Por uma etnologia dos artefatos: arte cosmológica, conceitos mitológicos
PDF

Como Citar

ARONI, B. O. Por uma etnologia dos artefatos: arte cosmológica, conceitos mitológicos. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 2, 2010. DOI: 10.20396/proa.v2i.16428. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/16428. Acesso em: 28 fev. 2024.

Resumo

O objetivo desta reflexão é obter pistas para um estudo antropológico dos artefatos em realidades indígenas amazônicas, a partir de uma composição entre os campos da Antropologia da arte e da etnologia ameríndia. Buscando verificar a aplicabilidade dos conceitos ocidentais nessas realidades específicas, tento demonstrar como as próprias noções de arte e estética têm limites claros para se refletir sobre os contextos ameríndios, devendo, para tal, ser repensadas. Investigando as formas de agência e a materialidade da vida social, a intenção é perceber até que ponto objetos podem ser considerados “sujeitos” nas redes de interação, condensando complexidades que lhes são próprias. Transitando entre interpretações funcionalistas e simbólicas, e refletindo também sobre os universais da cognição, entendo que as formas de apreensão do mundo, das pessoas e dos objetos, podem ser variantes e relativas aos contextos diferenciados. Como forma de conclusão, busco interpretar um caso etnográfico da Amazônia indígena, relacionado ao “complexo das flautas”, onde as conexões entre gênese artística, cosmologia e mitologia se demonstram vigorosas
https://doi.org/10.20396/proa.v2i.16428
PDF

Referências

BARCELOS NETO, A. Apapaatai: rituais de mascaras no Alto Xingu. São Paulo: Editora

da Universidade de São Paulo, 2008.

BATESON, G. Style, grace et information dans l'art primitif. IN : Vers une écologie de

l'esprit. Paris, Ed. Seuil, 1977.

CARNEIRO DA CUNHA, M. Os mortos e os outros. São Paulo: Hucitec, 1978.

COSTA, R. M. R. Cultura e Contato: uma análise da sociedade Paresí no contexto das

relações interétnicas. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social: Museu

Nacional, UFRJ, 1985.

CRARY, J. Modernity and the Problem of Attention In Suspensions of Perception.

Attention, Spectacle, and Modern Culture. Cambridge (Mass.) & London: MIT Press,

DANTO, A. Artifact and Art. In Art/Artefact, 1989.

FAUSTO, C. Banquete de gente: comensalidade e canibalismo na Amazônia. In Mana.

Estudos de Antropologia Social. v.8. 2002.

GELL, A. Art & Agency: an anthropological theory. Clarendon Press: Oxford, 1998.

GELL, A. The technology of enchantment and the enchantment of technology. In

COOTE & SHELTON (Eds.). Anthropology, Art and Aesthetics, 1992.

HENARE, A; HOLBRAAD, M.; WASTELL, S. Introduction: thinking through things. In

HENARE, A; HOLBRAAD, M.; WASTELL, S. (Eds) Thinking through things: theorising

artefacts etnographically. London: Routledge, 2006.

INGOLD, T. Society, nature and the concept of technology; On weaving a basket; Of

string bags and birds' nests. In The perception of the environment: essays on

livelihood, dwelling and skill. London & New York: Routledge, 2000.

LAGROU, E. Caminhos, duplos e corpos. Tese de Doutorado, Universidade de São

Paulo, 1998.

LAGROU, E. A fluidez da forma: arte, alteridade e agência em uma sociedade

amazônica. Topbooks, Rio de Janeiro, 2007.

LATOUR, B. What is Iconoclash? In: LATOUR, B.; PETER, W. Iconoclash. Karlsruhe

(Germany) and Cambridge, Mass. ZKM and MIT Press, 2002.

LATOUR, B. Jamais Fomos Modernos – Ensaio de Antropologia Simétrica. São Paulo,

Editora 34, 1994.

LEACH, E. R. Sistemas políticos da Alta Birmânia (1954). São Paulo: Edusp, 1996.

MENEZES BASTOS, R. J. A musicológica kamayurá: para uma Antropologia da

comunicação no Alto-Xingu. Florianópolis: Editora da Universidade Federal de Santa

Catarina, 1978.

MILLER, D. Materiality: an introduction. IN: MILLER, D. (Ed) Materiality. Durham, N.C.:

Duke University Press. 2005.

OVERING, J. (1991) A estética da produção: o sendo de comunidade entre os Cubeo e

os Piaroa (1991) In: Revista de Antropologia, v. 49, 2006.

PIETZ, W. The Problem of the Fetish, I. In Anthropology and Aesthetics. Spring, 1985.

PIETZ, W. The Problem of the Fetish, II. In Anthropology and Aesthetics. Spring, 1987.

PIETZ, W. The Problem of the Fetish, III. In Anthropology and Aesthetics. Spring,

SAHLINS, M. Ilhas de História. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

SEVERI, C. Le principe de la quimére. Une anthropologie de la mémoire. Paris:

Aesthetica, 2007.

STRATHERN, M. O Gênero da Dádiva. Campinas: Editora Unicamp, 2006.

TAUSIG, M. Mimesis and Alterity. A Particular History of the Senses. New York/London:

Routledge, 1993.

VAN VELTHEM, L. H. O belo e a fera: a estética da produção e da predação entre os

Wayana. Lisboa: Assírio & Alvim, 2003.

VERNANT, J.P. Do duplo à imagem. IN:______. Mito e Pensamento entre os Gregos,

VERNANT, J.P. The birth of images. IN: ______. Mortals and Immortals. Collected

Essays Princeton: NJ, 1991.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio IN:

Revista Mana - Estudos de Antropologia Social. Rio de Janeiro, PPGAS/MN/UFRJ. v. 2,

n. 2, 1996.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2016 PROA - Revista de Antropologia e Arte

Downloads

Não há dados estatísticos.