Relações de gênero no design de interiores
Na imagem, há seis caixas de papelão com desenhos no fundo, dispostas em duas fileiras. Na fileira superior, a primeira caixa apresenta o desenho de uma árvore sem folhas, a segunda caixa apresenta uma tartaruga e a terceira caixa apresenta uma cadeira de rodinhas estofada. Na fileira inferior, a primeira caixa apresenta uma penteadeira com espelho de cabeça para baixo e as duas últimas caixas juntas formam o desenho de uma mesa de ponta cabeça. No canto superior direito, há o nome da revista e abaixo dele, a indicação de "10 anos". Na parte inferior, estão as informações sobre o volume e número da revista, bem como o ISSN.
PDF

Palavras-chave

Cultura material
Design de interiores
Relações de gênero
Casa cor Paraná

Como Citar

ZACAR, Cláudia Regina Hasegawa; SANTOS, Marinês Ribeiro dos. Relações de gênero no design de interiores: o uso de referências à natureza na configuração de ambientes femininos e masculinos expostos na casa Cor Paraná. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 9, n. 2, p. 64–95, 2019. DOI: 10.20396/proa.v9i2.17533. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/17533. Acesso em: 23 jul. 2024.

Resumo

Neste artigo discutimos como a estratégia de incorporação de elementos que remetem à natureza tem sido aplicada em ambientes expostos na Casa Cor Paraná – mostra de design, arquitetura e paisagismo que ocorre em Curitiba desde 1994. Essa estratégia, historicamente mais associada a espaços destinados às mulheres, tem sido (re)produzida e atualizada na mostra, de forma a constituir noções acerca de feminilidades e masculinidades em intersecção com outros marcadores sociais, tais como idade e profissão. Para discutir essa questão, analisamos fotografias e textos de apresentação de nove ambientes, expostos entre 2003 e 2016. Recorremos ao aporte teórico dos Estudos de Gênero e de uma Teoria da Cultura Material, e construímos nossas análises em diálogo com trabalhos das áreas de História do Design e História da Arquitetura.

https://doi.org/10.20396/proa.v9i2.17533
PDF

Referências

AKRICH, Madeleine. The description of technical objects. In: BIJKER, Wiebe E; LAW, John (Eds.). Shaping technology/building society. Cambridge: MIT Press, 1992.

ANDRADE, Luciana. Casa Cor Paraná 2015: 50 ambientes atualizam o imóvel centenário. Casa.com.br, [S.l.], 24 de jun. 2015.

CASA COR PR: tendências e história se encontram em 48 ambientes. Casa Cor, [S.l.], 22 jun. 2016. Disponível em: http://casacor.abril.com.br/ambientes/casa-cor-parana-tendencias-e-historia-se-encontram-em-48-ambientes/. Acesso em: 23 jun. 2017.

BARTHES, Roland. La Torre Eiffel. In: BARTHES, Roland. La Torre Eiffel: textos sobre la imagen. Barcelona: Paidós, 2001. p. 55-86.

BATISTELLA, Alessandro. O Paranismo e a invenção da identidade paranaense. Revista Eletrônica História em Reflexão, Dourados, v. 6, n. 11, jan.-jun. 2012.

BATTEZZATI, Ligia Cristina. A personalização dos ambientes domésticos através do uso dos estilos vintage e retrô na decoração contemporânea. 2013. 181 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia e Sociedade), Programa de Pós-graduação em Tecnologia, Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Curitiba, 2013.

BUTLER, Judith. Bodies that matter: on the discursive limits of “sex”. London: Routledge, 1993.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

BUTLER, Judith. Undoing gender. New York: Routledge, 2004.

CARVALHO, Vânia Carneiro de. Gênero e artefato: o sistema doméstico na perspectiva da cultura material: São Paulo, 1870-1920. São Paulo: EdUSP, 2008.

CASA CLAUDIA. Casa Claudia apresenta Casa Cor Paraná 2003. Casa Claudia, São Paulo, ano 27, n.06, 2003.

