Autoria, curadoria e world music: a face ativa do trabalho passivo da Putumayo
PDF

Como Citar

MENEZES, Pedro. Autoria, curadoria e world music: a face ativa do trabalho passivo da Putumayo. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 5, 2014. DOI: 10.20396/proa.v5i.16489. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/16489. Acesso em: 24 maio. 2024.

Resumo

Essa é uma pesquisa sobre a Putumayo, gravadora nova-iorquina de world music, que se propõe a organizar coletâneas que reúnem faixas de “lugares exóticos onde a música se originou”, para que o resto do mundo conheça aquelas culturas “tais como são”. Mas o que se observou no exercício de pesquisa é que o trabalho de curatela da gravadora traz em seu bojo uma forte marca autoral: a Putumayo não apenas (passivamente) expõe as culturas em seus próprios termos nativos, mas (ativamente) as constitui substancialmente, com base na sua gramática nova-iorquina. Tendo isso em vista, o texto intenta evidenciar como os passivos e desinteressados gestos de curadoria são também ativos e interessados atos de autoria: as culturas do mundo não estão sendo apenas dispostas e organizadas, mas também constituídas. Aquele que seleciona, por se acreditar apto para tal, é também o que instaura. Dessa maneira, o artigo se debruça sobre o binômio “mediação de sentido/ imputação de sentido”, almejando analisar como instâncias intermediárias, ao se julgarem capazes de mediar, acabam por imputar os sentidos que pareciam estar apenas mediando: justamente por residirem nesse entre, os mediadores acabam vazando para os polos, constituindo-os. Em linhas gerais, esse é um trabalho sobre práticas de exotização e estereotipia na construção do Outro, que objetiva mostrar como o exercício de sair de si em busca da alteridade, quando baseado nos próprios pressupostos, não deixa de ser um mergulho para dentro de si mesmo.
https://doi.org/10.20396/proa.v5i.16489
PDF

Referências

ADORNO, Theodor. Introdução à Sociologia da Música. São Paulo: Unesp, 2009.

ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro:

Zahar, 2006.

BATESON, Gregory. Naven. São Paulo: Edusp, 2008.

BAUMANN, Zygmunt. Legisladores e Intérpretes. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

BOURDIEU, Pierre. A Distinção. São Paulo: Zouk, Edusp, 2007.

______. O Senso Prático. Petrópolis: Vozes, 2009.

LEITÃO, Déborah. Nós, os outros: construção do exótico e consumo de moda brasileira na

França. In: Horizontes Antropológicos, v.13, n. 28, 2007.

MANNHEIM, Karl. Ideologia e utopia. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

PRICE, Sally. Arte primitiva em centros civilizados. Rio de Janeiro: UFRJ, 2000.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O Nativo Relativo. In: Mana. V. 8 N.1. Abril, 2002.

______. A Inconstância da Alma Selvagem. São Paulo: Cosac & Naify, 2011.

WAGNER, Roy. A invenção da Cultura. São Paulo: Cosac&Naify, 2010.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2016 PROA - Revista de Antropologia e Arte

Downloads

Não há dados estatísticos.