Dicionário de Judith Martins e sua relevância na análise do patrimônio escultórico em Minas Gerais

Autores

  • Maria Regina Emery Quites Quites Universidade Federal de Minas Gerais
  • Agesilau Neiva Almada Universidade Federal de Minas Gerais
  • Idanise Sant'ana Azevedo Hamoy Universidade Federal do Pará
  • Maria Luiza Seixas de Souza e Silva Universidade Federal de Minas Gerais
  • Martha Maria de Castro e Silva Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.20396/proa.v7i2.16805

Palavras-chave:

Escultura, Artistas e artífices, Judith Martins, Minas Gerais

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar o Dicionário de Artistas e Artífices dos Séculos XVIII e XIX em Minas Gerais, de Judith Martins, pesquisando os documentos especificamente relacionados à fatura escultórica em madeira. A metodologia usada selecionou todas as referências relacionadas aos ofícios, categorias de obras, localidades, pagamentos, fatura original, intervenções e terminologias da época. Demonstramos como resultados que, nos séculos XVIII e XIX, em Minas Gerais, como através de toda história da arte, os artistas eram sempre os próprios “restauradores” do passado. Estes registros são testemunhos da importância do nosso acervo religioso e do caráter de “decoro” e “decência” que eram exigidos, para que as imagens cumprissem sua função de incitar a devoção. No campo da conservação-restauração de escultura policromada em madeira consideramos que o dicionário de Judith Martins e outros continuam sendo fontes de pesquisa interdisciplinar, onde os documentos históricos, a história da arte e a análise técnico-científica das obras podem nos levar a um melhor conhecimento da cultura de uma época e consequente valorização de nosso patrimônio escultórico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Regina Emery Quites Quites, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora associada do Departamento de Artes Plásticas da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais.

Agesilau Neiva Almada, Universidade Federal de Minas Gerais

Bacharel em Conservação e Restauração pela Escola de Belas Artes (EBA) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Idanise Sant'ana Azevedo Hamoy, Universidade Federal do Pará

Professora Assistente da FAV/ICA/UFPa. Doutoranda em Artes, Escola de Belas Artes (EBA), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Maria Luiza Seixas de Souza e Silva, Universidade Federal de Minas Gerais

Designer e modelista de joias em ouro e prata; Graduada em Artes Plásticas, Escola de Belas Artes (EBA), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), mestre pela REMAT/Escola de Minas.

Martha Maria de Castro e Silva, Universidade Federal de Minas Gerais

Arqueóloga e Curadora das Coleções de Arqueologia do Museu de História Natural da Universidade Federal de Minas Gerais (MHNJB/UFMG), Doutoranda em Artes, Escola de Belas Artes (EBA), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Referências

ACIOLY, Vera Lúcia C. A identidade da beleza: dicionário de artistas e artífices do século XVI ao XIX em Pernambuco. Recife: Editora Massangana, 2008.

ALVES, Celio Macedo. Pintores, policromia e o viver em colônia. Revista Imagem Brasileira, Centro de Estudos da Imaginária Brasileira, Belo Horizonte, n. 2, 2003.

ALVES, Marieta. Dicionário de artistas e artífices na Bahia. Salvador: Universidade Federal da Bahia, Centro Editorial e Didático, Núcleo de Publicações, 1976.

ARAÚJO, Jeaneth Xavier de. O trabalho artístico e artesanal na Vila Rica setecentista. Revista Imagem Brasileira, Centro de Estudos da Imaginária Brasileira,Belo Horizonte, n. 2, 2003.

Barroco Itália Brasil: prata e ouro na Casa Fiat de Cultura / Angelo Oswaldo, Giorgio Leone, Rossella Vodret. São Paulo: Base7 Projetos Culturais, 2014, 120 p. il., col., 23 x 28 cm. ISBN 978-85-62094-14-9 1.

BLUTEAU, Rafael. Vocabulário portuguez & latino: áulico, anatômico, architectonico... Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1712.

BRUQUETAS, Rocío. Los Gremios, las Ordenanzas, los obradores. La pintura europea sobre tabla: siglos XV, XVI y XVII,Madrid, MCU, p. 20-31, 2010.

COELHO, Beatriz. Estado atual da conservação do patrimônio escultórico no Brasil.GE Grupo Espanhol de Conservación- IIC, Madrid, v. 1, n. 2, p. 7-19, 2011.

COELHO, Beatriz, QUITES, Maria Regina Emery. Estudo da escultura devocional em madeira.

Editora Fino Traço, Belo Horizonte, 2014.

MALDONADO, Rodrigo. MOEDAS BRASILEIRAS. Catálogo Oficial. MBA gráfica e editora, 2014.

MARTINS, Judith. Dicionário de Artistas e Artífices dos Séculos XVIII e XIX em Minas Gerais. Rio de Janeiro: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 1974. Vol.1 e 2.

SERRÃO, Vitor. “Renovar, Repintar, Retocar”: estratégias do pintor-restaurador em Portugal, do século XVIII ao XIX. Razões ideológicas do iconoclasma destridor e da iconofilia conservadora, ou o conceito de “restauro utilitarista”, versus “restauro cientifico”. CONSERVAR PATRIMONIO, ARP Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de Portugal, números 3-4, Dezembro, 2006.

Downloads

Publicado

2022-09-21

Como Citar

QUITES, M. R. E. Q.; ALMADA, A. N.; HAMOY, I. S. A.; DE SOUZA E SILVA, M. L. S.; DE CASTRO E SILVA, M. M. Dicionário de Judith Martins e sua relevância na análise do patrimônio escultórico em Minas Gerais . Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 7, n. 2, p. 204–221, 2022. DOI: 10.20396/proa.v7i2.16805. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/16805. Acesso em: 2 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos