Na rua, o sentido da festa
PDF

Palavras-chave

Rua
Festa

Como Citar

MOREIRA, Frederico Luiz. Na rua, o sentido da festa: tapetes sagrados, perecíveis serragens em cor. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 9, n. 1, p. 197–211, 2019. DOI: 10.20396/proa.v9i1.17332. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/17332. Acesso em: 17 jul. 2024.

Resumo

A prática de enfeitar as ruas para receber o sagrado manifesto remonta ao uso de oferendas ao divino e na representação do drama social. Os antigos tapetes eram ornamentações de cunho popular, realizadas como meio expressivo de crenças religiosas na Europa. Em períodos medievais tal prática contextualizava relações diretas entre a dádiva e a retribuição, estabelecendo influências no uso de calendários agrícolas para a manutenção e prática dessas tradições. Esse objeto (tapete) evidencia especificidades próprias da sociedade que o construiu. Prepara o caminho ao sagrado, contudo, numa via constituída por um meio efêmero, fugaz. Ele retrata de maneira primorosa o entendimento da comunidade sobre o rito, e por sua vez, sobre a festa. A partir de experiências antropológicas em campo foram observadas as feituras dos tapetes de serragens, que ornamentam a via da procissão na festa de Corpus Christi, em Sabará/MG.

https://doi.org/10.20396/proa.v9i1.17332
PDF

Referências

DUVIGNAUD, Jean. El Sacrifício inútil. México: Fondo de Cultura Econômica, 1997.

MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a Dádiva. Forma e razão da troca nas sociedades arcaicas (1923-24). In: Sociologia e antropologia. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo, 1974.

PEREZ, Léa Freitas. Festa, religião e cidade: corpo e alma do Brasil. Porto Alegre: Medianiz, 2011.

SANTOS, Beatriz Catão Cruz. O Corpo de Deus na América; a procissão de Corpus Christi nas cidades da América portuguesa – século XVIII. São Paulo: Annablume, 2005.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2019 Frederico Luiz Moreira

Downloads

Não há dados estatísticos.