lisbeth R. Entre cenografias: o museu e a exposição de arte no século XX. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo/Fapesp, 2004.

GELL, Alfred. Arte e agência. Ubu Editora, 2018.

KOPYTOFF, Igor. The cultural biography of things: commoditization as process. The social life of things: Commodities in cultural perspective, v. 68, p. 70-73, 1986.

LAGROU. Els. Arte ou artefato? Agência e significado nas artes indígenas. Proa: revista de antropologia e arte, Campinas, n. 2, v. 1, p. 1-26, 2010.

LIMA, Ana G. M. de. Uma biografia do Kàjre, a Machadinha Krehô. In: GONÇALVES, J. R. S.; BITAR.; GUIMARÃES, R. S. A Alma das Coisas: patrimônio, materialidade e ressonância. Rio de Janeiro: Editora Mauad, FAPERJ, 2013. p. 185-210.

MENESES, Ulpiano T. B. de. A cultura material no estudo das sociedades antigas. Revista de História, São Paulo, n. 115, p. 103-117, 1983.

MENESES, Ulpiano T. B. de. Do teatro da memória ao laboratório da História: a exposição museológica e o conhecimento histórico. Anais do Museu Paulista: história e cultura material, v. 2, n. 1, p. 9-42, 1994.

MENDES, Mariuze Dunajski. Cultura Material e Design: trajetórias sociais de artefatos em contextos materiais e culturais de produção, circulação e consumo. In: Queluz, Marilda L. P. (org.). Design & Cultura Material. Curitiba: Editora UTFPR, 2012. p. 15-33.

MENDES, Mariuze Dunajski. Trajetórias sociais e culturais de móveis artesanais trançados em fibras: temporalidades, materialidades e espacialidades por estilos de vida em contexto do Brasil e Itália. 349 p. Tese (Doutorado Ciências Humanas) – Programa do Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

MILLER, Daniel. Consumo como cultura material. Horizontes antropológicos,Porto Alegre, v. 13, n. 28, p. 33-63, jul./dez. 2007.

MILLER, Daniel. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a culturamaterial. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

NOVELO, Victória. Intoducción. In: NOVELO, Victória (coordenadora). La capacitación de artesanos en México, una revisión. México: PyV, S.A. de C.V, 2003.

NOVELO, Victória. Para el estudio de las artesanías mexicanas. In: BEST MAUGARD, Adolfo. Antologia de textos sobre arte popular. México: Fondo Nacional para el Fomento de las Artesanías, 1982.

RAMOS, Francisco Régis Lopes Ramos. A danação do objeto: O museu no ensino de História. Chapecó: Argos, 2008.

SANTOS, Marinês Ribeiro dos. Questionamentos sobre a oposição marcada pelo gênero entre produção e consumo no design moderno brasileiro: Georgia Hauner e a empresa de móveis Mobilinea (1962-1975). Caderno a Tempo: Histórias em arte e design. Barbacena: EdUEMG, vol. 2, p. 25-44, 2015.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2019 Yasmin Fabris, Ronaldo de Oliveira Corrêa

Downloads

Não há dados estatísticos.