Quem disse que não existe a ciência do ceramista?
PDF

Como Citar

BRANQUINHO, Fátima; NOGUEIRA, Maria Aparecida Lopes. Quem disse que não existe a ciência do ceramista?. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 3, 2011. DOI: 10.20396/proa.v3i.16446. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/16446. Acesso em: 17 jun. 2024.

Resumo

-
https://doi.org/10.20396/proa.v3i.16446
PDF

Referências

Arriscado, J. N. Publics, mediations and situated constructions of science: the case of microscopy, Oficina do CES, dez., n. 103, 1997.

Blandin, Bernard. La Construction du social par les objets. Paris: Presses Universitaires de France, 2002.

Branquinho, F. T. B.; Santos, J. S. “Antropologia da Ciência, Educação Ambiental e Agenda 21 local”. In Educação e Realidade. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação, v. 32, n. 1, p. 48. 2007.

Callon, M.; Lascoumes, P.; Barthe, Y. Agir dans un monde incertain. Essai sur la démocratie technique. Seuil, 2001.

Latour, B. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

Law, J.; Mol, A. Complexities, Durham and London. Duke University Press: Durham, Carolina do Norte, 2002.

Lévi-Strauss, O pensamento selvagem. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1976.

Morin, E. La Méthode 2. La vie de la vie.Paris: Éditions du Seuil, 1980.

Prigogine, I.; Stengers, I. La nouva alleanza. Turim: Einaudi, 1981.

Stengers, Isabelle; Bensaude-Vincent, Bernadette. 100 mots pour commencer à penser les sciences. Paris: Les Empêcheurs de Penser en rond, 2003.

Valladares, C. P. “Introdução”. In: Fundação Nacional da Arte, Artesanato brasileiro. Rio de Janeiro: Edição Funarte, 1978, p. 5.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2016 PROA - Revista de Antropologia e Arte

Downloads

Não há dados estatísticos.