Banner Portal
Roma et Barbaries: a evolução do conceito de barbárie em Roma Antiga.
PDF

Palavras-chave

Barbarus. Humanitas. Romanitas. Barbárie. Paganismo.

Como Citar

GOUVÊA, Márcio. Roma et Barbaries: a evolução do conceito de barbárie em Roma Antiga. Phaos: Revista de Estudos Clássicos, Campinas, SP, v. 12, n. 12, 2014. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/phaos/article/view/9478. Acesso em: 24 maio. 2024.

Resumo

Desde a República, quando Roma expandiu suas fronteiras além da península Itálica, a lida com o conceito de barbárie foi fundamental para a definição da condição cultural da Vrbs e do estatuto de seus cidadãos. Inserindo-se tardiamente no mundo helenístico, Roma precisou consolidar sua condição educacional para ocupar a posição hegemônica no campo civilizacional do Mediterrâneo, como fizera belicamente. Para tanto, o conceito de humanitas, transformado depois nas especificidades da romanitas, tornou-se um divisor capaz de apartar os civilizados dos bárbaros. Bárbaro, portanto, era quem não compartilhava os valores da romanitas. Porém, as transformações por que passou o Estado Romano com o advento do cristianismo inseriram novo componente na definição do bárbaro – o paganismo. Acompanhar o desenvolvimento histórico do conceito latino da barbárie é, pois, uma forma de compreender a história de Roma Antiga.

PDF

Referências

ARMARIO, Francisco. Los barbaros em Amiano Marcelino. 2001. Tese. Universidade de Cadiz, Cadiz, 2001.

CARDOSO, Zélia A. Estudos sobre as Tragédias de Sêneca. São Paulo: Alameda Casa Editorial, 2005.

CHAMPION, Craige. Romans as βαρβαροι: Three Polybian Speeches and the Politics of Cultural Indeterminacy. Classical Philology, Chicago, v. 95, n. 4. 2000.

CHAUÍ, Marilena. Introdução à História da Filosofia, vol. 2 – As escolas helenísticas. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

CITRONI, Mario, et al. Literatura de Roma Antiga. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2006.

DAUGE, Yves. Le Barbare. Recherches sur la conception romaine de la barbarie e et de la civilization. Bruxelles: Colection Latomus, 1981.

DUMONT, Jean P. Elementos de História da Filosofia Antiga. Brasília: Editora UNB, 2004.

FROTHINGHAN, A. L. Diocletian and Mithra in the Roman Forum. American Journal of Archeology, v. 18, n. 2, p. 146-155, 1914.

FUHRER, Therese. Sêneca – sobre a discrepância ente o ideal e a realidade. In: ERLER, Michel; GRAESER, Andréas (orgs.). Filósofos da Antiguidade: do helenismo até a Antiguidade tardia – uma introdução. São Leopoldo: Unisinos, 2005.

GOUVÊA JÚNIOR, Márcio. O Carmen Sacrum de Proba. Nuntius Antiquus, Belo Horizonte, v.5, p. 57-68, 2010.

GRIMAL, Pierre. Império Romano. Lisboa: Edições 70, 1999.

HALSALL, Guy. Barbarian Migrations and the Roman West – 376-568. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

HINGLEY, Richard. Globalizing Roman Culture Unity. London: Routledge, 2005.

JONATHAN, David. The Exclusion of Women in the Mithraic Mysteries: Ancient or Modern? Numen, Pennsylvania, v. 47, n. 2, p. 121-141, 2000.

KONSTAN, David. Cosmopolitan Traditions. In: BALOT, Ryan (ed.). A Companion to Greek and Roman Political Thought. Oxford: Wiley-Blackwell, 2009. p. 473-484.

KRAUS, Cristina. Bellum Galicum. In GRIFFIN, Mirian (ed.). A Companion to Julius Caesar. London: Wiley-Blackwell, 2009.

MCLYNN, Neil. Pagans in Christian Empire. In: ROUSSEAU, Phillip (ed). Companion on Late Antiquity. Oxford: Wiley-Blackwell, 2009. p. 572-587.

MOMIGLIANO, Arnaldo. Alien Wisdon – the limits of hellenization. Cambridge: Cambridge University Press, 1971.

OLIVEIRA, Francisco de. Sociedade e Cultura na Época Augustana. In: SOUSA PIMENTEL, Maria C.; RODRIGUES, Nuno S. (Coords.). Sociedade, Poder e Cultura no Tempo de Ovídio. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos, da Universidade de Coimbra, 2012. p. 11-36.

ROCHA PEREIRA, Maria. Estudos de História da Cultura Clássica - vol. 2, Cultura Romana. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

SCHADEE, Hester. Caesar’s construction of northern Europe. The Classical Quarterly, London, v. 58, n.1, p. 158-180, 2008.

VEYNE, Paul. Humanitas: Romanos e não Romanos. In: GIARDINA, Andréa (ed.). O Homem Romano. Lisboa: Editorial Presença, 1992.

VEYNE, Paul. Quando nosso mundo se tornou cristão. São Paulo: Editora Civilização Brasileira, 2007.

WOOLF, Greg. Becoming Roman – The Origins of Provincial Civilization in Gaul. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

Al someter textos a PhaoS, sus autores deben ser conscientes de que, si se aprueban para publicación, la revista tendrá sobre ellos todos los derechos de autor pertinentes. Los originales no se devolver. La revista adopta la Licencia de Creative Commons internacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.