CASA CLAUDIA. Casa Claudia apresenta Casa Cor Paraná 2004. Casa Claudia, São Paulo, ano 28, n. 5, 2004.

CASA COR PARANÁ. 24 Edições. Revista Casa Cor Paraná, Curitiba, p. 42, 2017.

CASA COR PARANÁ. Revista Casa Cor Paraná 2011. Curitiba: PR Premium Promoções e Comercial Ltda, 2011.

CASA COR. Estilo Paulista: Casa Cor São Paulo. São Paulo: Casa Cor Promoções e Comercial LTDA, 2006.

CASA.COM.BR. Casa Cor Paraná – 2008. Casa.com.br, [S.l.], 23 set. 2011. Disponível em: http://casa. abril.com.br/materia/casa-cor-parana-2008. Acesso em: 15 jul. 2014.

CASA.COM.BR. Moda e retrofit inspiram a Casa Cor Paraná 2012. Casa.com.br, [S.l.],27 jun. 2012. Disponível em: http://casa.abril.com.br/materia/moda-e-retrofit-inspiram-a-casa-cor-parana-2012. Acesso em: 08 set. 2014.

CHAUÍ, Marilena. Brasil: Mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2000.

CIPINIUK, Alberto. O Campo do Design e a crise do Monopólio da Crença. São Paulo: Blücher, 2017.

CONNELL, Robert W.; MESSERSCHMIDT, James W. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 241-282, 2013.

DARDE, Vicente William da Silva. As representações sobre cidadania de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais no discurso jornalístico da Folha e do Estadão. 2012. 230 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Informação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

DESCOLA, Philippe. Além da natureza e cultura. Tessituras, Pelotas, v. 3, n.1, p. 7-33, jan/jun 2015. Tradução de Bruno Ribeiro.

FALLAN, Kjetil. De-scribing Design: Appropriating Script Analysis to Design History. Design Issues, Cleveland, v. 24, n. 4, p. 61-75, Autumn 2008.

FORTY, Adrian. Objetos de desejo: design e sociedade desde 1750. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

GERVEREAU, Laurent. Ver, compreender, analisar as imagens. Lisboa: Edições 70, 2004.

GIAMATEI, Crícia. Decoração provençal: saiba o que é e como aplicar em 5 cômodos. Vida e Estilo, [S.l.], 22 fev. 2013. Disponível em: http://vidaeestilo.terra.com.br/casa-e-decoracao/decoracao-provencal-saiba-o-que-e-e-como-aplicar-em-5-comodos,2e388e47238fc310VgnVCM4000009bcce b0aRCRD.html. Acesso em: 20 jan. 2016.

GNT. Casa Brasileira: sobre o programa. [S. l.], 2016a. Disponível em: http://gnt.globo.com/programas/casa-brasileira/sobre.html. Acesso em: 13 out. 2016.

GNT. Decora: sobre o programa. [S. l.], 2016b. Disponível em: http://gnt.globo.com/ programas/decora/sobre.html. Acesso em: 13 out. 2016.

GRUPO ABRIL. Mídia Kit Casa Cor 2017. [S. l.], 2017. Disponível em: http://publiabril.abril.com.br/marcas/casacor. Acesso em: 16 maio 2017.

GRUPO ABRIL. Quem somos. [S. l.], 2016. Disponível em: <http://grupoabril.com.br/pt/quem-somos>. Acesso em: 20 out. 2016.

GURGEL, Miriam. Projetando espaços: guia de arquitetura de interiores para áreas residenciais. São Paulo: Senac São Paulo, 2013.

HARAWAY, Donna. Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: HARAWAY, Donna; KUNZRU, Hari; TADEU, Tomaz (Org.). Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. p. 33-118.

HENDERSHOT, Heather. Dolls: odour, disgust, femininity and toy design. In: KIRKHAM, Pat (Ed.). The gendered object. New York: Manchester University Press, 1996.JULIBONI, Márcio. Abril compra fatia do Grupo Doria e assume 100% da Casa Cor. Exame, São Paulo, 16 dez. 2011. Disponível em: http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/abril-compra-fatia-do-grupo-doria-e-assume-100-da-casa-cor. Acesso em: 05 jun. 2014.

