Funkeiras e hip hoppers, mulheres artistas em movimento
PDF

Como Citar

RAMOS, Izabela Nalio. Funkeiras e hip hoppers, mulheres artistas em movimento. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 7, n. 1, 2017. DOI: 10.20396/proa.v7i1.16517. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/16517. Acesso em: 18 abr. 2024.

Resumo

Relato de pesquisa de campo.
https://doi.org/10.20396/proa.v7i1.16517
PDF

Referências

CAETANO, Mariana Gomes. My Pussy é o Poder:

representação feminina através do funk: identidade,

feminismo e indústria cultural. Dissertação de mestrado

apresentada ao Programa de Cultura e Territorialidades,

Universidade Federal Fluminense, 2015.

COLLINS, Patricia Hill. Toward a politics of empowerment.

In: Black Feminist Thought, 2000, Routledge.

PEREIRA, Alexandre Barbosa. Funk ostentação em São

Paulo: imaginação, consumo e novas tecnologias da

informação e da comunicação. Dossiê sobre cultura

popular urbana. In: Revista de Estudos Culturais. São

Paulo, 2014.

RAMOS, Izabela Nalio. Entre “perifeminas” e “minas

de artilharia”: participação e identidades de mulheres

no hip hop e no funk em São Paulo. Dissertação de

mestrado apresentada ao Programa de Pós Graduação

em Antropologia Social, Universidade de São Paulo,

SANTOS, Jaqueline Lima. Negro, jovem e hip hopper:

história, narrativa e identidade em Sorocaba.

Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de

Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade

Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 2011.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2017 PROA Revista de Antropologia e Arte

Downloads

Não há dados estatísticos.