KINCHIN, Juliet. Interiors: nineteenth-century essays on the “masculine” and the “feminine” room. In: KIRKHAM, Pat (Ed.). The gendered object. New York: Manchester University Press, 1996.

KIRKHAM, Pat; ATTFIELD, Judy. Introduction. In: KIRKHAM, Pat (Ed.). The gendered object. New York: Manchester University Press, 1996.

KOMESU, Cristiane. Conheça os ambientes da Casa Cor Paraná. Casa.com.br, [S.l.], 28 jun. 2010. Disponível em: http://casa.abril.com.br/materia/conheca-os-ambientes-da-casa-cor-parana. Acesso em: 09 set. 2014.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. São Paulo: Ed. 34, 1994.

MANCUSO, Clarice. Arquitetura de interiores e decoração: A arte de viver bem. Porto Alegre: Sulina, 2002.

MAUAD, Ana Maria. Na mira do olhar: um exercício de análise da fotografia nas revistas ilustradas cariocas, na primeira metade do século XX. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v.13, n.1, p. 133-174, jan.-jun. 2005.

McCLINTOCK, Anne. Imperial leather: race, gender and sexuality in the colonial contest. London: Routledge, 1995.

MILLER, Daniel. Material culture and mass consumption. Oxford: Basil Blackwell, 1987.

MILLER, Daniel. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

MOTA, Lara. Falta menos de um mês para a Casa Cor Paraná 2012. Gazeta do Povo, Curitiba, 03 maio 2012. Disponível em: http://www.gazetadopovo.com.br/haus/eventos/falta-menos-de-um-mes-para-a-casa-cor-parana-2012/. Acesso em: 12 jul. 2014.

NESSI, Marina. Editorial. In: CASA COR PARANÁ. Revista Casa Cor Paraná 2013. Curitiba: PR Premium Promoções e Comercial Ltda, 2013a, p. 45.

NESSI, Marina. Estilo Curitiba: os 20 anos da Casa Cor Paraná. Curitiba: Edição da autora, 2013b.

NOGUEIRA, Daliane; GALANI, Luan. Studio do rapaz – Romy Schneider. Gazeta do Povo, Curitiba, 17 jun. 2016. Disponível em: http://www.gazetadopovo.com.br/haus/arquitetura/studio-do-rapaz/. Acesso em: 02 out. 2017.

OKAZAKI, Alessandra. Criatividade e responsabilidade social na Casa Cor Paraná. Casa.com.br, [S.l.], 03 jun. 2009. Disponível em: http://casa.abril.com.br/materia/criatividade-e-responsabilidade-social-na-casa-cor-parana. Acesso em: 9 set. 2014.

PESSOA, Daniela. Urban jungle (ou selva urbana) é tendência na decoração. Veja Rio, 1 jun. 2018. Disponível em: https://vejario.abril.com.br/cidades/urban-jungle-ou-selva-urbana-e-tendencia-na-decoracao/. Acesso em: 05 maio 2019.

PINSKY, Carla Bassanezi. A era dos modelos flexíveis. In: PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria (Orgs.). Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012, p. 513-543.

POLI, Caterina. Urban jungle: o verde é tendência entre os millenials. Casa & Jardim, 18 dez. 2018. Disponível em: https://revistacasaejardim.globo.com/Casa-e-Jardim/Colunistas/Caterina-Poli/noticia/2017/10/urban-jungle-presenca-expressiva-do-verde-e-tendencia-entre-os-millennials.html. Acesso em: 05 maio 2019.

PRECIADO, Beatriz. Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1, 2014.

PRECIADO, Beatriz. Pornotopía: arquitectura y sexualidad em “Playboy” durante la guerra fría. Barcelona: Editorial Anagrama, 2010.

PRECIADO, Beatriz. Testo Yonqui. Espanha, Madrid: Editorial Espasa Calpe, 2008. PUGLIESI, Maria Helena. Em rota de expansão. In: CASA COR PARANÁ. Revista Casa Cor Paraná, Curitiba, p. 42, 2014.

PURKOTE, Isabella. Urban Jungle: 8 ambientes com a tendência da vez. Casa Claudia, 9 jan. 2018. Disponível em: https://casaclaudia.abril.com.br/paisagismo/urban-jungle-8-ambientes-com-a-tendencia-da-vez/. Acesso em: 05 maio 2019.

REDSTRÖM, Johan. Towards user design? On the shift from object to user as the subject of design. Design Studies, v. 27, n.2, March 2006, p. 123-139.

RODRIGUES, Cristiano Rodrigues; ANDRADE, Darlane Silva Vieira; MANO, Maíra Kubik. Por uma teoria social de gênero do – e para – o sul global: Uma entrevista com Raewyn Connell. Feminismos, Salvador, v.3, n.1, jan. – abr. 2015.

ROSE, Gillian. Visual Methodologies: an introduction to the interpretation of visual materials. London: Sage Publications, 2007.

ROSSETTI, Eduardo Pierrotti. Morar brasileiro: Impressões e nexos atuais da casa e do espaço doméstico. Arquitextos, São Paulo, ano 15, jun. 2014. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/15.169/5220. Acesso em: 12 jan 2016.

SALIH, Sara. Judith Butler e a teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi. História da beleza no Brasil. São Paulo: Contexto, 2014. [versão Kindle]

SANTOS, Marinês Ribeiro dos. O Design Pop no Brasil dos anos 1970: Domesticidades e relações de gênero na decoração de interiores. Curitiba: Ed. UFPR, 2015.

SZTUTMAN, Renato. Natureza & Cultura, versão americanista – Um sobrevoo. Ponto Urbe, n.4, 2009. Disponível em: https://journals.openedition.org/pontourbe/1468. Acesso em: 24 abr. 2019. VALE DE

ALMEIDA, Miguel. Género, Masculinidade e Poder: revendo um caso do sul de Portugal. Anuário Antropológico, 95, 1996. Não paginado. Disponível em: http://miguelvaledealmeida.net/wp-content/uploads/2008/06/genero-masculinidade-e-poder.pdf. Acesso em: 22 jul. 2017.

VALLS, Isabel Campi. El diseño de producto en el siglo XX: Un experimento narrativo occidental. 2015. 665f. Tesis (Doctorado en Disseny i Imatge), Facultat de Belles Arts Sant Jordi, Universitat de Barcelona, Barcelona, 2015.

VAN OOST, Ellen. Materialized Gender: How shavers configure the user’s femininity and masculinity. In: OUDSHOORN, Nelly; PINCH, Trevor (Eds.). How Users Matter: The Co-Construction of Users and Technology. Cambridge/London: MIT Press, 2003. p. 193-208.

VARGAS, Gloria Maria. Natureza e Ciências Sociais. Sociedade e Estado, Brasília, v. 18, n. 1/2, p. 115-136, jan./dez. 2003.

ZABALBEASCOA, Anatxu. Tudo sobre a casa. São Paulo: Gustavo Gili, 2013. [versão Kindle].

ZACAR, Cláudia Regina Hasegawa. O design de interiores como prótese de gênero: um estudo sobre a Casa Cor Paraná (1994-2017). 2018. 268 f. Tese (Doutorado em Tecnologia e Sociedade) - Programa de Pós-graduação em Tecnologia e Sociedade, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2018.

ZACAR, Cláudia Regina Hasegawa; SANTOS, Marinês Ribeiro dos. As estrelas da Casa Cor Paraná: um estudo sobre estratégias de construção de um ideal de "designer celebridade". Estudos em Design, Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, 2017, p. 108-126.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2019 Cláudia Regina Hasegawa Zacar, Marinês Ribeiro dos Santos

Downloads

Não há dados estatísticos.